Dicionário Aegis de Design

(Resultado para Mary Cassatt e suas conexões)

  • Mary Cassatt

    PersonagensAcessar
  • Japonismo

    MovimentosAcessar
  • Édouard Colonna

    PersonagensAcessar
  • Edward William Godwin

    PersonagensAcessar
  • Félix Bracquemond

    PersonagensAcessar
  • Georges de Feure

    PersonagensAcessar
  • Henri de Toulouse-Lautrec

    PersonagensAcessar
  • Siegfried Samuel Bing

    PersonagensAcessar
  • Bertha Lum

    PersonagensAcessar
  • Eugène Gaillard

    PersonagensAcessar
  • Georges Ferdinand Bigot

    PersonagensAcessar
  • Katsushika Hokusai

    PersonagensAcessar
  • Kitagawa Utamaro

    PersonagensAcessar

CASSATT, Mary
(Mary Cassatt)

ATUAÇÃO: Pintor(a)
 
 CRONOLOGIA: 
  • 1844 - Nasce em Pensilvânia, Estados Unidos.

  • 1855 - Tem seu primeiro contato com a arte de renomados pintores franceses como Ingres, Delacroix, Corot e Courbet na Exposição Universal de Paris.

  • 1859 - Apesar dos protestos de sua família, começa a estudar pintura na Academia de Belas Artes da Pensilvânia.

  • 1865 - Cansada da atitude paternalista de seus colegas e professores, e impaciente com o progresso lento de seus estudos, decide deixar a escola e estudar os antigos mestres por si só.

  • 1866 - Muda-se para Paris com sua mãe, mas como mulheres são proibidas de estudar na Escola de Belas Artes de Paris, Cassatt procura por aulas particulares com os mestres da academia. É aceita por Jean-Leon Gérome, um renomado artista hiperrealista e conhecido por sua pintura de temas exóticos.

  • 1868 - Tem sua primeira pintura, “A Tocadora de Mandolin” aceita no Salão de Paris. Cassatt é uma das duas únicas mulheres americanas aceitas na exposição aquele ano.

  • 1870 - Retorna aos Estados Unidos para viver com sua família, mas continua sem receber incentivo. Desiludida com a falta de interesse do público em adquirir sua arte, Cassatt chega perto de desistir de sua carreira artística.

  • 1872 - Tendo retornado para a Europa no final do ano anterior, tem mais um quadro aceito e vendido no Salão de Paris, chamando a atenção da comunidade artística de Parma, que a incentiva e encoraja a continuar.

  • 1877 - Tem, pela primeira vez em sete anos, todas as suas pinturas rejeitadas pelo Salão de Paris. É então convidada por Degas a mostrar seu trabalho junto dos Impressionistas em suas exposições indepentes. Mary aceita com entusiasmo.

  • 1891 - Atraída pela simplicidade e uso de blocos de cor da ilustração japonesa, exibe uma série de gravuras coloridas em água-tinta, dentre elas O Penteado e O Banho, inspiradas nas obras de mestres Japoneses exibidas em Paris. Suas obras são consideradas sua contribuição mais original à história da arte.

  • 1893 - Pinta o mural Mulher Moderna, dividido em três partes, para a ala das mulheres na Feira Universal de Chicago. Bertha Palmer, mulher de negócios americana responsável pela encomenda, considerava Cassatt como a única capaz de realizar tal obra tão importante sobre o status das mulheres na era atual.

  • 1904 - Recebe a Legião de Honra da França por sua contribuição nas artes. Seu sucesso é reconhecido na Europa, porém em sua terra natal e entre sua família Cassatt não recebe o devido mérito.

  • 1914 - É forçada a parar de pintar devido ao estado avançado de sua catarata.

  • 1915 - Exibe dezoito de suas obras em apoio ao movimento Sufragista. Seu apoio ao movimento feminista causa conflitos entre Cassatt e sua família, o que a faz vender suas obras antes destinadas a seus herdeiros.

