OUD, J. J. P.

  • BREUER, Marcel

  • BREUER, Marcel

    Marcel Breuer (1902-1981)

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Long Chair, 1936.

    Cleveland Trust Tower, 1971.

    Mesa; Modelo B19, 1928.

    St. John's Abbey Church

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • MARTORELL, Joan.

  • MARTORELL, Joan.

    Joan Martorell i Montells

    Joan Martorell i Montells (1833 - 1906).

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    Não é possível averiguar a veracidade de certas histórias mas, como diz o ditado, se não é verdade está muito bem inventado. Uma dessas histórias é a lenda sobre a maneira como Gaudí recebeu o encargo de construir a Sagrada Família. É certo que essa lenda pode ter sido uma invenção de algum propagandista religioso muito entusiasta para reforçar a aura milagrosa do empreendimento. Uma lenda, sem dúvida, de grande eficácia. Após a demissão de Villar e diante da indecisão de Martorell [de aceitar o projeto] os promotores da [igreja] da Sagrada Família estavam sem arquiteto. A providência os acudiu na forma de um sonho. O sonhador, como não poderia ser de outro modo, foi Josep Maria Bocabella. Diz a lenda que, enquanto dormia, apareceu-lhe em sonho o rosto de um jovem arquiteto enviado por Deus para construir uma igreja excepcional. O principal sinal para revelar sua identidade era o olhar penetrante e profundo. Infelizmente a lenda não deixa claro se Bocabella sonhou em cores ou em preto e branco e, assim, fica impossível precisar se sabia de antemão que os olhos penetrantes do arquiteto recomendado por essa mesma divindade seriam azuis ou não. Alguns dias depois deste suposto sonho premonitório, ocorreu a Josep Maria Bocabella visitar o arquiteto [Joan] Martorell em seu estúdio e ali, sentado junto à prancheta, viu o rosto e o olhar que havia sonhado. Esse encontro em si mesmo não foi um sonho. Ocorreu no mês de outubro de 1883.

    Evidentemente, essa história é demasiadamente fantástica para que — a um século e tanto de distância —, possamos dar a ela algum crédito. O mais lógico seria imaginar que foi o próprio Martorell que recomendou Gaudí, e que os promotores da Sagrada Família tinham várias e boas razões para aceitar essa sugestão.

    NAVARRO ARISA, J.J. [2002]: Gaudí: El arquitecto de Dios”.
    Barcelona, Editorial Planeta.

    CRONOLOGIA

    • 1833 - Nasce em Barcelona, Espanha.
    • 1874 - Projeta e executa, em Barcelona, a Església i Convent de les Adoratrius; um dos primeiros edifícios neogóticos da Catalunha.
    • 1876 - Recebe seu título de Arquiteto. Provavelmente da Escuela Províncial de Arquitectura de Barcelona.
    • 1877 - Inicia a construção da Igreja e do Convento das Irmãs Salesianas — a ser considerada uma de suas obras mais importantes. O término das obras se dará em 1885.
    • 1878 - Apresenta seu aluno e assistente Antoní Gaudi a Eusebí Güell que mais tarde se tornaria grande amigo e patrono deste último.
    • 1881 - Inicia a construção do Palácio de Sobrellano, na Cantábria — por encomenda do Marquês de Comillas. As obras terminarão em 1888 e será o primeiro edifício da Espanha a conter luz elétrica.
    • 1883 - Preside o Comitê que designará Antoní Gaudi como continuador da obra da Igreja da Sagrada Família, por ocasião da aposentadoria de Francisco de Paula del Villar y Lozano.
    • 1893 - Ajuda a fundar o Cercle Artistic de Saint Lluc — uma entidade de fomento de atividades artísticas e culturais.
    • 1897 - Executa a restauração do Monestir de Pedralbes. O Mosteiro — pertencente à ordem das Clarissas —, existe desde o século XIV.
    • 1900 - Passa a dirigir a construção da casa do Marquês de Robert — o Palau Robert —, projetado pelo arquiteto francês Henri Grandpierre.
    • 1901 - Tem o prédio — de estilo neoclássico — que construiu para a Societat de Crèdit Mercantil eleito pelo Governo de Barcelona como a melhor construção do ano.
    • 1906 - Morre em Barcelona, Espanha. Trabalhou tendo referências nos estilos Histórico, Neogótico e, finalmente, no Modernismo Catalão.

    OBRAS

    Igreja de São Francisco Sales, Barcelona, 1882-1885.

    Igreja do Sagrado Coração, Barcelona, 1883-1889.

    Palácio Robert, Barcelona, 1903.

    Palácio de Sobrellano, Cantábria, 1881-1890.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    FIGINI, Luigi

    PROULX, Daniel

    AICHER, Otl

  • CHINI, Galileo

  • CHINI, Galileo

    Galileo Chini

    Galileo Chini.

