• BUGATTI, Carlo

  • BUGATTI, Carlo

    Carlo Bugatti

    Carlo Bugatti

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer
    • Designer de Móveis

    CRONOLOGIA

    • 1856 - Nasce em Milão, Itália.
    • 1870 - Estuda Arquitetura na Accademia di Belle Arti di Brera (também conhecida como Accademia di Brera), em Milão.
    • 1875 - Entra para a Académie des Beaux-Arts, em Paris.
    • 1880 - Inicia sua carreira como arquiteto em Milão e casa-se com Teresa Lorioli.
    • 1888 - Exibe móveis de sua autoria na FIne Arts Fair em Milão. No verão do mesmo ano, participa também da Italian Exhibition em Londres.
    • 1900 - É premiado com medalha de prata na Paris World Fair.
    • 1902 - Participa da Art Decorative International Exhibition em Turin, onde é premiado pela cadeira Cobra, parte da decoração de seu Snail Room.
    • 1904 - Vende seu estúdio em Milão e se muda para Paris, onde começa a trabalhar para grandes lojas de departamento como Maison Dufayel e Au Bon Marché.
    • 1910 - Muda-se para Pierrefonds, onde abre seu atelier.
    • 1914 - É nomeado prefeito de Pierrefonds, permanecendo no cargo até 1918.
    • 1935 - Vai morar em Molsheim, próximo ao seu filho Ettore.
    • 1940 - Morre aos 84 anos em Molsheim, França.

    OBRAS

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    DRAISMA, Eibert

  • GAUTHIER, Camille

  • GAUTHIER, Camille

    Camille Gauthier

    Camille Gauthier (1870-1963)
    © Musée de l'École da Nancy

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Móveis
    • Designer Gráfico
    • Ebenista
    • Marceneira(o)

    Après un début de carrière orientée vers la création de pièces uniques, Camille Gauthier s'est tourné vers la production en série d'un mobilier pratique et usuel. Ses meubles d'un coût faible ont pu être acquis par une clientèle moins aisée, également moins formée au goût moderne. Il a permis ainsi au mouvement artistique nancéien et à son inspiration naturaliste d'être diffusés auprès d'un large public. Dans ces modes de production, Gauthier se rapproche de l'ébéniste belge Serrurier-Bovy dont il a peutêtre croisé le chemin lors des concours de mobilier à bon marché organisés à Paris.

    Dans ces choix, l'ébéniste nancéien n'est pas isolé mais rejoint les objectifs de plusieurs artistes qui, en France, cherchent à créer « un nouvel art domestique destiné aux classes moyennes et au monde ouvrier 19 ». Fondée en 1895 à Paris, la Société des Cinq devenue deux ans plus tard l'Art dans Tout préconisait l'adaptation des créations modestes aux besoins modernes et aspirations esthétiques de l'époque, facilitées par l'intervention de la machine dans la fabrication.

    Camille Gauthier reste sans conteste l'artiste de l'Ecole de Nancy dont les productions et les méthodes de diffusion ont été les plus proches du postulat du critique d'art Roger Marx : « Rien sans art » et « art pour tous ». Elles ne dérogent pas non plus à un des souhaits exprimés dans l'Avant-propos des Statuts de l'Ecole de Nancy publié en février 1901 selon lequel « L'enseignement de l'Ecole de Nancy a pour objet de conserver au produit moderne français, tant aux objets de simple utilité qu'à ceux du luxe, le sens de la logique dans la construction, dans l'emploi rationnel des matériaux, l'instinct pratique de la convenance et du confort, sous une parure d'élégance, de beauté et d'intellectualité ».

    CRONOLOGIA

    • 1870 - Nasce na comuna de Norroy-les-Pont-à-Mousson, filho de um agricultor.
    • 1888 - Ingressa, aos 18 anos, na École des Beaux-Arts de Nancy. Frequenta as aulas do então diretor da instituição, Jules Larcher, parte da divisão de Antique et Nature do curso. A formação acadêmica que recebe baseia-se em grande parte na cópia de obras-primas da escultura Clássica e Renascentista.
    • 1890 - Gradua-se na École des Beaux-Arts. No mesmo ano, Camille conquista o prêmio Georges Jacquot, distinção concedida a jovens designers que parecessem promissores à Indústria.
    • 1891 - Dá continuidade a seus estudos na École des Arts Décoratifs de Paris.
    • 1893 - Retorna a Nancy, onde é contratado por Louis Majorelle como designer e ocupa-se principalmente dos trabalhos em marchetaria. Pouco tempo depois, a firma de Majorelle participa da Exposition d'Art Décoratif Lorrain, 1894, ocasião que marca uma mudança de rumos: em paralelo à confecção de móveis historicistas, a Maison Majorelle decide produzir também mobiliário no estilo nouveau.
    • 1901 - Tendo deixado a Maison Majorelle, estabelece um ateliê próprio na rue d'Auxonne, 8.
    • 1904 - Une forças com Auguste Poinsignon. A firma, agora sob o nome de Gauthier-Poinsignon, contaria com máquinas importadas dos Estados Unidos e um enorme mostruário, iluminado inteiramente por eletricidade. No mesmo ano, Gauthier é chamado a ilustrar a capa dos impressos postais vendidos pelos Etablissements Bergeret, além de projetar os catálogos de móveis distribuídos pela própria firma.
    • 1908 - A injeção de capital advinda da nova parceria e o subsequente investimento em maquinário pelos sócios faz com que seja possível produzir móveis de qualidade a preços reduzidos. A firma prospera; no ano de 1908, contando com dois escritórios, dois ateliês e uma galeria de exposições própria, empregavam ainda quarenta e três pessoas, responsáveis por serviços técnicos e administrativos.
    • 1909 - A firma participa da Exposição Internacional da França Oriental, em Nancy. A Gauthier-Poinsignon participava ativamente das manifestações artísticas ligadas à École de Nancy, tendo exposto diversos móveis em exibições passadas.
    • 1924 - Por ocasião da morte de Auguste Poinsignon, Gauthier vende a sociedade para Charles Delfour. Delfour dá continuidade à produção de mobiliário e à distribuição de catálogos — importante suporte de vendas — mantendo o nome de Gauthier-Poinsignon.
    • 1963 - Morre Camille Gauthier, tendo devotado os últimos anos de sua vida à pintura. O objeto de interesse de seus quadros — a pré-História — teria sido incentivado pelo contato com o padre Henri Breuil, famoso estudioso do período.