  • 1926 - Morre aos 82 anos próxima a Paris, França.

Japonismo
(Japonismo)

ORIGENS: França, Reino Unido
 A palavra ‘Japonismo’ foi cunhada em 1872 pelo autor e colecionador francês, Philippe Burty, para “designar um novo campo de estudos relacionado à arte, à história e à etnografia inspirado pela arte japonesa”. Para os olhos saturados pelo Neoclassicismo e pelo renascimento Gótico, então em plena voga, a arte japonesa era muito mais do que uma mera novidade visual refrescante. Todavia, é enganoso usar a palavra ‘Japonismo’ como se tratasse apenas de um fenômeno francês".
LAMBOURNE, Lionel. [2005]
Japonisme. Cultural crossings between Japan and the West.
London, Phaidon Press, 2011.

COLONNA, Édouard
(Édouard Colonna)

 Como designer de móveis, Eugène Colonna [sic] situa-se entre (...) [Eugène Gaillard e Georges De Feure]. Menos dinâmico do que Gaillard, mostra-se tão elegante como De Feure no que este tem de melhor; mas sua decoração é mais calma e mais austera do que a de ambos. De Feure e Colonna também trabalharam com têxteis e com porcelana”.
Madsen, Stephan Tchudi. [1956]
The Art Nouveau Style.
New York, Dover Publications.
 CRONOLOGIA: 
  • 1862 - Nasce, em Colônia, Alemanha, o primeiro filho do segundo casamento de Karl Edouard Klonne. A criança mais tarde assumirá o pseudônimo de Edward (Édouard) Colonna.

  • 1877 - Vai para Bruxelas, onde termina seus estudos de arquitetura em 1881.

  • 1882 - Muda-se para Nova Iorque, onde trabalha na Tiffany's Associated Artists por pouco tempo.

  • 1884 - Começa a trabalhar para o escritório de arquitetura de Bruce Price, em Nova Iorque.

  • 1885 - Passa a trabalhar para um dos maiores clientes da Bruce Price - a Barney & Smith Co., em Dayton, onde desenvolveu uma serie de projetos em maioria voltados para decoração de interiores.

  • 1888 - Casa-se com Louise McLaughlin, com quem tem um filho. O casamento não dura muito tempo. Neste mesmo ano deixa a Barney & Smith.

  • 1889 - Muda-se para Montreal, Canadá, onde abre seu escritório. Um de seus maiores clientes - a Canadian Pacific Railway -, era também cliente da Barney & Smith.

  • 1897 - Com o fim da expansão ferroviária, desliga-se da Canadian Pacific Railway.

  • 1898 - Muda-se para a Europa, estabelecendo-se em Paris onde começa a trabalhar como designer para a Maison de l’Art Nouveau, de Siegfried Bing.

  • 1898 - Tem início o ápice da carreira de Collona, que perdura até 1902. Collona desenha jóias, produtos têxteis, móveis e participa da Exposição Universal de Paris, de 1900.

  • 1903 - Com a decadência do da galeria de Bing, Collona não consegue manter-se no ramo.

  • 1905 - Declínio do Art Nouveau e a morte de Siegfried Bing: Colonna volta ao Canadá, fixando-se em Toronto.

  • 1923 - Aos 61 anos muda-se para Nice, no Sul da França. Sua saúde torna-se frágil.

  • 1928 - Com a total deterioração de sua saúde, fica paralisado e confinado à sua cama, onde passará seus últimos anos.

  • 1948 - Morre, aos 86 anos, em Nice.

GODWIN, Edward
(Edward William Godwin)

 
 CRONOLOGIA: 
  • 1833 - Nasce em Bristol, Inglaterra.

  • 1854 - Indignado com o pouco reconhecimento recebido por seus trabalhos como aprendiz do engenheiro William Armstrong e autodidata no campo da arquitetura, Godwin abre seu próprio estúdio, especializando-se em arquitetura eclesiástica.

  • 1858 - Conhece o designer neogótico William Burges e logo se tornam bons amigos.

