KURAMATA, Shiro

    THUN, Matteo

    JANCO, Marcel

  • CHRISTIANSEN, Hans

  • CHRISTIANSEN, Hans

    Hans Heinrich Christiansen

    Hans Heinrich Christiansen (1866 - 1945)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Artesã(o)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1866 - Nasce em Flensburgo, na Alemanha.
    • 1881 - Trabalha como aprendiz de pintor decorativo em Flensburgo, até 1885.
    • 1888 - Entra para a Escola de Artes Aplicadas em Munique.
    • 1889 - Após uma viagem a estudos para a Itália, Christiansen se muda para Hamburgo, onde passa a lecionar numa escola técnica.
    • 1895 - Christiansen larga seu trabalho e vai morar em Paris.
    • 1896 - Estuda pintura na Academie Julian, até 1899.
    • 1899 - Junta-se a um grupo de artistas em Darmstadt, unindo-se a Joseph Maria Olbrich e Peters Behrens.
    • 1911 - Leciona na Escola de Artes Aplicadas de Wiesbaden.
    • 1933 - Seu trabalho é banido pelo partido Nazista, por conta de sua esposa judia.
    • 1945 - Morre em Wiesbaden, na Alemanha.

    OBRAS

    Capa da revista Jugend, No. 48, 1898.

    Ornamento para livro, 1898.

    Ilustração, 1900.

    Darmstadt Expo, 1902.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • DE MORGAN, William

  • DE MORGAN, William

    William De Morgan

    William de Morgan (1839 - 1917)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Autor(a)
    • Ceramista
    • Designer
    • Romancista
    • Vitralista

    Diversos motivos podem ter contribuído para que [William] De Morgan começasse a se dedicar à fabricação de ladrilhos. Por volta da década de 1860, o interesse relacionado à decoração dos lares ingleses criou um mercado para ‘ladrilhos artísticos’ cuja demanda era atendida por firmas tais como a Minton’s e a Maw & Co. A Morris & Co. já fornecia ladrilhos artísticos pintados à mão para o segmento de alta gama desse mercado. O design de ladrilhos, no entanto, não era uma prioridade para a firma de Morris e De Morgan provavelmente intuiu que, ao se especializar nesta área, poderia criar um produto superior ao disponível no mercado”.

    Greenwood, Martin. [1989]
    The Designs of William de Morgan.
    Richard Dennis, Yeovil, Inglaterra, 2007, pp. 7-8.

    CRONOLOGIA

    • 1839 - Nasce, em Londres, William Frend De Morgan, filho do matemático Augustus De Morgan.
    • 1859 - Aos vinte anos, William De Morgan ingressa na Royal Academy Schools — a mais antiga escola de artes da Grã-Bretanha — uma instituição que, moldada na Académie de Peinture et de Sculpture fundada por Luís XIV em 1648, na França, era famosa por seu ensino rigoroso e acadêmico.
    • 1862 - Desiludido com o ensino acadêmico, abandona o curso de oito anos pela metade e aproxima-se de William Morris e do círculo Pré-Rafaelita. Cerca dessa época começa a trabalhar para a Morris, Marshall, Faulkner & Co., onde projetava vitrais.
    • 1863 - Em paralelo aos projetos desenvolvidos para a Morris & Co., De Morgan monta um atelier independente na Fitzroy Square onde, em parceria com o vitralista James Lyon Tennant começa a direcionar sua criatividade para trabalhos com cerâmica.
    • 1872 - Um incêndio acidental provoca uma desavença com o proprietário e De Morgan vê-se obrigado a mudar-se. Encontra um endereço em Chelsea, onde se estabelece.
    • 1873 - Redescobre técnicas que se assemelham à cerâmica mouresca espanhola e à cerâmica maiólica da Itália.
    • 1875 - Começa a desenvolver uma cartela de cores inspirada no que acreditava ser a padronagem Persa: azul escuro, azul turquesa, púrpura, verde, vermelho indiano e amarelo limão. (Sabe-se, hoje, tratar-se da tradição Iznik dos séculos XV e XVI).
    • 1882 - Problemas de coluna forçam De Morgan a deslocar seu atelier para Merton Abbey, onde ficará mais perto de casa.
    • 1888 - Após seu casamento, em 1887, com Evelyn De Morgan muda-se outra vez e desloca seu atelier para Sands End, em Fulham, onde, em sociedade com Halsey Ricardo, inicia o período mais prolífico de sua carreira.
    • 1898 - Com Morgan frequentemente ausente — na impossibilidade de serem enfrentadas uma série de dificuldades financeiras e técnicas —, o atelier de Fulham é fechado e a parceria com Ricardo dissolvida.
    • 1898 - De Morgan inicia uma nova parceria com três de seus antigos empregados: Frank Iles e os irmãos Passenger.
    • 1906 - Com o êxito de sua primeira novela — Joseph Vance —, inicia uma próspera (segunda carreira) de escritor.
    • 1907 - Dissolve sua sociedade com Frank Iles e os irmãos Passenger, que continuam o negócio por conta própria.
    • 1917 - Após publicar mais algumas novelas de sucesso morre, em Londres, sendo enterrado no cemitério de Brookwood.

    OBRAS

    Prato de Pavão, ca. 1888-98

    Vaso, ca. 1888-98

    Desenho para Decoração em Prato, 1879

    Painel "Tree of Knowledge", ca. 1872-81

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BEARDSLEY, Aubrey

  • BEARDSLEY, Aubrey

    Aubrey Vincent Beardsley

    Aubrey Beardsley (1872 - 1898).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Autor(a)
    • Ilustrador(a)

    Parece existir em sua obra um espírito curioso, bizarro, que evoca o Japão, algo de sortilégio e de grotesco, tal como o sonho provocado pelo ópio".

    CRANE, Walter. Apud DEMPSEY, Amy. [2003]
    Estilos, escolas e movimentos.
    São Paulo, Cosac Naify

    CRONOLOGIA

    • 1872 - Nasce em Brighton, na Inglaterra.
    • 1883 - Ganha reconhecimento muito cedo ao participar de concertos de piano com a irmã Mabel, tendo apenas 11 anos de idade.
    • 1885 - Começa a esboçar seus primeiros desenhos e caricaturas que são divulgados pelo jornal de sua escola, o Bristol Grammar School Past and Present.
    • 1885 - Descobre o amor pelo teatro. Escreve sua primeira peça na qual contracena com seus colegas de escola.
    • 1888 - Vai trabalhar em um escritório de arquitetura e, depois, na firma de seguros Guardian Life and Fire Insurance Company.
    • 1891 - Aconselhado por Sir Edward Burne-Jones e por Pierre Puvis de Chavannes, começa a encarar a arte como profissão.
    • 1892 - Inscreve-se nos cursos da Westminster School of Art. Começa a criar as ilustrações para Le Morte d'Arthur, de Sir Thomas Malory.
    • 1893 - Faz a primeira apresentação de suas ilustrações no The Journal.
    • 1894 - Ilustra o livro Salomé, de Oscar Wilde, seu amigo íntimo.
    • 1894 - Ajuda a fundar a revista The Yellow Book, onde começa a trabalhar como Editor de Arte.
    • 1895 - É afastado injustamente do cargo de editor do The Yellow Book. Trabalha, sucessivamente, para as revistas The Savoy e The Studio.
    • 1896 - Faz ilustrações satíricas para uma publicação do livro Les Liaisons Dangereuses, de Chordelos de Laclos.
    • 1896 - Ganha notoriedade com a publicação de The Rape of the Lock. Divulga sua polêmica ilustração de Lysistrata, de Aristófanes.
    • 1897 - Com o agravamento de seu estado de saúde – e com medo da morte -, converte-se ao Catolicismo e ordena a seu Editor que queime todos os seus trabalhos profanos, (no que é desobedecido).
    • 1898 - Morre precocemente aos 25 anos, vítima de tuberculose, em Menton, França.