    OBRAS

    Sellette tripode en étagère d'applique à trois plateaux, 1901

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • HENRY, George

  • HENRY, George

    George Henry

    George Henry (1858 - 1943)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1858 - Nasce em Ayrshire, na Escócia.
    • 1880 - Estuda na Escola de Arte de Glasgow, onde demonstra talento para pinturas naturalistas e de cores vibrantes. Atende informalmente às aulas do pintor paisagista William York Macgregor, em seu estúdio da Rua Bath.
    • 1885 - Conhece o artista Edward Atkinson Hornel, de quem rapidamente se torna grande amigo. Henry logo o introduz aos Glasgow Boys, e ambos artistas passam a trabalhar mais próximos, treinando juntos e colaborando em obras.
    • 1889 - Pinta sua obra mais famosa e controversa, intitulada Uma Paisagem de Galloway, sendo vista por muitas como 'o trabalho mais próximo a uma obra-prima já pintado por uns dos Glasgow Boys, e por outros como apenas medíocre.
    • 1890 - Começa a trabalhar em obras colaborativas com Edward Hornel. Logo completam a ousada pintura Druidas Trazendo Visco, utilizando gesso esculpido e folhas de ouro na criação da decoração.
    • 1893 - Viaja para o Japão com Hornel, onde passam um ano e meio estudando a arte local. O aprendizado influencia sua arte.
    • 1899 - É convidado
    • 1900 - Abre um estúdio próprio em Londres, onde passa a se dedicar quase exclusivamente a fazer retratos. Atividade que, apesar de distante de seu estilo vibrante e naturalista, mostra-se mais rentável.
    • 1902 - É eleito membro da Academia Real da Escócia e, mais tarde, também apontado como sócio da Academia Real de Arte da Inglaterra.
    • 1943 - Morre aos 85 anos em Londres, na Inglaterra.

    OBRAS

    The Head of the Holy Loch, 1882

    Galloway Landscape, 1889

    The Druids Bringing In The Mistletoe, 1890

    Geisha Girl, 1894

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    AARNIO, Eero

    Design Orgânico Contemporâneo

    California New Wave

  • LEFUEL, Hector

  • LEFUEL, Hector

    Hector Lefuel

    DEPERO, Fortunato

  • GREENE, (irmãos)

  • GREENE, (irmãos)

    Henry e Charles Greene

    Charles Sumner Greene (1868 - 1957) e Henry Mather Greene (1870 - 1954).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquitetos
    • Designers

    "[Os irmãos Greene] conseguem fabricar (...) os melhores e os mais autênticos móveis que pude ver neste país [os EEUU]. Belos gabinetes e cadeiras, de nogueira ou de pau santo, excepcionalmente torneados e cavilhados com uma sensibilidade suprema e com uma maestria no uso de material à altura do melhor especialista inglês. Nunca me senti tão em casa em nenhum outro atelier deste lado do Atlântico”.

    ASHBEE, Charles Robert. Apud TODD, Pamela. [2004]
    The Arts & Crafts Companion.
    Bath, Palazzo

    CRONOLOGIA

    • 1868 - Nasce Charles Sumner Greene em Brighton, Ohio.
    • 1870 - Nasce Henry Mather Greene em Brighton, Ohio.
    • 1888 - Concluem os estudos na Manual Training School da Washington University, em Saint Louis, Missouri, onde aprenderam artesanato em madeira e metal.
    • 1891 - Recebem certificados de conclusão parcial de curso na Escola de Arquitetura do Massachusetts Institute of Technology, MIT; onde estudaram estilos clássicos de construção.
    • 1893 - Viajam para Pasadena, na Califórnia, para onde seus pais se mudaram. No caminho, visitam a World Columbian Exposition (também conhecida como a Feira Mundial de Chicago) e entram em contato com a arquitetura japonesa (fato que, mais tarde, influenciará o estilo de ambos).
    • 1894 - Estabelecem, em Pasadena, a firma de arquitetura Greene & Greene.
    • 1905 - Iniciam uma parceria com Peter Hall; que se tornará o construtor de seus principais projetos.
    • 1907 - Projetam, em Pasadena, para Robert e Nellie Blacker, a Blacker House. O projeto (de orçamento extravagante para a época) envolveu a criação de todos os utensílios da casa.
    • 1908 - Projetam, em Pasadena, a Gamble House, para Mary e David Gamble, da firma Procter & Gamble. A casa passará para a história como um dos marcos da arquitetura do estilo American Arts & Crafts.
    • 1909 - Projetam, para William e Caroline Thorsen, em Berkeley, na California, a Thorsen House; uma das últimas construções em estilo de bangalô dos irmãos ainda sobreviventes.
    • 1910 - Na década seguinte – apesar de receberem inúmeras ofertas para projetos maiores -, os irmãos decidem manter a firma pequena. Continuam, no entanto, projetando mobiliário e utensílios domésticos.
    • 1922 - Fecham a firma Greene & Greene com a decisão de Charles de mudar-se para a cidade de Carmel. Henry continua trabalhando em Pasadena.
    • 1954 - Morre Henry Mather Greene em Pasadena, California.
    • 1957 - Morre Charles Sumner Greene em Carmel, California.

    OBRAS

    Cadeira - Museu De Young, San Francisco

    Lanterna Culbertson, 1910.

    Casa Thorsen, 1909.