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Cenógrafa(o)
    • Ceramista
    • Pintor(a)

    OBRAS

    Festa dell’ultimo dell’ anno a Bangkok, 1913.

    Le Terme dove zampilla il liberty, produzido para os spas de Salsomaggiore.

    Vaso ovale, 1906-1919

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • MUTHESIUS, Adam G. Hermann

  • MUTHESIUS, Adam G. Hermann

    Hermann Muthesius (1861-1927)

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Tuteur House, 1913.

    Castelo Wendgräben, Alemanha.

    Berliner Kulturdenkmal, Centro Cultural.

    Embaixada da Líbia em Berlim

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • Cubismo Tcheco

  • Cubismo Tcheco

    Cubo Expressionismo

    Pavel Janak
    Vasos de cerâmica, 1911.

    CRONOLOGIA

    • O cu -

    YVARAL, Jean-Pierre

    TERRAGNI, Giuseppe

    HOFMAN, Vlastislav

    OPPENHEIM, Méret

    Escola Suíça

    BUÑUEL, Luis

  • RODCHENKO, Aleksandr

  • RODCHENKO, Aleksandr

    Aleksandr Rodchenko (1891-1956)
    © Fotografia de Michail Kaufman

    ATUAÇÕES

    OBRAS

    Pintura Não-Objetiva nº 80 (Preto sobre preto), 1918
    © MoMA

    Pôster para o departamento de Gosizdat, Leningrado (editora estatal), 1924
    © Museu Estatal Pushkin

    Pôster para o filme O Encouraçado Potemkin, 1926
    © Biblioteca Nacional da Rússia

    Escadaria, 1930
    © ADAGP, Paris

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    LAVIROTTE, Jules

    Desconstrutivismo

  • Movimento Estético

  • Movimento Estético

    Esteticismo

    Peacock Room (1876 - 1877)

    ATUAÇÕES

    • Reino Unido

    Na segunda metade do século dezenove, transformações na arte, na arquitetura e no design na Grã-Bretanha levaram à criação do Movimento Estético; um estilo moderno de design Vitoriano que transcorreu, em boa medida, em paralelo ao Movimento de Arts & Crafts [Artes e Ofícios] e que teve como objetivo elevar o status de todos os objetos de consumo à categoria de obras de arte. Movido por slogans como ‘a arte pela arte’, o Movimento Estético – bem como o Movimento de Artes e Ofícios -, foi uma reação aos excessos do Revivalismo Gótico. No entanto, ao contrário do Movimento de Artes e Ofícios, o Movimento Estético rejeitava a ideia de que a arte deveria ter um propósito moral ou social”.

    BHASKARAN, Lakshmi. [2005]
    Design of the Times.
    New York, Rotovision, pp. 32-33.

    CRONOLOGIA

    • 1870 - 1900

    OBRAS

    Louis Tiffany - Mesquita de Cairo (1872)

    Aubrey Beardsley - Isolde (1895)

    Christopher Dresser - Padronagem Reptiliana (1887)

    Dante Gabriel Rossetti - Rosa Triplex (1867)

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    ESCHER, M. C.

  • STICKLEY, Gustav

  • STICKLEY, Gustav

    Gustav Stickley

    Gustav Stickley (1858 - 1942)

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Artesã(o)
    • Designer de Móveis

    "[Após entrar em contato com o Arts & Crafts] Senti que os móveis sem expressão, mal construídos e excessivamente ornamentados que eram despejados em quantidades enormes pelas fábricas eram não apenas um malefício em si mesmo, mas também que suas presenças nos lares das pessoas era uma influência que as afastava dos bons princípios que moldam homens honestos e bons cidadãos”.

    STICKLEY, Gustav. Apud TODD, Pamela. [2004]
    The Arts & Crafts Companion.
    Bath, Palazzo

    CRONOLOGIA

    • 1858 - Nasce em Osceola, Wisconsin, nos EUA.
    • 1875 - Muda-se com sua mãe e alguns irmãos para Brandt, na Pensilvânia, onde começa a trabalhar na fábrica de cadeiras de seu tio.
    • 1883 - Funda, com seus irmãos Albert e Charles, a Stickley Brothers Company em Susquehanna , Pensilvânia. Nesse mesmo ano, se casa com Eda Ann Simmons.
    • 1888 - A Stickley Brothers Company é dissolvida.
    • 1892 - É nomeado Diretor de Operações Manuais na New York State Prison em Auburn, permanecendo no cargo até 1894.
    • 1895 - Viaja para a Europa pela primeira vez, onde tem contato com os movimentos Arts & Crafts e Art Nouveau.
    • 1898 - Funda a Gustave Stickley Company em Eastwood, subúrbio de Syracuse, Nova York.
    • 1900 - Em parceria com Henry Wilkinson e, posteriormente, LaMont A. Warner, cria seu primeiro trabalho de Arts & Crafts, seguindo uma linha experimental denominada New Furniture.
    • 1901 - Lança a revista The Craftsman, de grande importância para o fortalecimento do Arts & Crafts americano.
    • 1903 - Muda o nome de sua empresa para The Craftsman Workshop, e seus produtos passam a ser comercializados com a marca “Craftsman”.
    • 1904 - Cria o Craftsman Home Builders' Club.
    • 1908 - Compra propriedade para estabelecer um colégio para meninos em Morris Plains, Nova Jersey. O local fica conhecido posteriormente como Craftsman Farms.
    • 1915 - Declara falência, com uma dívida de quase 250 mil dólares.
    • 1916 - A revista The Craftsman para de ser publicada.
    • 1942 - Morre aos 84 anos, em Syracuse, Nova York.