    OBRAS

    The Peacock Skirt, para Oscar Wilde, 1892.

    The Black Cape - Ilustração para o drama Salomé, de Oscar Wilde.

    The Climax.

    Capa do primeiro volume do periódico The Yellow Book, 1894.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • GAUTHIER, Camille

  • GAUTHIER, Camille

    Camille Gauthier

    Camille Gauthier (1870-1963)
    © Musée de l'École da Nancy

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Móveis
    • Designer Gráfico
    • Ebenista
    • Marceneira(o)

    Après un début de carrière orientée vers la création de pièces uniques, Camille Gauthier s'est tourné vers la production en série d'un mobilier pratique et usuel. Ses meubles d'un coût faible ont pu être acquis par une clientèle moins aisée, également moins formée au goût moderne. Il a permis ainsi au mouvement artistique nancéien et à son inspiration naturaliste d'être diffusés auprès d'un large public. Dans ces modes de production, Gauthier se rapproche de l'ébéniste belge Serrurier-Bovy dont il a peutêtre croisé le chemin lors des concours de mobilier à bon marché organisés à Paris.

    Dans ces choix, l'ébéniste nancéien n'est pas isolé mais rejoint les objectifs de plusieurs artistes qui, en France, cherchent à créer « un nouvel art domestique destiné aux classes moyennes et au monde ouvrier 19 ». Fondée en 1895 à Paris, la Société des Cinq devenue deux ans plus tard l'Art dans Tout préconisait l'adaptation des créations modestes aux besoins modernes et aspirations esthétiques de l'époque, facilitées par l'intervention de la machine dans la fabrication.

    Camille Gauthier reste sans conteste l'artiste de l'Ecole de Nancy dont les productions et les méthodes de diffusion ont été les plus proches du postulat du critique d'art Roger Marx : « Rien sans art » et « art pour tous ». Elles ne dérogent pas non plus à un des souhaits exprimés dans l'Avant-propos des Statuts de l'Ecole de Nancy publié en février 1901 selon lequel « L'enseignement de l'Ecole de Nancy a pour objet de conserver au produit moderne français, tant aux objets de simple utilité qu'à ceux du luxe, le sens de la logique dans la construction, dans l'emploi rationnel des matériaux, l'instinct pratique de la convenance et du confort, sous une parure d'élégance, de beauté et d'intellectualité ».

    CRONOLOGIA

    • 1870 - Nasce na comuna de Norroy-les-Pont-à-Mousson, filho de um agricultor.
    • 1888 - Ingressa, aos 18 anos, na École des Beaux-Arts de Nancy. Frequenta as aulas do então diretor da instituição, Jules Larcher, parte da divisão de Antique et Nature do curso. A formação acadêmica que recebe baseia-se em grande parte na cópia de obras-primas da escultura Clássica e Renascentista.
    • 1890 - Gradua-se na École des Beaux-Arts. No mesmo ano, Camille conquista o prêmio Georges Jacquot, distinção concedida a jovens designers que parecessem promissores à Indústria.
    • 1891 - Dá continuidade a seus estudos na École des Arts Décoratifs de Paris.
    • 1893 - Retorna a Nancy, onde é contratado por Louis Majorelle como designer e ocupa-se principalmente dos trabalhos em marchetaria. Pouco tempo depois, a firma de Majorelle participa da Exposition d'Art Décoratif Lorrain, 1894, ocasião que marca uma mudança de rumos: em paralelo à confecção de móveis historicistas, a Maison Majorelle decide produzir também mobiliário no estilo nouveau.
    • 1901 - Tendo deixado a Maison Majorelle, estabelece um ateliê próprio na rue d'Auxonne, 8.
    • 1904 - Une forças com Auguste Poinsignon. A firma, agora sob o nome de Gauthier-Poinsignon, contaria com máquinas importadas dos Estados Unidos e um enorme mostruário, iluminado inteiramente por eletricidade. No mesmo ano, Gauthier é chamado a ilustrar a capa dos impressos postais vendidos pelos Etablissements Bergeret, além de projetar os catálogos de móveis distribuídos pela própria firma.
    • 1908 - A injeção de capital advinda da nova parceria e o subsequente investimento em maquinário pelos sócios faz com que seja possível produzir móveis de qualidade a preços reduzidos. A firma prospera; no ano de 1908, contando com dois escritórios, dois ateliês e uma galeria de exposições própria, empregavam ainda quarenta e três pessoas, responsáveis por serviços técnicos e administrativos.
    • 1909 - A firma participa da Exposição Internacional da França Oriental, em Nancy. A Gauthier-Poinsignon participava ativamente das manifestações artísticas ligadas à École de Nancy, tendo exposto diversos móveis em exibições passadas.
    • 1924 - Por ocasião da morte de Auguste Poinsignon, Gauthier vende a sociedade para Charles Delfour. Delfour dá continuidade à produção de mobiliário e à distribuição de catálogos — importante suporte de vendas — mantendo o nome de Gauthier-Poinsignon.
    • 1963 - Morre Camille Gauthier, tendo devotado os últimos anos de sua vida à pintura. O objeto de interesse de seus quadros — a pré-História — teria sido incentivado pelo contato com o padre Henri Breuil, famoso estudioso do período.

    OBRAS

    Sellette tripode en étagère d'applique à trois plateaux, 1901

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    BILL, Max

    Art Nouveau

  • GROHÉ, Guillaume

  • GROHÉ, Guillaume

    Guillaume Grohé

    Assinatura entalhada em um móvel

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Móveis
    • Marceneira(o)

    Todas as grandes épocas da história são representadas por móveis contemporâneos típicos: baús, camas de dossel, guarda-roupas esculpidos, consoles, gabinetes, cômodas adornadas com incrustações... Tais artefatos são continuamente imitados e aperfeiçoados por nossos hábeis ebanistas e, entre eles, é imprescindível citar os distintos irmãos Grohé. Ninguém é capaz de combinar com mais habilidade uma totalidade de elementos ímpares; de rejuvenescer velhas formas; de dar às imitações um ar de originalidade; e de criar modelos que são imediatamente acolhidos pelo mundo elegante. A carpintaria de luxo e requintada não tem representantes mais dignos do que os irmãos Grohé. Seus móveis distinguem-se sempre pela elegância e pelo bom gosto: não importa em que estilo, se antigos ou modernos; sejam eles objetos de arte e de alto requinte ou peças marchetadas e ornamentadas. O que é mais impressionante na produção desses artífices, no entanto, é que jamais sacrificam o conforto. Eles compreendem perfeitamente que, mesmo dispensando a cada uma de suas peças um toque de elegância, não se deve perder de vista que elas são destinadas ao uso quotidiano.

    LEGRAND, Henri. [1857]
    Album Henri Legrand.
    Paris.