    Banco do Hall de entrada, 1909.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BURNE-JONES, Edward

  • BURNE-JONES, Edward

    Edward Coley Burne-Jones

    Edward Burne-Jones (1833 - 1898)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Artista Plástico
    • Cenógrafa(o)
    • Ceramista
    • Designer de Vidros
    • Designer Gráfico
    • Vitralista

    Lembro-me de uma vez estar conversando com o Sr. Burne-Jones sobre a ciência moderna e tê-lo ouvido dizer: “Quanto mais materialista se torna a ciência, mais pintarei anjos. Suas asas são meu protesto em nome da imortalidade da alma”.

    WILDE, Oscar The English Renaissance of Art. Palestra no Chickering Hall.
    Nova Iorque, 9 de janeiro de 1882.

    CRONOLOGIA

    • 1833 - Nasce em Birmingham, Inglaterra.
    • 1848 - Entra na Escola de Artes de Birmingham onde estuda por quatro anos.
    • 1853 - Começa a cursar Teologia na Universidade de Exeter, Oxford onde conhece William Morris, com quem divide uma paixão pela Idade Média e pelos escritos de Thomas Carlyle e John Ruskin. Também é lá que conhece o trabalho dos Pré-Rafaelitas.
    • 1856 - Sob a influência de Dante Gabriel Rossetti, Burne Jones e William Morris deixam a faculdade e decidem tornar-se artistas. Mudam-se para o número 17 da Red Lion Square, em Londres, endereço anterior de Rossetti.
    • 1861 - Torna-se um dos fundadores da firma Morris, Marshall, Faulkner and Co., transformando-se no seu principal designer de vitrais. Lá, produziu mais de 500 peças.
    • 1864 - É eleito sócio da Old Water Colour Society em virtude da qualidade de suas aquarelas. Dentre elas, The Merciful Knight (1863).
    • 1870 - Pede afastamento da Old Water Colour Society após escândalo relacionado a sua obra Phyllis e Demophoön. Passa os próximos sete anos trabalhando isolado, em Fulham, no oeste de Londres.
    • 1877 - Tem oito de suas pinturas a óleo, incluindo The Mirror of Venus e The Beguiling of Merlin expostas na abertura da Galeria de Grosvenor. Seu trabalho é altamente aclamado.
    • 1881 - Recebe um diploma honorário da universidade de Oxford.
    • 1885 - Torna-se presidente da Birmingham Society of Artists, e membro da Royal Academy.
    • 1891 - Torna-se membro da Art Workers' Guild.
    • 1898 - Morre aos 64 anos em Londres, Inglaterra.

    OBRAS

    Saint Cecilia, 1900

    An Angel Playing a Flageolet, 1878

    The Three Graces, c. 1890

    Rubaiyat of Omar Khayyam, c. 1870

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • PAQUIN, Jeanne

  • PAQUIN, Jeanne

    Jeanne Marie Charlotte Beckers

    Jeanne Paquin (1869 - 1956).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Roupas

    CRONOLOGIA

    • 1869 - Nasce em Saint-Denis, na França.
    • 1891 - Depois de trabalhar durante algum tempo como costureira na Maison Rouff, Paquin abre sua própria empresa, a Maison Paquin, situada na Rue de la Paix, próxima à House of Worth, em Paris.
    • 1896 - Abre uma filial da Maison Paquin em Londres.
    • 1900 - É chamada para chefiar a seção de moda da Exposition Universelle de Paris, onde apresenta vestidos de noite espetaculares, modelando alguns deles ela mesma.
    • 1910 - Paquin é premiada com a Order of Leopold II da Bélgica.
    • 1912 - São abertas filiais de sua empresa em Buenos Aires e Nova York.
    • 1913 - Produz desfiles de vestidos projetados especificamente para dançar tango nos populares Tango Teas, realizados nas tardes de segunda-feira no palácio de Londres. Nesse mesmo ano ela é condecorada com a Legion d’Honneur.
    • 1914 - Envia toda a sua coleção de primavera para uma turnê americana, que inclui Nova York, Filadélfia, Boston, Pittsburgh e Chicago. As roupas foram usadas pelas próprios modelos de Paquin, que surpreenderam o público ao usarem perucas cor de rosa e malva na rua. Em paralelo, é aberta uma filial de suas lojas em Madri.
    • 1917 - Paquin é eleita presidente da Chambre Syndicale de la Couture; a organização oficial dos costureiros parisienses.
    • 1920 - Aposenta-se, deixando a Maison Paquin sob a direção de seu irmão, Henri Joire.
    • 1936 - Morre, aos 67 anos, em Paris, na França.

    OBRAS

    Cachecol de pele de chinchilla, 1903.

    Ilustração de vestido da noite, 1913.

    Vestido, 1912.

    Vestido da noite, 1900-1905.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    RASHID, Karim

  • BUSSIÈRE, Ernest

  • BUSSIÈRE, Ernest

    Ernest Bussière

    Ernest Bussière (1863 - 1913)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Ceramista
    • Escultor(a)

    Pupilo de [Charles] Pêtre na École des Beaux-Arts, (...) [Ernest] Bussière era antes de tudo um escultor, participando de exposições nos salons de Paris já no ano de 1883. (...) [Como ceramista] sua obra é melhor representada pelas peças criadas para [a firma] Keller et Guérin, em grande parte encomendadas por [Louis] Majorelle e dotadas de contornos altamente imaginativos, de inspiração vegetal. Ocasionalmente seus designs incorporavam o nu feminino, tanto como adorno quanto independentemente, em silhuetas e bustos como o esplêndido Le Sommeil. [Suas criações de viés botânico] conquistaram tamanha popularidade que foram também editadas em vidro pelos irmãos Daum, continuando em produção até bem depois da morte do artista.