  • 1861 - Tem seu projeto Neogótico, amplamente inspirado no livro "As Pedras de Veneza" de John Ruskin, escolhido como vencedor em uma competição para desenhar a prefeitura de Northampton, sua decoração e mobilia.

  • 1862 - Após a Exposição Internacional de Londres, começa a colecionar objetos japoneses, e se torna, a partir de então, muito influenciado pelo design oriental.

  • 1868 - Se envolve com a atriz Ellen Terry, com quem tem dois filhos ilegítimos. Durante os anos de duração do relacionamento, Godwin escreve uma série de artigos sobre cenário e indumentária teatral.

  • 1876 - Começa a desenhar casas para o novo suburbio de Berdford Park em Chiswick, Londres. Na época, suas casas são consideradas pobres, muito altas e estreitas e poucas chegam a ser construídas.

  • 1877 - É contratado pelo pintor James Whistler para construir sua casa em Chelsea, Londres. O interesse comum de ambos na arte japonesa fez com que colaborassem na decoração interior da casa, que vem a ser conhecida como A Casa Branca.

  • 1881 - Constroi a entrada para A Sociedade De Belas Artes, na Bond Street, e redecora a galeria para uma exposição de quadros de Whistler.

  • 1884 - Começa a trabalhar para o departamento de roupas de Liberty & Co. No mesmo ano, decora o interior da casa de Oscar Wilde em Tite Street.

  • 1886 - Morre aos 53 anos em Londres, Inglaterra.

BRACQUEMOND, Félix
(Félix Bracquemond)

ATUAÇÕES: Pintor(a), Entalhador(a)
 1833 - 1914
 CRONOLOGIA: 
  • 1833 - Nasce em Paris, França.

  • 1848 - Começa seu aprendizado como litógrafo.

  • 1853 - Começa a se interessar por gravação e pela técnica da água-forte.

  • 1856 - Além de gravador projeta-se como pintor impressionista.

  • 1867 - Atrai a atenção dos críticos pela decoração de um aparelho de porcelana projetado por Eugène Rousseau para ser apresentado na Exposição Universal de Paris.

  • 1871 - Começa a trabalhar como diretor do ateliêr de Charles Haviland, em Auteuil, Paris, onde permanece até 1880.

  • 1874 - Participa da primeira exposição de pintores impressionistas.

  • 1875 - Produz o aparelho de jantar Service Parisien, para Charles Haviland.

  • 1879 - Participa da segunda exposição de pintores impressionistas.

  • 1880 - Participa da terceira exposição de pintores impressionistas.

  • 1885 - Publica o livro Du dessin et de la couleur.

  • 1890 - Ajuda a fundar a Société des Peintres-Graveurs Français.

  • 1900 - Obtém o grande prêmio, na categoria Gravura, na Exposição Universal de Paris.

DE FEURE, Georges
(Georges de Feure)

 "If the word 'feminine' can be used at all about applied art, then it can aptly be used to describe the work of Georges de Feure. Not only does he place his slender graceful female forms on posters and screens, and anywhere else he can put them, but his neat objects are designed so gracefully and so airly as though they were all intended for a female hand."

MADSEN, Stephan Tschudi. [2007]
The Art Nouveau Style.
Nova Iorque, Dover.
 CRONOLOGIA: 
  • 1868 - Nasce em Paris, na França.

  • 1870 - Georges e sua família partem da França devido a Guerra Franco Prussiana.

  • 1886 - Ingressa na Royal Academy of Visual Arts, em Amsterdam.

  • 1890 - Retorna a Paris, onde torna-se pupilo de Jules Chéret e produz cartazes para Salon Des Cent, Loie Fuller e Thermes Liegois.

  • 1893 - Continua a produção cartazes sob encomenda. No mesmo ano, expõe suas pinturas no Salon de la Rose Croix.

  • 1894 - É realizada exposição individual de seus trabalhos (dentre eles pinturas, cartazes, cerâmicas e móveis) na Société Nationale des Beaux-Arts, o que lhe traz notoriedade.