    CRONOLOGIA

    • 1808 - Nasce em uma família de agricultores no grão-ducado de Hesse, parte do então Império Alemão.
    • 1827 - Instala-se em Paris junto com o irmão mais velho, Jean-Michel.
    • 1829 - Começa, em parceria com Jean-Michel, a fabricar e vender mobiliário. Sua especialidade viria a ser os móveis de alta qualidade, inspirados em uma variedade de estilos históricos.
    • 1834 - O negócio se desenvolve rapidamente e consolida-se no sucesso da participação dos irmãos na oitava Exposition de l'Industrie, ocorrida em 1834, Paris. Os Grohé exibem peças nos estilos Egípcio e Gótico.
    • 1844 - Participam da décima Exposition de l'Industrie, na qual conquistam medalha de ouro. A peça premiada seria a dressoir [cômoda] octogonal em ébano, decorada por figuras esculpidas de autoria de Michel-Joseph-Napoleón Liénard.
    • 1847 - Fundam a casa Grohé Frères, encabeçada por Guillaume. Suas criações seriam muito requisitadas pela nobreza da época, atraindo compradores como a Rainha Victoria, Louis-Phillipe I, Napoleão III e sua mulher, a Imperatriz Eugénie.
    • 1861 - Jean-Michel retira-se das atividades da oficina. Guillaume dá continuidade à Grohé Frères sozinho e vem a se tornar júri das Expositions Universelles [Exposições Universais de Paris].
    • 1862 - Guillaume participa da International Exibition em Londres, onde ganha uma medalha por sua criação estilo Luís XVI. A peça vencedora conta com ornamentos em bronze cinzelado, esculpidos pelos irmãos François-Auguste e François-Joseph-Louis Fannière.
    • 1869 - Guillaume é condecorado Chevalier de la Légion d’Honneur, título concedido àqueles possuidores de méritos eminentes à nação.
    • 1885 - Guillaume Grohé falece, tendo encerrado as atividades de sua oficina no ano anterior.

    OBRAS

    Guéridon Ovale, 1858

    Table de milieu [Mesa de centro], 1847

    Espelho, c. 1858

    Mostruário, 1844

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • POPE, John Russell

  • POPE, John Russell

    John Russell Pope

    John Russell Pope (1874 - 1937)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    Há quem tenha sugerido que Pope teria trabalhado para a McKim, Mead & White. Ele não consta, contudo, nos registros de empregados da firma. (...) [No entanto], a habilidade que Pope demonstrou em sintetizar os empréstimos dignificados de fontes Romanas e Renascentistas com seu estilo próprio de classicismo monumental supõe um conhecimento anterior — extenso e íntimo — dos trabalho da firma; conhecimento esse que só pode ter sido adquirido em trabalhos no escritório.

    BEDFORD, Steven & WALLEN, Jonathan. [1998]
    John Russell Pope: Architect of Empire.
    New York, Rizzoli International Publications.

    CRONOLOGIA

    • 1874 - Nasce em Nova York, nos EUA.
    • 1888 - Ingressa no City College of New York (CCNY) para estudar Medicina, onde consegue as melhores notas nas disciplinas de Desenho.
    • 1891 - Abandona os estudos em Medicina e entra para a Columbia University, onde estuda Arquitetura sob a direção de William R. Ware; nome de peso na formação de toda uma geração de arquitetos.
    • 1894 - Termina sua graduação em Arquitetura.
    • 1895 - Ganha dois prêmios: a Schermerhorn Travelling Fellowship e o Rome Prize, oferecidos pela American School of Architecture em Roma; e viaja para Itália e para a Grécia, onde passa dois anos aprimorando os estudos.
    • 1896 - Ingressa na École des Beaux-Arts, em Paris.
    • 1900 - Volta para Nova York onde trabalha no escritório de arquitetura de Bruce Price por cinco anos, antes de abrir seu próprio escritório.
    • 1919 - Projeta a Union Station (hoje, o Science Museum of Virginia), em Richmond, Virginia.
    • 1931 - Inicia os estudos para o projeto da Elgin Gallery, para o British Museum em Londres.
    • 1933 - Inicia os estudos para o projeto do National Archives Building, em Washington, D.C.
    • 1935 - É escolhido para projetar o Jefferson Memorial, em Washington, D.C.
    • 1937 - Morre de câncer, em Nova York.

    OBRAS

    Episcopal Church of the Holy Trinity

    National Archives Building

    Thomas Jefferson memorial museum

    Masonic Temple

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    LE CORBUSIER

  • GAUDÍ, Antoni

  • GAUDÍ, Antoni

    Antoni Placid Gaudí i Cornet

    Antoni Placid Gaudí i Cornet (1852 - 1926).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer

    "As formas orgânicas e originais do Templo da Sagrada Família, que lembram um castelo de pingos de areia, são totalmente desvinculadas das influências da arte de sua época. Certa vez, (...) encontrei-me com um grupo de turistas franceses que, munidos de seu peculiar espírito cartesiano, não paravam de reclamar: 'Mas será que este arquiteto não tinha régua?'"

    MARTINELL Brunet, Cesar. [2007]
    Conversas com Gaudí.
    São Paulo, Editora Perspectiva

    CRONOLOGIA

    • 1852 - Nasce na cidade de Reu, Espanha.
    • 1868 - Muda-se para Barcelona, onde estuda na Escola Provincial de Arquitetura.
    • 1878 - Conhece Eusebi Güell, com quem trabalharia a maior parte de sua vida.
    • 1878 - Apresenta seu projeto de casas para operários da Cooperativa Matarorense na Exposição Internacional de Paris, ganhando muita projeção.
    • 1883 - Passa a integrar a equipe daquele que será seu mais importante projeto, iniciado por seu professor Francisco de Paula del Villar: a Sagrada Família.
    • 1888 - Participa da Exposição Universal de Barcelona.
    • 1900 - Recebe o prêmio de Prédio do Ano pela Casa Calvet, um de seus projetos menos extravagantes.
    • 1900 - Começa a construção do Parque Güell.
    • 1904 - Inicia o trabalho de reforma da Casa Batlló.
    • 1910 - Termina a construção da Casa Millà.
    • 1910 - Com a perda de familiares e amigos, dedica-se completamente à construção da Sagrada Família.
    • 1926 - Morre atropelado por um bonde, em Barcelona, aos 73 anos.

    OBRAS

    Parc Güell.

    Sagrada Família.

    Cadeira Calvet.

    Casa Milà, Barcelona.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    METZINGER, Jean

    SAARINEN, Eero

    FRANKL, Paul

  • Napoleão III

  • Napoleão III

    Estilo Segundo Império

    Grand Salon Napoléon III, Musée du Louvre.

    ATUAÇÕES

    • França

    O estilo Napoleão III – também conhecido como Segundo Império -, se estende de 1852, ano do restabelecimento do Império, a 1870: data da derrota [da França] na batalha de Sedan, que marca o fim do regime imperial. (...)
    Inspira-se em períodos diferentes: particularmente nos estilos Gótico; Renascimento; Luís XIV, Luís XV e Luís XVI. Também toma emprestadas referências estrangeiras, notadamente os estilos Inglês, Chinês e Japonês. A concepção dos móveis comporta elementos variados em abundância, de modo que o mobiliário Napoleão III se mostra, às vezes, muito carregado. (...)
    O Gótico volta à moda com cadeiras de encostos cravejados com pináculos; o Renascimento com esfinges, quimeras ou cariátides; o estilo Luís XIV com móveis que imitam a técnica de marqueteria de Boulle; o estilo Luís XV com conchas, folhas de acanto e arabescos; e o estilo Luís XVI com padronagens gregas. (...)
    A concepção dos móveis também se inspira em estilos de outros países. O estilo Chippendale (cadeiras em acaju com encostos vazados) da Inglaterra. A criação de móveis em forma de pagodes ou com a utilização do bambu e da laca, como na China; ou mesmo tomando emprestado um universo aquático e floral, à imagem de obras japonesas”.

    COLLIN DU BOCAGE, Olivier. [2005]
    Reconnaître et Choisir ses Meubles.
    Paris, Hachette Pratique, p. 212.

    OBRAS

    Charles Garnier
    Opéra de Paris ou Palais Garnier, 1861 - 1875.

    Alexandre-Georges Fourdinois
    Poltronas, c. 1850.