    ARTHUR, Paul [2015]
    French Art Nouveau Ceramics, an illustrated dictionary (excerto)
    Norma Éditions, 2015, p. 84

    CRONOLOGIA

    • 1863 - Nasce na comuna de Ars-sur-Moselle, em uma família humilde. Seu pai, Edmond Bussière, trabalhava como tourneur sur fer em uma pequena fábrica.
    • 1870 - Edmond Bussière morre, deixando a mulher e os filhos Ernest e Louis. Viúva, Anne Bussière muda-se com as crianças para a cidade de Nancy.
    • 1877 - Tendo recebido treinamento como escultor pela École municipale de dessin de Nancy, Ernest torna-se aluno, aos 14 anos, de Charles Pêtre, com quem aprende a técnica de modelagem.
    • 1881 - Aos 18 anos, muda-se sozinho para Paris e é admitido como aluno na École Nationale des Beaux-Arts, instituição da qual viria a tornar-se professor de escultura e modelagem. Enquanto estudante, ganha seu sustento trabalhando para o designer de mobiliário Louis Majorelle.
    • 1887 - Ganha certa notoriedade com os bustos e retratos que expõe nos Salons de Paris, especialmente nos anos de 1887, 1888 e 1889.
    • 1889 - Tendo retornado à região de Lorena, na França, participa do concurso para projetar o mausoléu de Monsigneur Trouillet, a ser alocado na igreja S.-Epvre, Nancy. Seu design é premiado com uma menção honrosa e Bussière volta a se estabelecer em Nancy. Como escultor, produz diversos monumentos em homenagem a personalidades locais, bem como uma série de esculturas fúnebres instaladas no cemitério de Préville.
    • 1895 - Torna-se um dos principais colaboradores da manufatura de cerâmicas Keller et Guérin, para quem cria designs de inspiração botânica. Fruto dessa colaboração, a obra Mélancolie d’Automne é exibida no mesmo ano no Salon de Nancy.
    • 1896 - Aos 33 anos, e tendo recebido o título de officier d'Académie, casa-se com Anne Collet, com quem viria a ter quatro filhos.
    • 1900 - Expõe suas obras na Exposition Universelle de Paris.
    • 1901 - Passa a integrar o corpo de diretores da École de Nancy.
    • 1903 - Participa da Exposição de Artes Decorativas da Escola de Nancy no Pavilhão de Marsan, Paris. Expõe sua aclamada escultura Le Sommeil.
    • 1913 - Morre em Nancy aos 50 anos, após um longo período debilitado.

    OBRAS

    Escultura Le Sommeil, 1903

    Vaso Bractée d'Ombelle, c. 1903
    © Musée de l'École de Nancy

    Vaso Alcachofra, c. 1900
    © Jason Jacques Gallery

    Vaso Mélancolie d'automne, 1896
    © Fotografia por Mila Khvalibova, 2013

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • DUC, Joseph-Louis

  • DUC, Joseph-Louis

    Joseph-Louis Duc

    Joseph-Louis Duc (1802 - 1879)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    A verdade é que esse grande mestre que acabamos de perder tinha um apreço e respeito profundos pela ordem. Para ele, a palavra “ordem” resumia todos os termos desta linguagem admirável da forma que é a arquitetura.
    “O que seria de nossos monumentos sem a ordem?” — dizia — “E não é dessa ordem — cujas proporções são estabelecidas pela medida do homem —, que herdamos a unidade e a escala dos edifícios?” “Suprimida a ordem, é imediato o estabelecimento de uma confusão. As proporções mais estranhas — às vezes encurtadas, às vezes esmagadas, às vezes com uma altura sem limites —, acabariam por formar um conjunto incoerente que poderia, até mesmo por um instante, ofuscar ou assombrar os olhos; mas jamais encantá-los”.

    Assim pensava o senhor Duc: sem a imposição de uma ordem não se poderia fazer mais do que construções. Nunca se chegaria à arquitetura. (...) O senhor Duc acrescentava que “A ficção deveria ser o elemento mais importante da arquitetura. É ela que traduz a sua essência. O templo grego não era uma lenda de pedra? Todas as partes que o compunham eram, de fato, objetos naturais metamorfoseados (não imitados) em pedra. Ao serem traduzidos (mais que imitados) poderiam se transformar ou em ficções ou em embustes. E desta operação misteriosa de criação, que se constrói entre a natureza e o coração do homem, que a arte nasceu. É deste amálgama da natureza com a matéria, obra quase divina, que se apoiam todos os dogmas da arquitetura. O resto não é mais do que terra; o resto, não passa de construções".

    SÉDILLE, Paul. [1879]
    Joseph-Louis Duc, architecte (1802-1879) : notice lue dans la séance d'ouverture du Congrès des architectes à l'Ecole des Beaux-Arts.
    16 de Junho de 1879.