    OBRAS

    Gaveteiro em madeira, 1903.

    Estampa da marca das Oficinas Stickley.

    Poltrona, 1901.

    Mesa de chá da The Celandine, 1900.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • CADEIRA PROUST

    MENDINI, Alessandro

  • MENDINI, Alessandro

    ALESSANDRO MENDINI

    (1931 - 2019)

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteto
    • Designer
    • Designer de Produto
  • LAMBEAUX, Jef

  • LAMBEAUX, Jef

    Jef Lambeaux

    Jef Lambeaux (1852 - 1908).

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Escultor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1852 - Nasce em Antwerp, na Bélgica.
    • 1871 - Exibe sua primeira obra, intitulada Guerra.
    • 1881 - Viaja para Paris onde vive na miséria mas produz O Beijo, sua mais aclamada obra, considerada por muitos sua obra-prima.
    • 1883 - Torna-se um dos membros fundadores da sociedade de artistas Les XX, mas sua oposição aos ideais vanguardistas do grupo o levam a deixá-lo no ano seguinte.
    • 1887 - Esculpe em bronze A Fonte de Brabo, monumento que se torna o símbolo oficial da cidade de Antwerp. A imagem mostra Salvius Brabo, o fundador de Antwerp, em um pedestal com sereias e outros animais marinhos. A obra demonstra fortes traços do Art Nouveau.
    • 1889 - Exibe, no Salão Trienal de Ghent, um desenho em tamanho real para sua escultura Paixões Humanas. A cena caótica com corpos retorcidos gerou desconforto e atraiu a ira dos críticos.
    • 1893 - Apresenta, no Salão de Paris, sua obra Embriaguez, que lhe rende duras críticas por sua representação sensual do corpo humano. Recebe o apelido de ‘Michelangelo da sarjeta’ do pintor Jean Delville. No mesmo ano, após sua exibição em Paris, recebe um prêmio da Legião de Honra.
    • 1898 - Completa uma de suas mais famosas e controversas obras, o colossal relevo em mármore Paixões Humanas, que é instalado em um templo próprio para sua exibição, construído pelo arquiteto Victor Horta.
    • 1908 - Morre aos 56 anos em Bruxelas, na Bélgica.

    OBRAS

    O Beijo, 1881.

    Fonte de Brabo, 1887.

    Paixões Humanas, 1898.

    A Mordida do Fauno, 1903.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    EISENMAN, Peter

    YAMAMOTO, Kansuke

  • JUJOL, Josep Maria

  • JUJOL, Josep Maria

    Josep Maria Jujol i Gibert

    Josep Maria Jujol i Gibert (1879 - 1949).

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Desenhista
    • Escultor(a)

    "Não fazíamos idéia de que (...) Jujol (...) tinha contribuído com tantos detalhes impressionantes de algumas obras-primas de Gaudi. (...) Jujol não foi um Gaudi menor. Foi um pequeno gigante ao lado de um grande gigante (...)!”


    LIGTELIJN, Vincent & SAARISTE, Rein. [1996]
    Josep M. Jujol.
    010 Publishers, Rotterdam

    CRONOLOGIA

    • 1879 - Nasce em Tarragona, Espanha.
    • 1888 - Muda-se com a família para Gracia, perto de Barcelona.
    • 1896 - Começa os estudos na Escola de Arquitetura de Barcelona.
    • 1903 - Trabalha junto com o arquiteto Josep Maria Font i Gumà, em Barcelona.
    • 1906 - Forma-se na Escola de Arquitetura de Barcelona e começa a trabalhar para Gaudí na fachada da Casa Battló.
    • 1907 - Trabalha na fachada da Casa Milà.
    • 1913 - Constrói a Torre de la Creu, em Sant Joan Despí.
    • 1924 - Torna-se professor da Escola de Traball de Barcelona.
    • 1926 - Nomeado arquiteto da cidade de Sant Joan Despí.
    • 1949 - Morre, aos 69 anos, em Barcelona.

    OBRAS

    Interior da Casa Batllo

    Mosaico no teto de Park Güell, 1910

    Torre de la Creu, 1913

    Igreja Mare de Déu de Montserrat de Montferri, 1926

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BRADLEY, Will H.