    Guillaume Grohé
    Écran

    Henry Dasson
    Relógio com putto de pé

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Cradle to Cradle (C2C)

    VASARELY, Victor

  • JUJOL, Josep Maria

  • JUJOL, Josep Maria

    Josep Maria Jujol i Gibert

    Josep Maria Jujol i Gibert (1879 - 1949).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Desenhista
    • Escultor(a)

    "Não fazíamos idéia de que (...) Jujol (...) tinha contribuído com tantos detalhes impressionantes de algumas obras-primas de Gaudi. (...) Jujol não foi um Gaudi menor. Foi um pequeno gigante ao lado de um grande gigante (...)!”


    LIGTELIJN, Vincent & SAARISTE, Rein. [1996]
    Josep M. Jujol.
    010 Publishers, Rotterdam

    CRONOLOGIA

    • 1879 - Nasce em Tarragona, Espanha.
    • 1888 - Muda-se com a família para Gracia, perto de Barcelona.
    • 1896 - Começa os estudos na Escola de Arquitetura de Barcelona.
    • 1903 - Trabalha junto com o arquiteto Josep Maria Font i Gumà, em Barcelona.
    • 1906 - Forma-se na Escola de Arquitetura de Barcelona e começa a trabalhar para Gaudí na fachada da Casa Battló.
    • 1907 - Trabalha na fachada da Casa Milà.
    • 1913 - Constrói a Torre de la Creu, em Sant Joan Despí.
    • 1924 - Torna-se professor da Escola de Traball de Barcelona.
    • 1926 - Nomeado arquiteto da cidade de Sant Joan Despí.
    • 1949 - Morre, aos 69 anos, em Barcelona.

    OBRAS

    Interior da Casa Batllo

    Mosaico no teto de Park Güell, 1910

    Torre de la Creu, 1913

    Igreja Mare de Déu de Montserrat de Montferri, 1926

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • MACDONALD, Margaret

  • MACDONALD, Margaret

    Margaret MacDonald

    Margaret Macdonald (1865 - 1933)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer
    • Designer Gráfico
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1864 - Nasce próxima a Wolverhampton, na Inglaterra.
    • 1877 - Entra para uma progressiva escola local, a Orme Girls’ School, onde estuda arte com um pintor da Academia Real.
    • 1890 - Entra na Escola de Arte de Glasgow, onde torna-se amiga de outros estudantes e artistas, dentre eles Jessie Keppie, Agnes Raeburn, Janet Aitken, Katherine Cameron, Charles Rennie Mackintosh e Herbert McNair. O grupo se autodenomina ‘Os Imortais’.
    • 1894 - Começa a expor seus trabalhos junto de sua irmã, a artista Frances Macdonald, e seus dois colegas, os pintores e arquitetos Charles Rennie Mackintosh e Herbert McNair, os quais juntos formam o grupo The Four. Seus trabalhos são ridicularizados pela crítica por suas figuras “fantasmagóricas”, recebendo a alcunha de Spook School.
    • 1895 - Tem duas de suas pinturas e duas de sua irmã publicadas no livro Yellow Book de Aubrey Beardsley.
    • 1896 - Abre um estúdio com sua irmã Frances em Glasgow. Lá produzem os trabalhos mais variados, indo de pinturas a bordados, posters, painéis em metal e vitrais, dentre outros. No final do ano, o grupo The Four envia seus trabalhos para a Exposição de Arts and Crafts em Londres. As críticas não são boas, mas as obras captam o interesse da revista The Studio.
    • 1900 - Casa-se com o pintor arquiteto Charles Rennie Mackintosh. No mesmo ano, o casal expõe um par de painéis de gesso na Oitava Exposição da Secessão Vienense. A partir deste ano, Margaret inicia um período de trabalhos feitos quase exclusivamente em gesso.
    • 1902 - Exibe seus trabalhos na Exposição Internacional de Arte Moderna Decorativa em Turin. Sua contribuição, chamada Rose Boudoir, inclui painéis de metal para um armário desenhado por seu marido, e dois painéis grandes de gesso. 1903
    • 1903 - Trabalha na decoração das Willow Tea Rooms de Miss Cranston com Charles Rennie.
    • 1909 - Completa seus últimos painéis de gesso, chamados The Four Queens, eles representam as rainhas dos quatro naipes d baralho, e têm um estilo mais angular do que seus painéis anteriores.
    • 1921 - Morre sua irmã Frances Macdonald, um possível suicídio. Com a grande perda, Margaret pinta duas extraordinárias obras intituladas La Morte Parfumee e The Legend of the Blackthorns.
    • 1933 - Morre aos 68 anos em Londres, na Inglaterra.

    OBRAS

    Capa da revista Deutsche Kunst und Dekoration, 1902.

    Cardápio para Miss Cranston Cafe, 1911.

    Painel bordado, 1902.

    The Heart of the Rose, 1901.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    REMY, Tejo

    KREIS, Wilhelm

    ZUMTHOR, Peter

  • BIGOT, Georges Ferdinand

  • BIGOT, Georges Ferdinand

    Georges Ferdinand Bigot

    Georges Ferdinand Bigot (1860 - 1927)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Ilustrador(a)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1860 - Nasce em Paris, França.
    • 1872 - Entra para a Escola de Belas Artes em Paris, aonde teve artistas como Jean-Léon Gérôme e Carolus-Duran como professores. Durante seu tempo na escola, Bigot conhece o Japonismo e se torna amigo de inúmeros colecionadores de arte japonesa.
    • 1878 - Frequenta a Exposição Universal aonde se vê particularmente encantado com o pavilhão de arte japonesa, o que fomenta sua vontade de se mudar para o Japão.
    • 1880 - Trabalha para os jornais La Vie Moderne e The World Parisien como ilustrador, para juntar o dinheiro da viagem.
    • 1882 - Muda-se para Yokohana, no Japão, aonde prontamente inicia seu aprendizado da lingua e pintura tradicional locais, enquanto ensina aquarela na Academia Imperial do Exército Japonês.
    • 1887 - Publica um jornal satírico, chamado Tôbaé, aonde ilustra cenas do cotidiano japonês, ridiculariza políticos e critica o que chama de ‘excessos da “ocidentalização do Japão”’. Por medo da censura, publica somente em Yokohana. Torna-se o pioneiro dos cartuns de cunho político e social no Japão.
    • 1891 - Lança o livro ilustrado O Diário de Uma Gueixa em Tóquio.
    • 1894 - É enviado para a Coréia durante a Primeira Guerra Sino-Japonesa em um trabalho especial para a revista inglesa London Graphic.
    • 1897 - Lança o livro ilustrado As Aventuras do Capitão Goudzougoudzou.
    • 1899 - Com a revisão dos Tratados Desiguais entre a China e o Japão e o fim da extraterritorialidade, decide voltar para a França, divorciando-se de sua esposa e levando seu filho consigo. Ao retornar para a Europa, passa a trabalhar para várias revistas e jornais franceses.
    • 1904 - Ilustrou a narrativa da guerra Russo-Japonesa para o jornal semanal L’Illustration.
    • 1906 - Se muda para Bièvres, aonde começa a colaborar com a gráfica e editora Pellerin. Publica inúmeras histórias ilustradas sobre o folclore asiático.
    • 911 - Publica o quadrinho “A Vida de um Jogador ou Os Apaches do Grande Mundo”.
    • 1927 - Morre aos 67 anos em Bièvres, França.

    OBRAS

    La Femme Nue de M. Kuroda, 1895

    Rokumeikan's Lady, 1887

    Une Partie de Peche, 1887

    Capa para o livro Chocando no Japão: A Evolução da Arte no Império do Sol Nascente, 1895

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • ASHBEE, Charles Robert

  • ASHBEE, Charles Robert

    Charles Robert Ashbee

    Charles Robert Ashbee (1863 - 1942)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Jóias
    • Designer de Móveis

    Charles Robert Ashbee afirmou que os princípios do Movimento Arts and Crafts foram desenvolvidos de maneira mais lógica e mais consistente nos Estados Unidos e na Europa do que na Grã-Bretanha.”