  • 1900 - Projeta o pavilhão da galeria de Siegfried Bing na Exposition Universelle de Paris, onde participa exibindo seus trabalhos. Uni-se à galeria L'Art Nouveau, e se torna chefe do Departamento de Design, nos anos seguintes.

  • 1901 - É nomeado Chevalier de la Légion d'honneur por sua contribuição para as Artes Decorativas.

  • 1912 - Muda-se para a Inglaterra, onde trabalha com Teatro, projetando cenários e figurinos com aproximação ao Art Decó.

  • 1924 - Projeta todos os móveis da casa de Madeleine Vionnet, em Paris.

  • 1925 - Projeta o pavilhão de Roubaix et Tourcoing na Exposition Internationale de Arts Décoratifs et Industriels Modernes.

  • 1928 - É nomeado professor na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts de Paris.

  • 1943 - Morre em Paris, aos 75 anos.

TOULOUSE-LAUTREC, Henri de
(Henri de Toulouse-Lautrec)

 A sensibilidade exasperada pelas cores contrastantes é uma das qualidades de seu “macabro” gênio. Nada o repele; pinta beleza e feiúra com soberba indiferença; pinta o vício e o vil, exóticas, atrozes e obscenas criaturas com a absoluta insolência e o máximo cinismo de um Diabo ou de um Deus que criaram em mútuo antagonismo o cruel e adorável mundo no qual vivemos. (…) Parte da técnica de Lautrec consiste não somente no seu modo original de observar a realidade, mas na sua maneira de ver as coisas: não em porções, não em sombras, mas em massas (…) Lautrec tinha uma paixão por cores brutais, em contrastes violentos e muitas vezes excessivos."
SYMONS, Arthur. [1930]
From Toulouse-Lautrec to Rodin.
New York, Kessinger Publishing..
 CRONOLOGIA: 
  • 1864 - Nasce em Albi, na França.

  • 1878 - Sofre duas quedas consecutivas, nas quais quebra os dois fêmures devido a uma doença manifestada anos antes, que afeta a formação dos ossos, fazendo com que Henri não ultrapasse a altura de 1,52m.

  • 1880 - Monta um estúdio particular em Paris e passa a frequentar teatros e cabarés de Montmartre.

  • 1882 - Estuda Pintura com o retratista Léon Bonnat e, posteriormente, com Fernand Cormon, cujo ateliê frequenta por cinco anos.

  • 1888 - Pinta La Blanchisseuse no jardim de Pere Foret, Paris.

  • 1889 - Expôe suas obras no Salon des Indépendants.

  • 1890 - Produz ilustrações para a revista humorística semanal Le Rire.

  • 1891 - É contratado por Charles Zidler para criar o cartaz do Moulin Rouge, que corresponde ao seu primeiro cartaz litográfico.

  • 1893 - Tem sua primeira mostra individual, na galeria Booussod & Valadon.

  • 1894 - Produz ilustrações para La Revue Blanche.

  • 1896 - É impresso seu trabalho Elles, série de litografias coloridas focada no universo feminino, que produz um panorama da vida nos bordéis.

  • 1899 - O excesso de álcool faz com que seja internado em uma clínica psiquiátrica após um colapso nervoso.

  • 1901 - Morre vítima de sífilis e alcoolismo, em Malmoré, na França.

BING, Siegfried
(Siegfried Samuel Bing)

ATUAÇÕES: Marchand, Empresária(o)
 É importante observar que houve uma mudança na nomenclatura do movimento, na França, após a abertura da loja de Siegfried Bing, em Paris, mais ou menos na época do Natal de 1895. O letreiro laranja foi descrito por Arsène Alexandre, editor da Revue des Arts Décoratifs, da seguinte maneira: “Acima dos dois enormes girassóis esculpidos em relevo, brutalmente agigantados se comparados aos naturais; sem gosto e sem estilo, lêem-se duas palavras de uma deliciosa modéstia: l’art nouveau.”