  • BRADLEY, Will H.

    William Henry Bradley

    Will H. Bradley (1868 1962)

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Autor(a)
    • Cineasta
    • Empresária(o)
    • Ilustrador(a)
    • Tipógrafa(o)

    Will Bradley, (...) o mais proeminente designer gráfico Americano dos anos 1890, produziu obras em uma variedade de estilos Art Nouveau derivadas de trabalhos europeus. É importante reconhecer que, a esta altura da história do pôster, havia uma distinção amplamente reconhecida entre as milhares de cromolitografias projetadas canhestramente a cada ano e aqueles que eram os então chamados ‘pôsters artísticos’, tais como os que Bradley produzia. Esses pôsters, com seus celebrados pedigrees artísticos, foram empregados inicialmente apenas para publicizar jornais literários de vanguarda, performances teatrais e atividades afins. Apenas por meio de um processo gradual - que se arrastou até o século vinte – que tais projetos gráficos se tornaram a norma (antes que a exceção) no mundo da publicidade”.

    ESKILSON, Stephen J. [2007]
    Graphic Design: A New History.
    London, Laurence King, p. 54.

    CRONOLOGIA

    • 1868 - Nasce no dia 10 de julho na cidade de Boston, Massachusetts, Estados Unidos, filho de Aaron Bradley e Sarah Rowland.
    • 1882 - Morando há dois anos na cidade de Ishpeming para onde se mudara com a mãe após a morte de seu pai, em 1880, Bradley começa a trabalhar como aprendiz de tipógrafo no jornal Iron Agitator.
    • 1885 - Aceita trabalhos não-remunerados em Chicago nas firmas J. Mang & Co. e Rand McNally; ambos como aprendiz de entalhador.
    • 1887 - Associa-se à gráfica Knight and Leonard da qual se afastará dois anos depois para tornar-se designer independente.
    • 1891 - Executa seu primeiro projeto de design para a revista Inland Printer.
    • 1893 - Começa a trabalhar para a revista Vogue.
    • 1895 - Funda a Wayside Press em Sprignfield, Massachusetts, onde trabalha como ilustrador, editor, tipógrafo, designer e gerente de uma revista chamada de Bradley: His Book.
    • 1897 - Com o sucesso de suas atividades – e com o excesso de trabalho -, tem uma crise de estafa. Recupera-se sem sequelas. Vende, no ano seguinte, a Wayside Press para a The University Press de Cambridge, Massachussetts.
    • 1903 - Contratado como Diretor de Arte da American Type Founders. Adiante torna-se editor da Collier’s Weekly.
    • 1904 - Publica o artigo The Use of Printing Labels in Bookbinding na revista Printing Art. Em anos posteriores publica artigos em periódicos importantes.
    • 1910 - Funda o estúdio independente Will Bradley Studios.
    • 1915 - Torna-se Diretor de Arte da Hearst Publications and Motion Pictures.
    • 1918 - Funda a Dramafilms (Will Bradley Productions) na qual escreve, produz e dirige seus próprios filmes (de cinema mudo).
    • 1854 - Publicadas suas memórias com o título Will Bradley: His Chap Book pela The Typophiles. A edição original conta com apenas 650 cópias. No mesmo ano é agraciado com a medalha da American Institute of Graphic Arts (AIGA) – maior homenagem concedida a um designer gráfico.
    • 1962 - Morre no dia 25 de janeiro em La Mesa, Califórnia, com a idade de 93 anos.

    OBRAS

    The Chapbook: Thanksgiving Number. 1895.

    The Modern Poster. 1895

    Poster Ault & Wiborg. 1895

    Poster Ault & Wiborg. 1900

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    TAKADA, Kenzo

    CHIRICO, Giorgio de

    NEWSON, Marc

  • GUIMARD, Hector

  • GUIMARD, Hector

    Hector Guimard

    Hector Guimard (1867 - 1942)

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer
    • Designer de Móveis

    Como fica evidente no design das entradas para o Paris Métro, [Hector] Guimard era um prodígio no uso de ferro fundido. Não eram todos os seus contemporâneos que tinham algum apreço por essa tecnologia, frequentemente tida como vulgar e alheia à Arte. Entretanto, Guimard era um artista, um architecte d'art anarquista, como referia-se a si próprio, capaz de dar forma aos seus mais criativos e expressivos trabalhos utilizando precisamente esse material, do qual seu professor [Eugène] Viollet-le-Duc fizera uso extensivamente. (...)

    Ele concebeu seus designs originais para o Castel Béranger (...) em estilo Neo-Gótico. No entanto, viagens à Inglaterra e à Bélgica realizadas em 1894 fizeram com que ele, nos anos subsequentes, mudasse gradualmente a decoração e estrutura do Castel Béranger — tornando-o um exemplo clássico de curvilínea e serpenteante fantasia arquitetônica [em estilo Art-Nouveau]. (...) Com suas linhas orgânicas e deslizantes intercaladas com detalhes biomórficos, sua elegância superando até mesmo a das entradas do metrô de Paris, (...) Guimard adquiriu o status de um inventor de formas cuja profunda marca, mesmo no século XX, não escapou a figuras como Picasso e Dalí.