    ADAMS, Steven. [1987]
    The Arts & Crafts Movement.
    London, Grange Books

    CRONOLOGIA

    • 1863 - Nasce na vila de Isleworth, Inglaterra.
    • 1883 - Passa 3 anos estudando no King's College, em Cambrige, sob a orientação do arquiteto George Frederick Bodley.
    • 1888 - Funda a Guild and School of Handicraft no Toynbee Hall, em Londres.
    • 1890 - A escola, isto é, a Guild and School of Handicraft muda-se para a Essex House em Mile End, Londres.
    • 1898 - Traduz e publica o trabalho de Benvenuto Cellini; um clássico que descreve técnicas de ouriversaria e escultura.
    • 1902 - A escola é forçada a mudar-se de novo, desta vez para Chipping Camden, onde mais tarde funcionará a School of Arts & Crafts (1904-1914).
    • 1907 - É publicado um catálogo contendo seus trabalhos em prata e de joalheria a preços extremamente baratos.
    • 1909 - Publica Modern English Silverwork, sob a influência do estilo dos produtos de Arthur Liberty e da Secessão Vienense.
    • 1918 - É apontado conselheiro cívico do Mandato Britânico da Palestina, supervisionando construções e proteção de sítios históricos e monumentos como presidente da Sociedade Pró-Jerusalém.
    • 1942 - Morre, aos 79 anos, em Sevenoaks, Kent, Inglaterra.

    OBRAS

    Armário. Todos os direitos reservados a AA&CA.

    Bacia de prata martelada a mão, 1901.

    Candelabro Elétrico, 1895.

    Decanter, 1904-1905.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    WEBER, KEM

    WETHERELL, Tim

  • JEANSELME, Joseph-Pierre-François

  • JEANSELME, Joseph-Pierre-François

    Joseph Jeanselme

    Entalhe em móvel

    8

    ATUAÇÕES

    A mostra deste honorável fabricante nos dá uma idéia exata da variedade de sua produção. (...) Muitos dos principais móveis expostos pelo Sr. Jeanselme, pai, em conjunto com seu filho, reúnem todos os elementos de bom gosto e de execução primorosa que já lhes valeram uma Medalha de Prata na Exposition Nationale [de Paris] de 1849 e um prêmio em Londres, em 1851.

    BONAPARTE, Napoléon Joseph Paul. [1855]
    Exposition Universelle de 1855 : Rapports du jury mixte international. Volume 2.
    Paris.

    CRONOLOGIA

    • 1796 - Ano de nascimento de Joseph-Pierre-François Jeanselme. Pouco se sabe sobre o início de sua vida.
    • 1824 - Funda, com o irmão Jean-Arnoux, uma firma de carpintaria alocada em Paris. Especializam-se na produção de cadeiras e poltronas em estilos variados, estampadas com o selo Jeanselme Frères.
    • 1827 - Nasce, em Paris, Charles-Joseph-Marie Jeanselme, filho de Joseph Jeanselme e Marie Anne Morel.
    • 1840 - Possivelmente em razão do afastamento de Jean-Arnoux, a firma passa a usar a marca Jeanselme.
    • 1847 - Joseph compra a oficina Jacob-Desmalter, agregando assim a marcenaria aos serviços oferecidos por sua firma. Em parceria com o filho, Charles, passa a trabalhar sob o nome de Jeanselme Père et fils. Em pouco tempo, durante o governo de Louis-Philippe, conquistariam a posição de Fournisseur du Mobilier de la Couronne: fornecedores oficiais de mobiliário das cortes Francesa e Imperial.
    • 1855 - Pai e filho prosperam, chegando a empregar 300 artífices. Participam da Exposition Universelle de 1855, em Paris, onde o júri concede à Jeanselme Père et Fils, por unanimidade, uma medalha de primeira classe. No mesmo ano, recebem uma nomeação a cavaleiro da Légion d'Honneur em reconhecimento à qualidade de seu trabalho.
    • 1858 - Auguste Godin, ebanista, junta-se à firma como sócio. Os móveis produzidos passam a ser estampados pelo selo Jeanselme Fils Godin et Cie.
    • 1860 - Joseph Jeanselme falece no dia 11 de novembro, em Paris. Charles Jeanselme fica encarregado de administrar a firma, função que desempenharia até o fim de sua vida.
    • 1871 - Charles falece. A companhia continua em funcionamento e incorpora, no ano de 1893, uma nova oficina: a Lemarchand. É somente no ano de 1930 que o empreendimento dos Jeanselme encerra suas atividades por completo.

    OBRAS

    Armchair [Cadeira], circa 1850

    Cadeira. circa 1825-1835

    Banquette, 1848-1870

    Console, 1848-1870

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • CUYPERS, Pierre

  • CUYPERS, Pierre

    Petrus Josephus Hubertus Cuypers

    Petrus J. H. Cuypers (1827 - 1921).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    A Grã-Bretanha, a França e a Alemanha influenciaram o revivalismo na Holanda e na Bélgica. Petrus Cuypers introduziu o revivalismo Gótico na Holanda praticamente sozinho. Tendo estudado na Bélgica, Cuypers trabalhou em Amsterdã a partir da década de 1850. Suas primeiras igrejas no sul do país devem muito a Viollet cujos ideais de expressão e lógica estrutural — mas não seu repúdio ao historicismo —, continuaram influenciando Cuypers por toda sua carreira. Essas características já são evidentes na primeira igreja importante que projetou — a Posthoornkerk (1860 – 3) — em Amsterdam. Observe-se, no entanto, que embora os tijolos policrômicos e a dura linearidade sejam características do estilo Alto Vitoriano, a fachada oriental — com seu par de torres espiraladas emergindo das empenas —, remete a uma inspiração medieval proveniente dos Países Baixos e do norte da Alemanha. [...] A engenhosidade com que Cuyper planejava e fazia adaptações medievais nos seus projetos foram aspectos da ‘evolução’ do Gótico que ele perseguiu conscientemente na busca de uma arquitetura novecentista que fosse, ao mesmo tempo, historicista e moderna. A solução que encontrou pode ser contemplada no Rijksmuseum (1877 – 85) de Amsterdã e na Estação Central (1882 – 9). São edifícios francos no uso de materiais produzidos industrialmente, incluindo o ferro, e Alto Vitorianos em sua policromia e ecletismo, embora Góticos apenas parcialmente já que muitos de seus componentes derivam de um estilo eclético em si mesmo – aquele dos Países Baixos do século XVII – ecos da grande era da supremacia Holandesa. [...] A busca de Cuyper por essa ‘evolução’ teve o efeito de fazê-lo transcender o revivalismo Gótico, contribuindo para que sua longa atuação se transformasse em uma incubadora do proto-Modernismo que emergiu com seu assistente, Hendrikus Petrus Berlage (1856 – 1934), cujo trabalho impulsionou estilos históricos – incluindo o Gótico – que Cuyper tão cuidadosamente sintetizara.

    BROOKS, Chris. [1999] The Gothic Revival.
    London, Phaidon.