MADSEN, Stephan Tschudi. [1956]
The Art Nouveau Style.
New York, Dover Publications, 2002.
 CRONOLOGIA: 
  • 1838 - Nasce em Hamburgo, Alemanha.

  • 1854 - Muda-se para a França onde irá participar dos negócios da família: são comerciantes de porcelana e móveis.

  • 1863 - Associa-se a Jean-Baptiste Leullier, fabricante de porcelana.

  • 1867 - Um aparelho de porcelana produzido pela Leullier & Bing conquista a medalha de ouro na Exposição Universal de Paris.

  • 1873 - Com a morte de seu irmão mais velho, Michael, Siegfried Bing torna-se o diretor dos negócios da família na França.

  • 1875 - Começa a vender, em uma loja na rue du Faubourg Saint Denis objetos vindos da China e do Japão.

  • 1876 - Torna-se cidadão francês.

  • 1880 - Faz uma viagem de um ano ao Japão. Aproveita sua permanência para importar produtos que viriam a firmar sua reputação como perito em porcelana japonesa.

  • 1888 - Inicia uma publicação mensal intitulada Le Japon Artistique.

  • 1894 - Viaja aos Estados Unidos onde trava contato com a obra de Louis Comfort Tiffany. Ao voltar, contrata os artistas Nabis para um projeto de produção de vitrais.

  • 1895 - Bing interrompe o comércio de produtos japoneses e abre a Maison de l’Art Nouveau; que mais tarde viria a se chamar Maison Bing.

  • 1898 - Chega à conclusão de que, para consolidar seu próprio estilo, tem que fundar sua própria manufatura.

  • 1900 - Faz grande sucesso com seu pavilhão na Exposição Universal de Paris– o Pavillon de l’Art Nouveau -, onde trabalharam Eugène Gaillard, Édouard Collona e Georges de Feure.

  • 1904 - Bing retira-se do negócio, sendo substituído por seu filho, Marcel.

  • 1905 - Morre aos 67 anos, em Paris.

LUM, Bertha
(Bertha Lum)

 
 CRONOLOGIA: 
  • 1869 - Nasce em Tipton, Iowa, Estados Unidos.

  • 1895 - Ingressa no Instituto de Arte de Chicago, onde estuda design durante um ano.

  • 1896 - Começa a estudar Ilustração com Frank Holme e a arte de fazer vitrais com Anne Weston.

  • 1901 - Retorna ao Instituto de Arte de Chicago para estudar desenho de figura e é influenciada pelas técnicas japonesas apresentadas no livro de Arthur Wesley Dow.

  • 1903 - Casa-se e tem sua lua de mel no Japão, aonde se depara com a arte oriental do ukiyo-e pela qual se apaixona, adquirindo várias ferramentas para gravura em madeira e encontrando impressões e artistas da técnica antes de retornar aos Estados Unidos.

  • 1907 - Retorna ao Japão mais uma vez para uma estadia de 14 semanas para aprender mais da técnica de gravura em madeira. É apresentada ao mestre Bonkotsu Igami, que a ensina a entalhar, e a Kumakichi Nishimura, com quem aprende a imprimir suas gravuras.

  • 1912 - Tem sua gravura Mulheres Raposa, dentre outras, exposta na Décima Exposição de Arte Anual em Tokyo. Os seus são os únicos trabalhos estrangeiros apresentados.

  • 1915 - Recebe medalha de prata por suas gravuras coloridas na Exposição Universal do mesmo ano.

  • 1919 - Tem seus trabalhos inclusos na Exposição de Gravuras e Impressões do Insituto de Arte de Chicago.

  • 1922 - Publica seu primeiro livro ilustrado “Gods, Goblins and Ghosts”, sobre lendas do oriente. No fim deste ano, muda-se para Pequim, na China, com suas filhas.

  • 1923 - Um terremoto em Tokyo destrói boa parte de seus blocos de madeira e trabalhos.