    WOLF, Norbert [2011]
    Art Nouveau
    Prestel Verlag, Munique, 2015. p. 149-150

    CRONOLOGIA

    • 1867 - Nasce em Lyon, França.
    • 1882 - Inicia seus estudos de Arquitetura na École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs, em Paris.
    • 1885 - Ingressa na École des Beaux-Arts.
    • 1888 - Desenha o interior do restaurante parisiense Au Grand Neptune.
    • 1891 - Torna-se professor na École des Arts Décoratifs, onde leciona até 1900. No mesmo ano desenha o Hôtel Roszé.
    • 1895 - Faz o Atelier Carpeaux; no mesmo ano projeta a École du Sacré-Coeur, sob influência dos trabalhos de Victor Horta e Viollet-le-Duc.
    • 1896 - Participa de competição para desenhar as entradas das estações do Métro de Paris. Perde, mas consegue o trabalho mesmo assim, devido à apreciação do presidente da companhia ferroviária pelo estilo Art Nouveau.
    • 1898 - Desenha o Castel Béranger, considerado seu primeiro prédio no estilo Art Nouveau; no mesmo ano projeta também a Maison Coilliot e a Villa La Bluette.
    • 1901 - Projeta o Castel Henriette e a Salle Humbert-de-Romans, que conta com inovações estruturais.
    • 1903 - Expõe o pavilhão Le Style Guimard na Exposition Internationale de L’Habitation no Grand Palais, em Paris.
    • 1909 - Casa-se com a artista americana Adeline Oppenheim; no mesmo ano desenha o Hôtel Guimard, cujo arranjo dos espaços interiores diferem de um andar para o outro.
    • 1922 - Funda, sob a presidência de Franz Jourdain, a Société des Architectes Modernes.
    • 1928 - Projeta um edício na rue Greuze em Paris, que acredita-se ser seu último trabalho como arquiteto.
    • 1938 - Muda-se para Nova York.
    • 1942 - Morre aos 75 anos em Nova York, EUA.

    OBRAS

    Hôtel Mezzara, Paris, 1911.

    Vaso, c. 1898.

    Porte Dauphine, 1901, Paris.

    'Banquette de fumoir', 1897.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    DRAISMA, Eibert

    FRONZONI, AG

    GEISSBUHLER, Steff

    Racionalismo

    NOLDE, Emil

  • KAUFFER, André

  • KAUFFER, André

    Marie-Victor-André Kauffer

    André Kauffer (1867 - 1920)

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Jóias

    Le produzioni di Andrew Kauffer si distinguono per la qualità e la morbidezza delle sculture. Le sue composizioni imitano forme vegetali, con una predilezione particolare per il cardo di Lorena, che adorna anche la sua carta intestata[4]. Realizzò bracciali, spille, ciondoli e orecchini. Alcune opere, probabilmente le più tardive, sono molto meno figurative con forme vegetali altamente stilizzate, angolose e ricordanti l'Art déco. André Kauffer realizzò anche una produzione più tradizionale di posate da tavola (coltelli ornati di perle, servizi per caramelle).

    CRONOLOGIA

    • 1867 - Nasce Marie-Victor Kauffer no dia 24 de julho, em Nancy. Sua família vinha de uma longa tradição de ourives; especula-se que Marie-Victor teria adotado mais tarde o nome de André de forma a diferenciar-se do pai, de quem herdara o nome.
    • 1891 - Morre seu irmão Ferdinand Kauffer, 15 anos mais velho e mentor de seus primeiros passos na ourivesaria. Marie-Victor passa a trabalhar por conta própria no que fica conhecido como a Maison Kauffer (nº 40, Rue Saint-Dizier — a rua dos ourives).
    • 1893 - partecipò alle manifestazioni realizzate in Lorena in occasione della visita della squadra navale russa, per celebrare l'amicizia franco-russa. Fra i regali offerti dalla Lorena figurava, per ciascuna nave russa, un servizio da punch, composto da una ciotola, da un piatto da portata, da un mestolo in argento e da una serie di coppe in vetro. Le coppe vennero realizzate dai fratelli Daum. Le ciotole erano di due tipi, il primo realizzato da André Kauffer e il secondo dalla casa Daubrée. Camille Martin realizzò il disegno delle ciotole realizzate da André Kauffer. Fu il padre di André Kauffer (1893-1977) pittore e orafo.
    • 1894 - Nel 1894 André Kauffer partecipò alla famosa mostra di arti decorative tenutasi alla Galleria Poirel a Nancy e organizzata da Charles André.
    • 1897 - fu uno dei firmatari della risposta dei principali leader del settore in Lorena all'indagine della Scuola di Belle Arti di Nancy, che stava cercando di riformarsi. Chiesero la creazione di una sezione di arti applicate nel settore dell'oreficeria come c'erano già pittura, architettura, scultura e modellazione
    • 1901 - Quando venne creata l'Associazione de l'École de Nancy o Alliance Provinciale des Industries d'Art, il 13 febbraio 1901, da Émile Gallé, Victor Prouvé, Louis Majorelle, Antonin Daum e Eugène Vallin, André Kauffer fu l'unico gioielliere a far parte del comitato direttivo.