    CRONOLOGIA

    • 1827 - Nasce em Roermond, na Holanda, filho de um pintor de igrejas. Seu nome de batismo é Petrus Hubertus Hubertus Cuypers.
    • 1844 - Começa seus estudos na Academia Real de Artes na Antuérpia, estudando com alguns dos mais destacados representantes da arquitetura gótica da Bélgica.
    • 1849 - Conquista o Prix d’Excellence da Academia.
    • 1863 - Inicia a restauração da Munsterkerk — projetada originalmente em estilo romanesco tardio —, em sua cidade natal, Roermond.
    • 1875 - Torna-se responsável pela restauração da Catedral de Mainz executando o projeto nos cânones da arquitetura romanesca.
    • 1876 - Contratado para a construção do Rijksmuseum.
    • 1881 - Inicia o projeto da Estação Ferroviária de Amsterdam. A obra será concluída em 1889.
    • 1885 - Projeta no estilo Neogótico, em Gronigen, a Sint-Jozefkathedraal.
    • 1892 - Começa a restauração do Castelo de Haar, em Utrecht — um projeto que levaria vinte anos para ser concluído.
    • 1895 - Projeta — no estilo Gótico mas com tijolos —, a Sint-Martinuskerk, em Gronigen.
    • 1897 - É agraciado com a Royal Gold Medal pelo Royal Institute of British Arquitects por sua contribuição relevante à arquitetura internacional.
    • 1902 - Constrói, em Utrecht, a Sint-Antoniuskerk.
    • 1921 - Morre em Roermond. Deixa como legado diversos prédios importantes, entre os quais mais de uma centena de igrejas.

    OBRAS

    Igreja de São Pedro, Halden, Noruega.

    Estação Ferroviária Central, Amsterdam, Holanda.

    Rijksmuseum, Amsterdam ca. 1895.

    Kasteel de Haar.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Racionalismo

  • WALTON, Edward

  • WALTON, Edward

    Edward Arthur Walton

    Edward Arthur Walton (1860 - 1922)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1860 - Nasce em Renfrewshire, na Escócia.
    • 1880 - Passa a expor seus trabalhos com os Glasgow Boys, no Instituto Real de Belas Artes em Edinburgh, na Academia Real Escocesa.
    • 1883 - Pinta uma série de aquarelas em Helensburgh, representando o subúrbio e seus habitantes. Esta série torna-se conhecida como um dos mais marcantes trabalhos do Movimento de Glasgow por sua clareza, cores e forte senso decorativo.
    • 1885 - Pinta A Daydream, sua última grande pintura realista, antes de se dedicar ao estilo mais subjetivo de James Whistler.
    • 1886 - Pinta A Herd Boy, uma de suas mais famosas aquarelas, e também responsável por estabelecer sua reputação pela Europa.
    • 1889 - Reconhecido como um dos mais notórios pintores do estilo de Glasgow, é eleito associado da Academia Real Escocesa.
    • 1890 - Expõe algumas de suas pinturas na segunda Exposição Internacional de Arte em Munique, dentre elas a aquarela A Herd Boy, com a qual conquista uma medalha de ouro.
    • 1894 - Muda-se de Glasgow para Londres, onde mora próximo ao pintor
    • 1904 - Retorna para a Escócia com sua família e passa a dedicar-se à pintura de retratos. No ano seguinte é finalmente eleito membro oficial da Academia Real Escocesa.
    • 1915 - Torna-se presidente da Sociedade Real de Aquarela da Escócia.
    • 1922 - Morre aos 62 anos em Edinburgh, na Escócia.

    OBRAS

    A Daydream, 1885

    Helensburgh, 1886

    A Herd Boy, 1886

    Bluette, 1891

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • HESTAUX, Louis

  • HESTAUX, Louis

    Louis Hestaux

    Louis Hestaux (1858 - 1919)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Aquarelista
    • Desenhista
    • Designer Têxtil
    • Escultor(a)
    • Pintor(a)

    Schon frühzeitig als virtuoser Zeichner hervorgetreten sowie mit einem ausgeprägten Gespür für dekorative Belange und einem feinsinnigen Naturempfinden begabt, kompensiert H[estaux] problemlos die fehlende akademische Ausbildung. [...] Neben Merkmalen von Symbolismus und Art Noveau assimiliert er Einflüsse des Japonismus, mit dem er sich intensiv beschäftigt und als dessen Hauptvertreter er innerhalb der Ecole de Nancy er angesehen wird.

    TOVELL, Rosemarie L. [2011]
    Louis Hestaux. In: Allgemeines Künstler-Lexikon (AKL), Vol. 72
    De Gruyter, p. 516

    CRONOLOGIA

    • 1858 - Nasce no dia 27 de Maio na cidade de Metz, Alsácia-Lorena.
    • 1871 - Ao fim da Guerra Franco-Prussiana, a família Hestaux muda-se para a cidade de Nancy. Louis ingressa na Ecole de Dessin local, onde frequenta as aulas do pintor Louis-Théodore Devilly.
    • 1874 - Passa a trabalhar como designer para Émile Gallé. Louis viria a se tornar um dos principais colaboradores de Gallé, transcendendo sua formação como pintor e trabalhando uma ampla gama de materiais. Dos frutos dessa colaboração ganhariam especial notoriedade os trabalhos em marcenaria.
    • 1889 - São apresentadas a mesa Le Rhin e a jardineira Flora Marina, Flora Exotica na Exposition Universelle de 1889. Aclamadas pela crítica, as obras eram resultado de uma parceria entre Émile Gallé, Victor Prouvé e Louis Hestaux. No estúdio, Hestaux participaria igualmente da confecção de peças mais simples, para produção em larga escala.
    • 1900 - É fundada a Maison de l'art lorraine, para a qual Hestaux criaria uma série de designs têxteis. Além dos tissus d'art [tecidos artísticos] de sua parceria com Charles Fridrich, Louis Hestaux exibiria por conta própria inúmeros móveis e objetos decorativos de inspiração simbolista, bem como desenhos, aquarelas e pinturas.
    • 1901 - Integra o corpo de diretores da École da Nancy.
    • 1904 - Morre Émile Gallé. Hestaux assume a direção artística do estúdio, posição que ocuparia até o ano de 1914.
    • 1919 - Morre em Nancy, aos 61 anos.

    OBRAS

    Buffet La Forêt, 1895
    © Musée de l'Ecole de Nancy / M. Bourguet

    Cadeira, 1901

    Motivo em cerâmica Ancolie, 1881
    © RMN-Grand Palais (musée d'Orsay) / Hervé Lewandowski

    Pintura La Libellule (detalhe), 1888

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    NELSON, George

    CHOCHOL, Josef

    TAKADA, Kenzo

    YVARAL, Jean-Pierre

  • KLIMT, Gustav

  • KLIMT, Gustav

    Gustav Klimt (1862-1918)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Pintor(a)

    A obra de Klimt possui um equilíbrio e um diálogo único entre o refinamento sensível e decorativo e a morbidez de sua figuras, que pendem para o simbolismo. Os ornamentos aparentam ser simbólicos em diversos momentos, criando ritmos nos elementos de cinzas e pérolas pálidos e dourado e prata vívidos. A ornamentação foi o caminho escolhido pelo artista para criar uma atmosfera de sonho, onde as figuras não estão ligadas a nenhum tempo ou local, repleta de alegorias que estimulam a imaginação."