  • 1924 - Retorna para Califórnia nos Estados Unidos onde mora por alguns anos fazendo trabalhos em estilo mais diversificado; principalmente retratos de atores e atrizes. Poucos anos depois, retorna definitivamente para Pequim.

  • 1936 - Viaja ao Japão para imprimir, novamente, suas gravuras e publica seu segundo livro ilustrado “Gangplanks to the East”.

  • 1937 - Sua visão começa a se deteriorar, diminuindo sua produção de novas gravuras até parar.

  • 1954 - Morre aos 84 anos em Genova, na Itália.

GAILLARD, Eugène
(Eugène Gaillard)

 
 CRONOLOGIA: 
  • 1862 - Nasce em Paris, França.

  • 1900 - É contratado por Siegfried Bing para decorar e ambientar seu pavilhão de Art Nouveau na Exposição Universal de 1900 em Paris, juntamente com Georges de Feure e Edward Colonna. É lá que Gaillard tem a primeira grande oportunidade de expor seus trabalhos.

  • 1901 - Co-funda a Société des Artistes Décorateurs, e passa a expor suas mobílias em seus salões.

  • 1903 - Deixa o atelier de Bing e cria sua própria firma.

  • 1906 - Publica seu manuscrito “À Propos du Mobilier”, sobre móveis.

  • 1933 - Morre em Paris, França.

BIGOT, Georges Ferdinand
(Georges Ferdinand Bigot)

ATUAÇÕES: Ilustrador(a), Pintor(a)
 
 CRONOLOGIA: 
  • 1860 - Nasce em Paris, França.

  • 1872 - Entra para a Escola de Belas Artes em Paris, aonde teve artistas como Jean-Léon Gérôme e Carolus-Duran como professores. Durante seu tempo na escola, Bigot conhece o Japonismo e se torna amigo de inúmeros colecionadores de arte japonesa.

  • 1878 - Frequenta a Exposição Universal aonde se vê particularmente encantado com o pavilhão de arte japonesa, o que fomenta sua vontade de se mudar para o Japão.

  • 1880 - Trabalha para os jornais “La Vie Moderne” e “The World Parisien” como ilustrador, para juntar o dinheiro da viagem.

  • 1882 - Muda-se para Yokohana, no Japão, aonde prontamente inicia seu aprendizado da lingua e pintura tradicional locais, enquanto ensina aquarela na Academia Imperial do Exército Japonês.

  • 1887 - Publica um jornal satírico, chamado “Tôbaé”, aonde ilustra cenas do cotidiano japonês, ridiculariza políticos e critica o que chama de ‘excessos da “ocidentalização do Japão”’. Por medo da censura, publica somente em Yokohana. Torna-se o pioneiro dos cartuns de cunho político e social no Japão.

  • 1891 - Lança o livro ilustrado O Diário de Uma Gueixa em Tóquio.

  • 1894 - É enviado para a Coréia durante a Primeira Guerra Sino-Japonesa em um trabalho especial para a revista inglesa “London Graphic”.

  • 1897 - Lança o livro ilustrado As Aventuras do Capitão Goudzougoudzou.

  • 1899 - Com a revisão dos Tratados Desiguais entre a China e o Japão e o fim da extraterritorialidade, decide voltar para a França, divorciando-se de sua esposa e levando seu filho consigo. Ao retornar para a Europa, passa a trabalhar para várias revistas e jornais franceses.

  • 1904 - Ilustrou a narrativa da guerra Russo-Japonesa para o jornal semanal “L’Illustration”.

  • 1906 - Se muda para Bièvres, aonde começa a colaborar com a gráfica e editora Pellerin. Publica inúmeras histórias ilustradas sobre o folclore asiático.

  • 1911 - Publica o quadrinho “A Vida de um Jogador ou Os Apaches do Grande Mundo”.

  • 1927 - Morre aos 67 anos em Bièvres, França.

HOKUSAI, Katsushika
(Katsushika Hokusai )

 
 CRONOLOGIA: 
  • 1760 - Nasce em Edo (atual Tóquio), no Japão.