    OBRAS

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • VAN ERP, Dirk

  • VAN AVERBEKE, Émile

  • VAN AVERBEKE, Émile

    Émile Van Averbeke

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    OBRAS

    Café Restaurante Paon Royal, 1899.

    Casa do Povo Liberal de Antwerp, 1901.

    Quartel do Corpo de Bombeiros de Paleisstraat, 1907.

    Escola de Pestalozzistraat, 1930.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    FRUTIGER, Adrian

  • CUYPERS, Pierre

  • CUYPERS, Pierre

    Petrus Josephus Hubertus Cuypers

    Petrus J. H. Cuypers (1827 - 1921).

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    A Grã-Bretanha, a França e a Alemanha influenciaram o revivalismo na Holanda e na Bélgica. Petrus Cuypers introduziu o revivalismo Gótico na Holanda praticamente sozinho. Tendo estudado na Bélgica, Cuypers trabalhou em Amsterdã a partir da década de 1850. Suas primeiras igrejas no sul do país devem muito a Viollet cujos ideais de expressão e lógica estrutural — mas não seu repúdio ao historicismo —, continuaram influenciando Cuypers por toda sua carreira. Essas características já são evidentes na primeira igreja importante que projetou — a Posthoornkerk (1860 – 3) — em Amsterdam. Observe-se, no entanto, que embora os tijolos policrômicos e a dura linearidade sejam características do estilo Alto Vitoriano, a fachada oriental — com seu par de torres espiraladas emergindo das empenas —, remete a uma inspiração medieval proveniente dos Países Baixos e do norte da Alemanha. [...] A engenhosidade com que Cuyper planejava e fazia adaptações medievais nos seus projetos foram aspectos da ‘evolução’ do Gótico que ele perseguiu conscientemente na busca de uma arquitetura novecentista que fosse, ao mesmo tempo, historicista e moderna. A solução que encontrou pode ser contemplada no Rijksmuseum (1877 – 85) de Amsterdã e na Estação Central (1882 – 9). São edifícios francos no uso de materiais produzidos industrialmente, incluindo o ferro, e Alto Vitorianos em sua policromia e ecletismo, embora Góticos apenas parcialmente já que muitos de seus componentes derivam de um estilo eclético em si mesmo – aquele dos Países Baixos do século XVII – ecos da grande era da supremacia Holandesa. [...] A busca de Cuyper por essa ‘evolução’ teve o efeito de fazê-lo transcender o revivalismo Gótico, contribuindo para que sua longa atuação se transformasse em uma incubadora do proto-Modernismo que emergiu com seu assistente, Hendrikus Petrus Berlage (1856 – 1934), cujo trabalho impulsionou estilos históricos – incluindo o Gótico – que Cuyper tão cuidadosamente sintetizara.

    BROOKS, Chris. [1999] The Gothic Revival.
    London, Phaidon.

    CRONOLOGIA

    • 1827 - Nasce em Roermond, na Holanda, filho de um pintor de igrejas. Seu nome de batismo é Petrus Hubertus Hubertus Cuypers.
    • 1844 - Começa seus estudos na Academia Real de Artes na Antuérpia, estudando com alguns dos mais destacados representantes da arquitetura gótica da Bélgica.
    • 1849 - Conquista o Prix d’Excellence da Academia.
    • 1863 - Inicia a restauração da Munsterkerk — projetada originalmente em estilo romanesco tardio —, em sua cidade natal, Roermond.
    • 1875 - Torna-se responsável pela restauração da Catedral de Mainz executando o projeto nos cânones da arquitetura romanesca.
    • 1876 - Contratado para a construção do Rijksmuseum.
    • 1881 - Inicia o projeto da Estação Ferroviária de Amsterdam. A obra será concluída em 1889.
    • 1885 - Projeta no estilo Neogótico, em Gronigen, a Sint-Jozefkathedraal.
    • 1892 - Começa a restauração do Castelo de Haar, em Utrecht — um projeto que levaria vinte anos para ser concluído.
    • 1895 - Projeta — no estilo Gótico mas com tijolos —, a Sint-Martinuskerk, em Gronigen.
    • 1897 - É agraciado com a Royal Gold Medal pelo Royal Institute of British Arquitects por sua contribuição relevante à arquitetura internacional.
    • 1902 - Constrói, em Utrecht, a Sint-Antoniuskerk.
    • 1921 - Morre em Roermond. Deixa como legado diversos prédios importantes, entre os quais mais de uma centena de igrejas.