    CARMINI, Carolina
    © obvious magazine

    CRONOLOGIA

    • 1862 - Nasce Baumgarten, no território Austro-Húngaro .
    • 1876 - Dá início aos estudos de Pintura Arquitetônica na Vienna Kunstgewerbeschule
    • 1880 - Começa a receber juntamente com seu irmão, Ernst, e seu amigo, Franz Matxch, comissões para trabalharem e também para ajudar o professor deles a pintar murais para o Kunsthistorisches Museum, em Viena. O trio era denominado como "Companhia de Artistas".
    • 1886 - Decora o teto e as luminárias da escada do Burgtheater, em Viena.
    • 1888 - Projeta o Auditório do Antigo Burgtheater, em Viena.
    • 1893 - Decora o grande anfiteatro da Universidade de Viena.
    • 1894 - Pinta o quadro Portrait of a Lady.
    • 1897 - Se torna um dos fundadores da Secessão Vienense.
    • 1901 - Pinta o quadro Judith I, utilizando folhas de ouro. Esta pode ser considerada sua era de ouro.
    • 1904 - Colabora com artistas no Palais Stoclet, casa projetada por Josef Hoffmann para Adolphe Stoclet, onde pode ser considerado um dos maiores monumentos da era Art Nouveau.
    • 1908 - Realiza uma de suas obras mais famosas, O Beijo.
    • 1912 - Pinta o quadro Retrato de Adele Bloch-Bauer II. A mulher foi a esposa do insdustrialista Ferdinand Bloch-Bauer, o qual apoiava Klimt e patrocinava os trabalhos do artista.
    • 1915 - Produz a pintura Morte e Vita.
    • 1917 - Pouco antes de morrer, pinta o quadro Portrait of a Lady. A pintura representa uma mulher com quem Klimt teve um romance.
    • 1918 - Morre, em Viena.

    OBRAS

    Portrait of a Lady, 1917.

    Portrait of Adele Bloch-Bauer II, 1912.

    Pallas Athéna, 1898.

    Morte e Vita, 1915.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • ETCHELLS, Frederick

  • ETCHELLS, Frederick

    Frederick Etchells (1886-1973) ao lado da irmã, Jessie Etchells

    8

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Cabeça Futurista, 1912

    Parque Hyde, 1915

    Patchopolis, 1914

    Composição (Stilts), c. 1914

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • DOMÈNECH, Lluis

  • DOMÈNECH, Lluis

    Lluis Domènech i Montaner

    Lluis Domènech i Montaner (1850 - 1988).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Móveis

    "Gaudí (...) brilhou tão intensamente que os nomes de todos os outros arquitetos ficaram escondidos em sua sombra. É por isso que Domènech i Montaner, criador do Palácio da Música Catalã, em Barcelona – considerado por muitos o mais Catalão de todos os edifícios -, permaneceu relativamente desconhecido”.


    SACK, Manfred & SUZUKI, Hisao. [1996]
    Lluis Domenech i Montaner, Palau de la Musica Catalana, Barcelona.
    Stuttgart, Axel Menges

    CRONOLOGIA

    • 1850 - Nasce em Barcelona, Espanha.
    • 1873 - Termina seus estudos de Arquitetura em Barcelona.
    • 1875 - Nomeado Chefe de Composição e Projetos na Escola de Arquitetura de Barcelona
    • 1888 - Ganha destaque profissional na Exposição Universal de Barcelona.
    • 1901 - Nomeado Decano da Escola de Arquitetura de Barcelona.
    • 1908 - Termina a construção do Palácio da Música Catalã, inspirado na arquitetura moura.
    • 1912 - Termina o Hospital de la Santa Creu i Sant Pau
    • 1912 - Ganha, pela terceira e última vez, o prêmio de melhor prédio construído em Barcelona no ano.
    • 1923 - Morre, aos 73 anos, em Barcelona.

    OBRAS

    Pavilhão do Hospital de Sant Pau, 19120

    Casa Fuster, 1911

    Interior do Institut Pere Mata, 1912

    Interior da Casa Navàs, 1907

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    SAPPER, Richard

    BOMBERG, David

  • DUCHAMP, Marcel

  • DUCHAMP, Marcel

    Marcel Duchamp (1887-1968)

    8

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Bicycle Wheel, 1913.

    Bottlerack, 1914.

    O Grande Vidro (ou A Noiva Despida Por Seus Celibatários, Mesmo), 1915-23
    © Philadelphia Museum of Art

    Standing Nude, 1910.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • CAUCHIE, Paul

  • CAUCHIE, Paul

    Paul Cauchie

    Paul Cauchie (1875 - 1952).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Decorador(a)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1875 - Nasce em Hainaut, na Bélgica.
    • 1887 - Entra para a Academia de Belas Artes para estudar desenho e pintura. Quatro anos depois passa a focar seus estudos em Arquitetura, mas não dura muito tempo.
    • 1893 - Abandona o curso de Arquitetura para ter aulas com o pintor e muralista Constant Montald, em Bruxelas.
    • 1894 - Entra para a Escola de Artes Decorativas na Academia Real de Belas Artes, em Bruxelas, onde prossegue seus estudos em desenho e pintura e começa a aprender as técnicas de sgraffito e esmaltagem.
    • 1896 - Começa a trabalhar por conta própria, especializando-se em decoração.
    • 1899 - Viaja para Paris para estudar, mas é forçado a retornar para casa para tocar seus negócios.
    • 1905 - Constrói sua casa e estúdio, chamada de Casa Cauchie. Seu mais famoso trabalho, a casa é considerada uma das mais belas construções do Art Nouveau em Bruxelas, reunindo inúmeras criações suas e de Paul e sua esposa, a pintora Caroline Voets.
    • 1910 - Realiza seu segundo projeto arquitetônico, uma casa de sua propriedade em Etterbeek.
    • 1913 - Seus trabalho continua a crescer e o fluxo de pedidos se torna tão grande que Cauchie precisa contratar funcionários. Além de seus murais em sgraffito, Cauchie também produz vitrais, pinturas e móveis.
    • 1914 - Por ocasião da Primeira Guerra Mundial foge para a Inglaterra com sua família, onde pinta e expõe sua arte.
    • 1918 - Após o fim da guerra, retorna para a Bélgica mas encontra dificuldades para vender seu trabalho. O sgraffito havia saído de moda e se tornado muito caro para a população empobrecida. Passa então a dedicar-se a pintura: guache e aquarela.
    • 1923 - É condecorado com a Ordem da Coroa da Bélgica.
    • 1941 - Toma parte do Comitê Cultural formado pelo Departamento de Propaganda da Alemanha.
    • 1943 - É criada a Federação de Artistas Belgas e Expressionistas Franceses, da qual é convidado a fazer parte após uma exposição de suas obras em Charleroi, na Bélgica.
    • 1952 - Morre aos 77 anos em Bruxelas, na Bélgica.

    OBRAS

    Sgraffito em fachada na Casa Delune em Bruxelas, 1904.

    Mural em sgraffito no interior da Casa Cauchie, 1905.

    Fachada da Casa Cauchie, 1905.

    Fachada da casa em Etterbeek, 1910.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    FRUTIGER, Adrian

  • KLINGER, Max

  • KLINGER, Max

    Max Klinger

    Max Klinger (1857 - 1920)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Escultor(a)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1857 - Nasce em Leipzig, na Alemanha.
    • 1874 - Começa seus estudos na Escola de Arte Grand Ducal Baden em Karlsruhe, onde dura um ano antes de ir para a Academia Real de Arte em Berlim, sob a tutela de Karl Gussow, completando sua formação com a avaliação "excepcional".
    • 1878 - Pela primeira vez apresenta seu trabalho ao público, na 52º Exposição da Academia em Berlim.
    • 1879 - Torna-se pupilo de Emile Charles Wauters, em Bruxelas.
    • 1880 - Pinta a série Eve and the Future (Opus III).
    • 1881 - Abre um estúdio em Berlim, onde tão logo se torna membro da Associação de Artistas de Berlim. Imprime seu mais famoso trabalho, Praphrase on The Finding of a Glove, uma série de dez gravuras baseadas em imagens que lhe vieram em sonhos após encontrar uma luva perdida num rinque de patinação.
    • 1883 - Recebe sua primeira grande encomenda: decorar o pátio da vila de Julius Albers. No mesmo ano, adquire um estúdio em Paris, onde se dedica a estudar o trabalho de Goya e Daumier.
    • 1893 - Retorna para Leipzig e torna-se bem sucedido, virando membro da Academia de Munique. É apontado como professor da Academia Real de Artes Gráficas de Leipzig e, alguns anos depois, se torna um membro da recém-criada Secessão Vienense.
    • 1902 - Expõe sua estátua Beethoven, que se torna parte interal da Exposição da Secessão Vienense daquele ano.
    • 1920 - Morre, aos 63 anos, em Naumburg, na Alemanha.