    CRONOLOGIA

    • 1802 - Nasce dia 15 de Outubro em Paris, na França. Seu pai vinha de uma tradição renascentista de artesãos de épôes (espadas) e desde cedo estimularia o filho a copiar ou imitar modelos selecionados, como incentivo à formação artística do jovem Joseph-Louis Duc.
    • 1825 - Após ter estudado na Ecole des Beaux-Arts sob a tutela de Charles Percier, vence o grand Prix de Rome com seu projeto para a Prefeitura de Paris. Usa a bolsa de estudos do prix para estudar principalmente as obras romanas, como o Teatro Marcellus, em Roma, o de Taormina, na Sicília, e o Coliseu.
    • 1830 - Fim de sua estadia na Villa Médici, onde fizera amizade com Henri Labrouste, Léon Vaudoyer e Félix Duban. De volta à França, apresenta em 26 desenhos o projeto de restauração do Coliseu. Exibidos na Exposição Universal de Paris de 1855, rendem-lhe a admiração da nova geração de arquitetos.
    • 1834 - É escolhido para ocupar o cargo de inspetor nos trabalhos da Colonne de Juillet [Coluna de Julho], monumento em memória da revolução de julho de 1830. Jean-Antoine Alavoine é nomeado arquiteto responsável.
    • 1840 - No dia 28 de Julho inaugura-se a Colonne de Juillet, tendo Duc assumido o projeto após a morte de Alavoine. É recompensado, durante a cerimônia de inauguração, com a cruz de chevalier de la Légion d'Honneur. No mesmo ano, recebe a nomeação, junto com Etienne-Théodore Dommey, de arquiteto do Palais de Justice.
    • 1847 - Desenvolve o projeto para reconstrução do Palais de Justice, primeiro trabalho que lhe permite uma maior liberdade criativa.
    • 1862 - É nomeado officier de la Légion d'Honneur e substitui Louis Lenormand como arquiteto da Cour de Cassation (Tribunal de Cassação). No mesmo ano, constrói a capela principal da faculdade Louis-le-Grand, atual escola Michelet, em Vanves. Quatro anos mais tarde, em 1866, é eleito para a Académie des Beaux-Arts.
    • 1871 - Um grande incêndio atinge o Palácio de Justiça e o Tribunal de Cassação, destruindo parte do trabalho de Duc. O arquiteto dedica-se a reparar os danos, restaurando e aperfeiçoando as estruturas danificadas. No ano seguinte, é nomeado comandante da Légion d'Honneur.
    • 1875 - O conselho do Instituto Real de Arquitetos Britânicos condecora Louis-Joseph Duc com "[uma medalha de] distinção que a Rainha concede anualmente àquele que mais contribuiu, por meio das artes ou da literatura, para o avanço geral da arquitetura". Lord Bacon desmancha-se em elogios à obra do arquiteto.
    • 1877 - Começa a construir o castelo Boulard, em estilo neo-renascentista, em Biarritz.
    • 1879 - Morre no dia 22 de Janeiro, aos 76 anos, em Paris. Embora não tivesse tocado um ateliê ou tido alunos diretos, deixa uma série de discípulos e admiradores de seu trabalho.

    OBRAS

    Desenho do Palais de Justice, Paris.

    Capela do Lycée Michelet, Vanves.

    Coluna de Julho, Paris.
    © Foto por Jean-Louis Zimmermann, 2010

    Palais de Justice, Paris.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • RIQUER, Alexandre

  • RIQUER, Alexandre

    Alexandre de Riquer i Ynglada

    Alexandre de Riquer i Ynglada (1856 - 1920).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer Gráfico
    • Ilustrador(a)
    • Litogravurista
    • Pintor(a)
    • Poeta

    "Desde pelo menos 1894 Alexandre de Riquer introduziu e praticou [na Catalunha] uma variante do Art Nouveau inspirada diretamente por fontes Britânicas - sobretudo (...) por William Morris, Burne-Jones e pelo legado que estes deixaram nas artes gráficas e decorativas. (...) [No entanto, a arte de Riquer] sofreu modificações estilísticas a partir de 1894. Ele passou a adotar uma mescla de Gótico com Japonismo também características do Art Nouveau. Utilizava linhas circundando superfícies chapadas e sutis harmonizações de cores que emprestavam às suas composições uma sensação antirrealista consoante com as temáticas simbolistas de sua imaginação”.

    TRENC Ballester, Eliseu & YATES, Alan. [1988]
    Alexandre de Riquer: The British Connection in Catalan Modernisme.
    The Anglo Catalan Society.

    CRONOLOGIA

    • 1856 - Nasce na cidade de Calaf, província de La Segarra, Espanha, filho de família nobre, o sétimo Conde da Casa de Dávalos.
    • 1864 - Inicia seus estudos na Escola Jesuíta de Manresa.
    • 1869 - Com o exílio de seu pai – que apoiou a facção carlista derrotada na Revolução de 1868 -, seguiu para Béziers, na França, onde continuou seus estudos no Colégio Imaculada Conceição.
    • 1873 - Ingressa na Escola de Belas Artes de Toulouse, França, onde se inicia nas pinturas figurativas.
    • 1874 - Retorna a Barcelona onde ingressa na Escola de Belas Artes de Llotja.
    • 1879 - Viaja pela Europa – Itália, França e Inglaterra -, para consolidar seus conhecimentos artísticos. Entra em contato com o Arts & Crafts e com o Movimento Estético.
    • 1882 - Abre um atelier no sobrado da Patisserie Mallorquina, em Barcelona.
    • 1888 - Colabora com Lluís Domènech na Exposição de 1888 e com Antoni Gaudí no Palau Guëll.
    • 1889 - Visita a Feira de Paris e é influenciado pelas obras da Irmandade Pré-Rafaelita lá expostas e pelo movimento simbolista.
    • 1890 - Faz sua primeira exposição na Sala Parés, tendo os pássaros como objeto. A exposição é um tremendo sucesso.
    • 1896 - Cria aquele que é considerado o primeiro pôster do Art Nouveau Catalão para a Exposição de Artes e Indústria.
    • 1900 - Funda (e torna-se diretor artístico) do Jornal Joventut.
    • 1914 - Faz uma série de exposições com suas obras em diversas casas de prestígio.
    • 1919 - Encarregado pelo Círculo Eqüestre de Barcelona para ilustrar um livro em homenagem a um de seus presidentes, não consegue completar o trabalho.
    • 1920 - Morre aos 64 anos, em Palma de Mallorca, Espanha.

    OBRAS

    Ànecs, 1890

    Capa do livro "Maria" de Jorge Isaacs, 1882

    Poster para os fotógrafos Napoleão, 1895

    Poster para a Exposição de Belas Artes em Barcelona, 1896

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • MARI, Enzo

  • MARI, Enzo

    Enzo Mari

    Enzo Mari (1932 - 2020)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer
    • Designer de Móveis
    • Escritor
    • Ilustrador
    • professor
    • Teórica(o)

    Mari não é um designer. Caso fosse, seus objetos não me fariam muita falta. Mari é, mais que isso, a consciência de todos nós; a consciência dos designers. Isso é o que importa".