  • 1774 - Torna-se aprendiz de um entalhador, aonde trabalha por alguns anos.

  • 1778 - Entra para o estúdio de Katsukawa Shunshō, diretor da escola Katsukawa, com quem começa a aprender a arte do ukiyo-e.

  • 1779 - Recebe de seu mestre o nome Shunrō, sob o qual publica suas primeiras impressões, uma série de retratos de atores de teatro Kabuki.

  • 1793 - Morre seu mestre Shunshō, o que faz com que Hokusai comece a explorar outros estilos de arte. É logo expulso da escola Katsukawa por Shunkō, mestre de disciplina, por realizar estudos na escola rival. Hokusai leva o constrangimento como grande fonte de inspiração para sua arte.

  • 1800 - Adota seu nome mais conhecido, Katsushika Hokusai, e publica duas coleções de paisagens, chamadas “Vistas Famosas da Capital Leste” e “Oito Vistas de Edo”.

  • 1807 - Hokusai trabalha em colaboração com o novelista Takizawa Bakin numa série de livros ilustrados.

  • 1811 - Aos 51 anos, Hokusai muda seu nome para Taito e começa o período no qual produz a Hokusai Manga (uma coleção de desenhos de animais, pessoas, objetos, etc) e vários manuais de arte.

  • 1826 - Começa a trabalhar em seu quadro mais famoso “A Grande Onda de Kanagawa”, junto com uma série de outras peças; intitulada “Trinta e Seis Vistas do Monte Fuji” a série foi concluída por volta de 1834.

  • 1839 - Um incêndio destrói o estúdio de Hokusai, e grande parte de seus trabalhos.

  • 1849 - Morre aos 88 anos em Edo, no Japão.

UTAMARO, Kitagawa
(Kitagawa Utamaro)

 
 CRONOLOGIA: 
  • 1753 - Nasce, chamado Kitagawa Ishitarō. Seu local de nascimento é desconhecido.

  • 1770 - Torna-se aprendiz de Toriyama Sekien, artista treinado na Escola Kanō da alta classe japonesa. Apesar de sua alta formação, Sekien era dedicado ao ukiyo-e e sua arte era voltada ao povo de Edo.

  • 1782 - É contratado pelo jovem e ambicioso editor Tsutaya Jūzaburō. Mais tarde, realiza um banquete para vários grandes artistas japoneses onde anuncia seu novo nome artístico, Utamaro.

  • 1783 - Lança, em colaboração com seu amigo escritor Shimizu Enjū, seu primeiro livro ilustrado, entitulado As Fantásticas Viagens de um Playboy na Terra dos Gigantes. Muda-se para a casa de Tsutaya, tornando-se o principal artista da firma. Passa os anos seguintes realizando ilustrações para livros.

  • 1791 - Deixa a ilustração de livros de lado e passa a se concentrar em retratos de mulheres sozinhas, diferente da preferência de outros artistas de ukiyo-e, que costumam representá-las em grupos.

  • 1793 - Ganha reconhecimento que dá fim à sua semi-exclusividade com a firma de Tsutaya, começando a produzir uma série de trabalhos bem conhecidos. Ao longo dos anos, realiza inúmeras ilustrações e estudos da natureza e arte erótica - que, no Japão, não possuía a conotação negativa da pornografia ocidental

  • 1797 - Sofre grande impacto com a morte de seu amigo de longa data Tsutaya Jūzaburō, afetando a qualidade de sua arte a partir de então.

  • 1804 - No auge de sua carreira, é preso ao publicar gravuras de um conto banido. A pintura entitulada Hideyoshi e Suas Esposas, que mostra o general Toyotomi Hideyoshi com suas concubinas, é acusada de manchar a dignidade do real Hideyoshi. A experiência o abala emocionalmente e acaba com sua carreira.

  • 1806 - Morre aos 53 anos em Edo, Japão.

Ooops!
Não encontramos resultados
com essa pesquisa.