    OBRAS

    Igreja de São Pedro, Halden, Noruega.

    Estação Ferroviária Central, Amsterdam, Holanda.

    Rijksmuseum, Amsterdam ca. 1895.

    Kasteel de Haar.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    COPPEDÈ, Gino

    TSCHUMI, Bernard

  • ROHLFS, Charles

  • ROHLFS, Charles

    Charles Rohlfs

    Charles Rohlfs (1853 - 1936)

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Móveis
    • Marceneira(o)

    Meus designs são meus. Eu os desenvolvo. Eles não são como os de qualquer outra época ou pessoa... Eu não leio Ruskin, nem ninguém, nem nada que poderia influenciar minhas ideias. Eu nunca as tiro de livros... Elas são minhas e, em sua execução, deposito todo meu coração e força, e é por isso que são encantadoras".

    ROHLFS, Charles [1900]
    House Beautiful
    edição de Janeiro

    CRONOLOGIA

    • 1853 - Nasce no Brooklyn, NY. Seu pai era marceneiro.
    • 1872 - Atua como designer de fogões de ferro fundido, tendo recebido sua formação na Cooper Union. Mais tarde, iniciaria uma carreira como ator profissional.
    • 1884 - Casa-se com Anna Katherine Green, autora de romances policiais de sucesso. Tentando ganhar a aprovação da família de Anna, desiste dos palcos e passa a trabalhar gerenciando uma fundição.
    • 1887 - Muda-se para Buffalo com a mulher e dois filhos pequenos. Começa a fabricar, junto a Anna, cadeiras e bancos para uso próprio.
    • 1889 - Estabelece um pequeno empreendimento no sótão de sua casa, chegando a empregar oito funcionários que o apoiavam na produção de artefatos os mais diversos: de mesas massivas a suportes de vela.
    • 1902 - Participa da International Exhibition of Modern Decorative Arts [Exibição Internacional de Artes Decorativas Modernas] em Turin, na Itália. Após a exibição, Rohlfs é admitido na Royal Society of Arts [Real Sociedade das Artes], em Londres, e recebe a encomenda de um conjunto de cadeiras para o Buckingham Palace.
    • 1907 - Apesar de aclamado pela crítica, a mudança de gostos e as baixas vendas ameaçam a viabilidade econômica do empreendimento. No ano de 1907, Charles encerra suas atividades como designer e passa a atuar ativamente em prol de causas cívicas.
    • 1909 - Lidera a Câmara do Comércio de Buffalo. Defende a implementação de reformas trabalhistas e faz campanha contra o trabalho infantil.
    • 1936 - Falece em Buffalo, no dia 30 de Junho, tendo passado seus últimos anos como um respeitado assessor político e membro de uma série de organizações cívicas.

    OBRAS

    Candlestick [Castiçal], 1904

    Hall Chair, 1904.
    © Foto cedida pelo Milwaukee Art Museum.

    Cadeira, 1901
    Comprado do Mary Blackwelder Memorial Fund pelo Smithsonian Design Museum

    Banco, 1898-99

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    BOGUSLAVSKAYA, Ksenia

  • DE MORGAN, William

  • DE MORGAN, William

    William De Morgan

    William de Morgan (1839 - 1917)

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Autor(a)
    • Ceramista
    • Designer
    • Romancista
    • Vitralista

    Diversos motivos podem ter contribuído para que [William] De Morgan começasse a se dedicar à fabricação de ladrilhos. Por volta da década de 1860, o interesse relacionado à decoração dos lares ingleses criou um mercado para ‘ladrilhos artísticos’ cuja demanda era atendida por firmas tais como a Minton’s e a Maw & Co. A Morris & Co. já fornecia ladrilhos artísticos pintados à mão para o segmento de alta gama desse mercado. O design de ladrilhos, no entanto, não era uma prioridade para a firma de Morris e De Morgan provavelmente intuiu que, ao se especializar nesta área, poderia criar um produto superior ao disponível no mercado”.

    Greenwood, Martin. [1989]
    The Designs of William de Morgan.
    Richard Dennis, Yeovil, Inglaterra, 2007, pp. 7-8.