    Alessandro Mendini.

    CRONOLOGIA

    • 1932 - Nasce em Novara, Piemonte, Itália, no dia 27 de abril.
    • 1952 - Ingressa na Academia di Brera, formando-se em Artes e Letras, com especialização em Psicologia da Percepção Visual.
    • 1957 - Interessa-se pelo Desenho Industrial e torna-se um autodidata, comercializando seu primeiro projeto à fábrica de móveis milanesa Danese.
    • 1963 - Torna-se coordenador do Gruppo Nuova Tendenza, que reúne artistas que trabalham com Arte Cinética [Op Art].
    • 1963 - No mesmo ano inicia uma carreira docente, ministrando cursos na Società Umanitaria di Milano. Segue a carreira de professor, em diversas instituições de prestígio, até o ano 2000.
    • 1967 - É laureado com o Compasso d'Oro, prêmio conferido desde 1964 pela Associazione per il Disegno Industriale, (ADI), por suas contribuição teórica às pesquisas em design.
    • 1967 - Ainda em 1967 inicia uma colaboração duradoura com a Ceramiche Gabbianelli. Sua Serie Elementare entrou em produção no ano seguinte.
    • 1970 - Publica, pelas Edizioni di Comunità, de Milão, o livro Funzione della Ricerca Estetica.
    • 1972 - Participa da exposição do MOMA Italy: The New Domestic Landscape. Apresenta, aí, seu vaso Pago Pago (projetado em 1969) que pode ser usado em pé ou de cabeça pra baixo (tendo seu aspecto estético alterado em função dessa escolha). A ideia é demonstrar a necessidade da flexibilidade dos produtos de design.
    • 1976 - Nomeado presidente da Associazione per il Disegno Industriale (ADI), função que ocupará por quatro anos.
    • 2000 - Recebe, da Royal Society of Arts, inglesa, o prêmio Royal Designers for Industry.
    • 2001 - Publica, pela Editora Bollati Boringhieri, o livro Progetto e Passione.
    • 2002 - É homenageado com uma Laurea Honoris Causa em Desenho Industrial pela Facoltà di Architettura del Politecnico di Milano.
    • 2008 - Publica, pela Rizzoli, o livro Lezioni di Disegno. No mesmo ano, recebe seu quinto Compasso d'Oro.
    • 2020 - No dia 19 de outubro morre, aos 88 anos, em Milão, em virtude de complicações decorrentes da infecção com a COVID-19.

    OBRAS

    Vaso Pago Pago. (1969)

    16 Animali. (1957)
    Projeto para a fábrica de mobiliário Danese.

    La Mela e la Farfalla. (2004)
    Livro infantil.

    Serie Elementare. (1968)
    Ceremiche Gabbianelli.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Pós-Modernismo

    KOTERA, Jan

  • Modernismo Catalão

  • Modernismo Catalão

    Antoni Gaudí
    Casa Batlló.

    "Modernisme ou Modernismo é frequentemente um termo enganoso pois, apesar do nome, não se refere ao Movimento Moderno mas a um movimento mais assemelhado ao Art Nouveau originado na Espanha, mais especificamente na Catalunha, aproximadamente entre 1880 e 1910. [...] Ao mesmo tempo que abraçava o romantismo nacionalista do movimento de Artes e Ofícios, também vivenciava uma fé progressista na ciência e na tecnologia".

    Dictionary of Design since 1900. [1993]
    Thames & Hudson, London, 2004

    OBRAS

    Alexandre Riquer
    Ànecs.

    Gaspar Homar
    Sofá Vitrine.

    Lluis Domènech
    Institut Pere Mata.

    Josep Puig
    Casa de les Punxes.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BRACQUEMOND, Félix

  • BRACQUEMOND, Félix

    Félix Bracquemond

    Félix Bracquemond (1833 - 1914)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Entalhador(a)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1833 - Nasce em Paris, França.
    • 1848 - Começa seu aprendizado como litógrafo.
    • 1853 - Começa a se interessar por gravação e pela técnica da água-forte.
    • 1856 - Além de gravador projeta-se como pintor impressionista.
    • 1867 - Atrai a atenção dos críticos pela decoração de um aparelho de porcelana projetado por Eugène Rousseau para ser apresentado na Exposição Universal de Paris.
    • 1871 - Começa a trabalhar como diretor do ateliêr de Charles Haviland, em Auteuil, Paris, onde permanece até 1880.
    • 1874 - Participa da primeira exposição de pintores impressionistas.
    • 1875 - Produz o aparelho de jantar Service Parisien, para Charles Haviland.
    • 1879 - Participa da segunda exposição de pintores impressionistas.
    • 1880 - Participa da terceira exposição de pintores impressionistas.
    • 1885 - Publica o livro Du dessin et de la couleur.
    • 1890 - Ajuda a fundar a Société des Peintres-Graveurs Français.
    • 1900 - Obtém o grande prêmio, na categoria Gravura, na Exposição Universal de Paris.

    OBRAS

    Detalhe para batente de porta, 1852.

    Le bastion 84, 1870.

    Louça Rousseau, Creil Montereau, decorados por Félix Bracquemond, 1867.

    Les Hirondelles, 1882.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • IMAGE, Selwyn

  • IMAGE, Selwyn

    Selwyn Image (1849 - 1930)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer
    • Designer de Móveis
    • Designer deTexteis
    • Escritor
    • Ilustrador(a)
    • Poeta
    • Vitralista
  • LEMPICKA, Tamara de

  • LEMPICKA, Tamara de

    Tamara de Lempicka (1898-1980)

    8

    ATUAÇÕES

    OBRAS

    Girl With Gloves, 1929.

    Mon portrait (Self-Portrait in the Green Bugatti), 1929.

    Sleeping Woman, 1935.