    OBRAS

    Badendes Mädchen, sich im Wasse spiegelnd, 1912

    Phantasien über einen gefundenen Handschuh, der Dame, die ihn verlor, gewidmet (4/10: Rettung), 1878

    Die Blaue Stunde, 1890.

    Phantasien über einen gefundenen Handschuh, der Dame, die ihn verlor, gewidmet. (10/10: Amor), 1878.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    WRIGHT, Frank Lloyd

  • MÉLIÈS, Marie-Georges-Jean

  • MÉLIÈS, Marie-Georges-Jean

    Georges Méliès

    Georges Méliès (1861-1938).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Cenógrafa(o)
    • Cineasta
    • Figurinista
    • Ilusionista

    CRONOLOGIA

    • 1861 - Nasce em Paris, na França.
    • 1880 - Forma-se no Lycée Louis-le-Grand, em Paris.
    • 1884 - Méliès muda-se para Londres – a pedido do pai -, para estudar inglês, a fim de expandir o negócio de sapatos da família. Permanecendo lá por um ano, entra em contato com apresentações de ilusionismo.
    • 1888 - Com a aposentadoria do pai, Georges vende sua parte do negócio da família e compra o Théatre Robert-Houdin, onde trabalha em tempo integral como showman teatral, com performances de mágica e ilusionismo.
    • 1895 - Méliès assiste à exibição do Cinematógrafo dos Irmãos Lumière, fica interessado e faz uma proposta (que os irmãos rejeitam) para comprar o aparelho.
    • 1896 - Após estudar a câmera e o projetor de Robert Paul em Londres, Méliès monta a sua própria câmera. Nesse mesmo ano ele começa a fazer filmes, sendo o primeiro deles Une Partie de Cartes.
    • 1897 - Abre seu próprio estúdio, Star Film, em Montreuil. Feito em grande parte de vidro, com persianas difusas a fim de controlar a entrada de luz, o estúdio tinha as mesmas dimensões do Théatre Robert-Houdin, 6 metros x 17 metros, e continha tudo o que Méliès precisava para a execução dos truques de seus filmes.
    • 1898 - Méliès continua experimentando com efeitos e cortes em seus filmes, nesse ano ele produz o primeiro filme com dupla exposição, La caverne Maudite; o primeiro com split screen: Un Homme de têtes; e o primeiro filme com efeito de transição dissolve: Cendrillon.
    • 1902 - Realiza o filme Le Voyage dans la Lune, considerado um dos primeiros filmes de ficção científica da história do cinema, e um dos maiores e mais elaborados filmes produzidos por Méliès.
    • 1913 - Sua produção não consegue acompanhar as mudanças da indústria cinematográfica, tanto em ritmo de produção quanto em conteúdo, e Méliès acaba por abandonar o cinema e retorna à carreira de ilusionista.
    • 1915 - Méliès vende o Théatre Robert-Houdin, e transforma seu estúdio de Montreuil em teatro de variedades.
    • 1923 - Decreta falência e é obrigado a vender seu antigo estúdio e a se desfazer de seu acervo, cenários, figurinos e, inclusive, muitos dos negativos de seus filmes, que acabaram destruídos ou vendidos como material para fazer sola de sapatos. Nesse mesmo ano seu antigo teatro, Robert-Houdin é demolido como parte de um projeto de construção de estradas.
    • 1925 - Méliès casa-se com uma ex-atriz de seus filmes
    • 1929 - Diversos filmes de Méliès são redescobertos e restaurados, sendo exibidos numa retrospectiva organizada por Jean-Paul Mauclair.
    • 1938 - Morre aos 76 anos, em Paris, na França.

    OBRAS

    Frame do filme Une Partie de Cartes, 1896.

    Frame do filme Un homme de têtes, 1898.

    Méliès em seu estúdio, Star Film, c. 1900.

    Foto da produção do filme Le Voyage dans la Lune, 1902.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    BOGUSLAVSKAYA, Ksenia

  • GIMSON, Ernest

  • GIMSON, Ernest

    Ernest Gimson

    Ernest Gimson (1864 - 1919)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Móveis

    Gimson desenvolveu sua aptidão para incrustar madeira em móveis na época em que trabalhava na Kenton and Company [empreendimento do qual era sócio]. Ao sair de lá, continuou a incrustar madeira e madrepérola nas peças - elegantes e parcimoniosas - que projetava. Além de seus vistosos gabinetes, Gimson (...) também projetou móveis em um estilo mais simples e rústico, exemplificado em diversos aparadores, mesas para sala de jantar e cadeiras com encosto de escada. Esse estilo, livre das referências medievais de Morris e dos padrões intricados das peças de Mackmurdo, influenciou tremendamente a estética ‘fitness for purpose’ [de adequação à finalidade] que dominou o design britânico até o final da Segunda Guerra Mundial. (...) Como consequência de [não] se motivar a adaptar seus projetos à produção industrial, (...) atendia apenas uma clientela limitada. Ao invés de produzir seu mobiliário pessoalmente, Gimson supervisionava uma equipe de artífices (...)”.

    MARGOLIN, Victor. [2015]
    World History of Design. Vol. I
    London, Bloomsbury, p. 243.

    CRONOLOGIA

    • 1864 - Nasce em Leicester, na Inglaterra.
    • 1881 - Torna-se aprendiz do arquiteto Isaac Barradale de Leicester, e fica sob sua tutela em seu escritório durante quatro anos.
    • 1883 - Assiste uma palestra sobre “Arte e Socialismo” ministrada pelo influente artista e designer do movimento Arts & Crafts, William Morris. Encantado e inspirado, Gimson chama Morris para conversar e acabam por tornar-se amigos.
    • 1885 - Com experiência profissional na área de arquitetura e bons resultados na Escola de Arte de Leicester, se muda para Londres. Sem perder o contato com Morris, Gimson entra para o estúdio de arquitetura de J. D. Sedding, onde se apaixona pelo Arts & Crafts.
    • 1889 - Entra para a Sociedade de Proteção a Construções Antigas de William Morris.
    • 1890 - Funda, junto de Sidney Barnsley, William Lethaby e outros designers a companhia de mobílias Kenton & Co., seguindo os ensinamentos de Philip Webb sobre a criação de objetos.
    • 1893 - Se muda para Gloucestershire com os irmãos Barnsley onde abrem uma oficina. Mais tarde, passam a contratar outros artesãos habilidosos para a firma, dentre eles, Peter van der Waals.
    • 1900 - Abre uma pequena oficina de móveis em Cirencester, mais tarde se mudando para lojas maiores. Tem como objetivo incentivar a comunidade o do vilarejo para transformá-lo em uma vila de artesãos.
    • 1908 - Cria uma competição em busca do melhor projeto para a construção da cidade de Camberra, capital da Austrália. Uma dupla de arquitetos americanos vence com a melhor planta.
    • 1916 - Rejeita um convite para fazer parte da Associação de Design Industrial, por sua forte resistência ao trabalho com máquinas.
    • 1918 - Realiza seu último grande projeto, a Biblioteca Memorial na Escola de Bedales, em Hampshire.
    • 1919 - Morre aos 55 anos em Sapperton, na Inglaterra.

    OBRAS

    Armário em Madeira, 1891.

    Casa Arts & Crafts em Leicestershire, 1899.

    Gaveteiro de Madeira, ca. 1907.

    Gaveteiro de Madeira, ca. 1902.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.