    CRONOLOGIA

    • 1839 - Nasce, em Londres, William Frend De Morgan, filho do matemático Augustus De Morgan.
    • 1859 - Aos vinte anos, William De Morgan ingressa na Royal Academy Schools — a mais antiga escola de artes da Grã-Bretanha — uma instituição que, moldada na Académie de Peinture et de Sculpture fundada por Luís XIV em 1648, na França, era famosa por seu ensino rigoroso e acadêmico.
    • 1862 - Desiludido com o ensino acadêmico, abandona o curso de oito anos pela metade e aproxima-se de William Morris e do círculo Pré-Rafaelita. Cerca dessa época começa a trabalhar para a Morris, Marshall, Faulkner & Co., onde projetava vitrais.
    • 1863 - Em paralelo aos projetos desenvolvidos para a Morris & Co., De Morgan monta um atelier independente na Fitzroy Square onde, em parceria com o vitralista James Lyon Tennant começa a direcionar sua criatividade para trabalhos com cerâmica.
    • 1872 - Um incêndio acidental provoca uma desavença com o proprietário e De Morgan vê-se obrigado a mudar-se. Encontra um endereço em Chelsea, onde se estabelece.
    • 1873 - Redescobre técnicas que se assemelham à cerâmica mouresca espanhola e à cerâmica maiólica da Itália.
    • 1875 - Começa a desenvolver uma cartela de cores inspirada no que acreditava ser a padronagem Persa: azul escuro, azul turquesa, púrpura, verde, vermelho indiano e amarelo limão. (Sabe-se, hoje, tratar-se da tradição Iznik dos séculos XV e XVI).
    • 1882 - Problemas de coluna forçam De Morgan a deslocar seu atelier para Merton Abbey, onde ficará mais perto de casa.
    • 1888 - Após seu casamento, em 1887, com Evelyn De Morgan muda-se outra vez e desloca seu atelier para Sands End, em Fulham, onde, em sociedade com Halsey Ricardo, inicia o período mais prolífico de sua carreira.
    • 1898 - Com Morgan frequentemente ausente — na impossibilidade de serem enfrentadas uma série de dificuldades financeiras e técnicas —, o atelier de Fulham é fechado e a parceria com Ricardo dissolvida.
    • 1898 - De Morgan inicia uma nova parceria com três de seus antigos empregados: Frank Iles e os irmãos Passenger.
    • 1906 - Com o êxito de sua primeira novela — Joseph Vance —, inicia uma próspera (segunda carreira) de escritor.
    • 1907 - Dissolve sua sociedade com Frank Iles e os irmãos Passenger, que continuam o negócio por conta própria.
    • 1917 - Após publicar mais algumas novelas de sucesso morre, em Londres, sendo enterrado no cemitério de Brookwood.

    OBRAS

    Prato de Pavão, ca. 1888-98

    Vaso, ca. 1888-98

    Desenho para Decoração em Prato, 1879

    Painel "Tree of Knowledge", ca. 1872-81

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Gruppo 9999

  • HANKAR, Paul

  • HANKAR, Paul

    Paul Hankar

    Paul Hankar (1859 - 1901).

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Móveis

    CRONOLOGIA

    • 1859 - Nasce em Frameries, na Bélgica.
    • 1879 - Após concluir seus estudos na Academia Real de Belas Artes de Bruxelas, onde conhece o colega e futuro arquiteto Victor Horta, Hankar começa a trabalhar no escritório do arquiteto Hendrik Beyaert, onde recebe treinamento na área da Arquitetura.
    • 1889 - Sob a supervisão de Beyaert, atua como designer chefe para o Palacio de Chávarri em Bilbao, na Espanha.
    • 1891 - Torna-se professor de engenharia na Escola de Artes Aplicadas de Schaerbeek, posição que ocupa por seis anos.
    • 1893 - Abre seu próprio escritório em Bruxelas, e começa a construção de sua própria casa, o Maison Hankar. Esta casa e a de Victor Horta, construídas na mesma época, são consideradas as duas primeiras casas construídas no estilo Art Nouveau.
    • 1894 - Trabalha durante dois anos como editor da revista L’Emulation, uma publicação que promovia o estilo do Art Nouveau.
    • 1896 - Apresenta um projeto para uma “Cidade dos Artistas” para a cidade litorânea de Westende. Apesar de nunca realizado, o projeto serve futuramente como inspiração para a Colônia de Artistas em Darmstadt, na Alemanha.
    • 1897 - Inicia o projeto e construção do Hôtel Ciamberlani, em Bruxelas, um de seus notáveis projetos. Dá uma palestra sobre a “Nova Bruxelas”, uma visão própria sobre o desenvolvimento urbano da cidade. No mesmo ano, participa da Exposição Colonial em Tervuren, na Bélgica.
    • 1899 - Projeta um banco de pedra monumental para ser exibido na Exposição Universal em Paris no ano seguinte. O Rei Leopoldo II da Bélgica compra o banco e doa a obra para um parque em Ostend.
    • 1901 - Morre aos 41 anos em Bruxelas, na Bélgica.

    OBRAS

    Sgrafitto na fachada do Hotel Ciamberlani, Bruxelas, 1897.

    Fachada do Maison Hankar, Bruxelas, 1893.

    Vitrine e entrada Chemiserie Niguet, Bruxelas, 1896.

    Projeto para o monumento 'Jan van Beers', Antwerp, 1891.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    CALDER, Alexander

    ALBERS, Josef