    Le Modele, 1925.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    HEPWORTH, Barbara

    DISMORR, Jessica

  • KLINGER, Max

  • KLINGER, Max

    Max Klinger

    Max Klinger (1857 - 1920)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Escultor(a)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1857 - Nasce em Leipzig, na Alemanha.
    • 1874 - Começa seus estudos na Escola de Arte Grand Ducal Baden em Karlsruhe, onde dura um ano antes de ir para a Academia Real de Arte em Berlim, sob a tutela de Karl Gussow, completando sua formação com a avaliação "excepcional".
    • 1878 - Pela primeira vez apresenta seu trabalho ao público, na 52º Exposição da Academia em Berlim.
    • 1879 - Torna-se pupilo de Emile Charles Wauters, em Bruxelas.
    • 1880 - Pinta a série Eve and the Future (Opus III).
    • 1881 - Abre um estúdio em Berlim, onde tão logo se torna membro da Associação de Artistas de Berlim. Imprime seu mais famoso trabalho, Praphrase on The Finding of a Glove, uma série de dez gravuras baseadas em imagens que lhe vieram em sonhos após encontrar uma luva perdida num rinque de patinação.
    • 1883 - Recebe sua primeira grande encomenda: decorar o pátio da vila de Julius Albers. No mesmo ano, adquire um estúdio em Paris, onde se dedica a estudar o trabalho de Goya e Daumier.
    • 1893 - Retorna para Leipzig e torna-se bem sucedido, virando membro da Academia de Munique. É apontado como professor da Academia Real de Artes Gráficas de Leipzig e, alguns anos depois, se torna um membro da recém-criada Secessão Vienense.
    • 1902 - Expõe sua estátua Beethoven, que se torna parte interal da Exposição da Secessão Vienense daquele ano.
    • 1920 - Morre, aos 63 anos, em Naumburg, na Alemanha.

    OBRAS

    Badendes Mädchen, sich im Wasse spiegelnd, 1912

    Phantasien über einen gefundenen Handschuh, der Dame, die ihn verlor, gewidmet (4/10: Rettung), 1878

    Die Blaue Stunde, 1890.

    Phantasien über einen gefundenen Handschuh, der Dame, die ihn verlor, gewidmet. (10/10: Amor), 1878.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    FRETTE, Guido

  • LÖFFLER, Berthold

  • LÖFFLER, Berthold

    Bertold Löffler

    Berthold Löffler (1874 - 1960).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Ceramista
    • Designer
    • Designer Gráfico
    • Pintor(a)

    [Bertold] Löffler, embora fosse essencialmente um artista gráfico, era o parceiro de Michael Powolny na Wiener Keramik (...). Löffler e [Otto] Czeschka possuíam ambos, em igual medida, um forte senso para a expressão gráfica e talento para o decorativo — um interesse duplo pela delicadeza lúdica [da confecção de peças artesanais] e pelo refinamento expressivo da forma plana [no design gráfico]. Possivelmente [num gesto] da maior importância para o período que se seguiu à fase purista da Werkstätte, os dois reintroduziram a figura humana como um meio representacional e estético em si próprio — algo que viria a ser crucial para a nascente geração Expressionista.

    KALLIR, Jane. [1986]
    Viennese Design and the Wiener Werkstaette.
    Galerie St. Etienne/George Braziller, Inc. p. 129.

    CRONOLOGIA

    • 1874 - Nasce em Liberec.
    • 1890 - Inicia os estudos na Kunstgewerbeschule, onde estudou com Carl Czeschka, Adreas Groll e Koloman Moser.
    • 1900 - Adquire sua primeira experiência profissional fazendo Allegorien und Embleme, neue Folge, para Martin Gerlach.
    • 1904 - Começa a lecionar na Kunststuckereischule, em Viena.
    • 1906 - Funda a Wiener Keramik juntamente com Michael Powoly. Na fábrica eles optam por utilizar argila ao invés de porcelana.
    • 1907 - Substitui Czeschka na Kunstgewerbeschule, na aula de pintura e impressão, quando o mesmo vai para Hamburgo, lecionando para Oskar Kokoschka and Rudolf Kalvach. Löffler permanece no cargo até 1935.
    • 1912 - Elabora uma exposição para uma sala na exibição de primavera do Vienna's Museum for Art and Industry.
    • 1926 - Faz pinturas em alguns retábulos na Kirche Am Schüttel, em Viena.
    • 1935 - Se aposenta da profissão como professor.
    • 1960 - Morre em Viena.

    OBRAS

    pôster para a Kunstschau, 1908

    pôster Künstlerhaus Weihnacht Schau, 1930

    Untitled

    alegoria Sport und Wissenschaft, 1897

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    NOVEMBRE, Fabio

  • MÉLIÈS, Marie-Georges-Jean

  • MÉLIÈS, Marie-Georges-Jean

    Georges Méliès

    Georges Méliès (1861-1938).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Cenógrafa(o)
    • Cineasta
    • Figurinista
    • Ilusionista

    CRONOLOGIA

    • 1861 - Nasce em Paris, na França.
    • 1880 - Forma-se no Lycée Louis-le-Grand, em Paris.
    • 1884 - Méliès muda-se para Londres – a pedido do pai -, para estudar inglês, a fim de expandir o negócio de sapatos da família. Permanecendo lá por um ano, entra em contato com apresentações de ilusionismo.
    • 1888 - Com a aposentadoria do pai, Georges vende sua parte do negócio da família e compra o Théatre Robert-Houdin, onde trabalha em tempo integral como showman teatral, com performances de mágica e ilusionismo.
    • 1895 - Méliès assiste à exibição do Cinematógrafo dos Irmãos Lumière, fica interessado e faz uma proposta (que os irmãos rejeitam) para comprar o aparelho.
    • 1896 - Após estudar a câmera e o projetor de Robert Paul em Londres, Méliès monta a sua própria câmera. Nesse mesmo ano ele começa a fazer filmes, sendo o primeiro deles Une Partie de Cartes.
    • 1897 - Abre seu próprio estúdio, Star Film, em Montreuil. Feito em grande parte de vidro, com persianas difusas a fim de controlar a entrada de luz, o estúdio tinha as mesmas dimensões do Théatre Robert-Houdin, 6 metros x 17 metros, e continha tudo o que Méliès precisava para a execução dos truques de seus filmes.
    • 1898 - Méliès continua experimentando com efeitos e cortes em seus filmes, nesse ano ele produz o primeiro filme com dupla exposição, La caverne Maudite; o primeiro com split screen: Un Homme de têtes; e o primeiro filme com efeito de transição dissolve: Cendrillon.
    • 1902 - Realiza o filme Le Voyage dans la Lune, considerado um dos primeiros filmes de ficção científica da história do cinema, e um dos maiores e mais elaborados filmes produzidos por Méliès.
    • 1913 - Sua produção não consegue acompanhar as mudanças da indústria cinematográfica, tanto em ritmo de produção quanto em conteúdo, e Méliès acaba por abandonar o cinema e retorna à carreira de ilusionista.
    • 1915 - Méliès vende o Théatre Robert-Houdin, e transforma seu estúdio de Montreuil em teatro de variedades.
    • 1923 - Decreta falência e é obrigado a vender seu antigo estúdio e a se desfazer de seu acervo, cenários, figurinos e, inclusive, muitos dos negativos de seus filmes, que acabaram destruídos ou vendidos como material para fazer sola de sapatos. Nesse mesmo ano seu antigo teatro, Robert-Houdin é demolido como parte de um projeto de construção de estradas.
    • 1925 - Méliès casa-se com uma ex-atriz de seus filmes
    • 1929 - Diversos filmes de Méliès são redescobertos e restaurados, sendo exibidos numa retrospectiva organizada por Jean-Paul Mauclair.
    • 1938 - Morre aos 76 anos, em Paris, na França.

    OBRAS

    Frame do filme Une Partie de Cartes, 1896.

    Frame do filme Un homme de têtes, 1898.

    Méliès em seu estúdio, Star Film, c. 1900.

    Foto da produção do filme Le Voyage dans la Lune, 1902.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • MACKMURDO, Arthur

  • MACKMURDO, Arthur

    Arthur Heygate Mackmurdo

    Arthur Heygate Mackmurdo (1851 - 1942)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Móveis
    • Designer Gráfico
    • Designer Têxtil

    Mackmurdo, em geral, preocupava-se mais com uma reforma do design do que com a mudança do papel do designer (ou do artesão) na sociedade. (...) [Ele] identificava os conflitos na filosofia de Morris escrevendo, em suas anotações pessoais, que Morris era incapaz de conceber um plano para uma nova estrutura social, e que seu ‘socialismo não tem uma base filosófica’. Mackmurdo preferia ficar de fora da política, adotando, como muitos arquitetos, uma postura flexível com relação a seus interesses e comissões”.


    CUMMING, Elizabeth / KAPLAN, Wendy. [1991]
    The Arts and Crafts Movement.
    New York, Thames & Hudson, 2004

    CRONOLOGIA

    • 1851 - Nasce em Londres.
    • 1869 - Inicia-se como aprendiz primeiro do arquiteto Chatfield Brooks e, posteriormente, de James Brooks; expoentes do estilo Neogótico.
    • 1874 - Acompanha John Ruskin, que conhecera no ano anterior, a uma viagem à Italia.
    • 1875 - Estabelece um escritório em Londres, onde conhece William Morris e James Abbott McNeil Whistler.
    • 1882 - Funda, com Selwyn Image, Herbert P. Horne e Bernard Creswick, a Century Guild, influenciada por John Ruskin e William Morris.
    • 1884 - Funda o The Hobby Horse, que viria a se tornar um dos periódicos mais influentes da época.
    • 1889 - Constrói partes do Hotel Savoy, em Londres, em parceria com o arquiteto H.Horne.
    • 1904 - Aposenta-se e muda-se para Essex, onde concentra-se em escrever e em questões socioeconômicas pelos próximos quase 40 anos.
    • 1942 - Morre, em Essex, aos 91 anos.

    OBRAS

    Esboço de ilustração para um livro, 1897

    Prédio na rua Cadogan Gardens, c. 1899

    Escrivaninha, 1886

    Lareira em Bronze, 1880

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • Jugendstil

  • Jugendstil

    Jugendstil

    Otto Eckmann
    Capa da revista Jugend, 1896.

    Em termos dos seus impactos arte-históricos, o Jugendstil e a Secessão Vienense são frequentemente descritos como a expressão estilística e estética de uma emigração interna, um afastamento das esferas privadas dos indivíduos. Não obstante, inicialmente, a insatisfação com as circunstâncias contemporâneas foi o impulso dominante que levou a minoria dos artistas a difundir uma oposição romântica contra o tradicionalismo, o ecleticismo e o historicismo mirabolante. Tal descontentamento levou Georg Hirth, publicador da revista Jugend (Juventude), a reafirmar que o termo ”Jugendstil” não se referia ao nascimento de um estilo, mas na verdade um princípio de emancipação e do domínio exclusivo da inutilidade e do sentimento artístico.”

    BRANDSTÄTTER, Christian. [2006]
    VIENNA 1900: Art, Life & Culture. [p.33]

    CRONOLOGIA

    • 1892 - O movimento é inciado em Munique, na Alemanha, quebrando paradigmas históricos e estilísticos da Academia. E além disso, os participantes denomina a Associação como Secessão de Munique.
    • 1896 - É inaugurado o Jugend, jornal da Associação, tornando-se uma das revistas semanais mais influentes sobre o novo estilo. Sua influência foi muito importante, trazendo à tona os motivos florais, com arabescos, linhas e tipografias marcantes.

    OBRAS

    Hans Christiansen
    Andromedia, ilustração para Jugend, 1898.

    Otto Eckmann
    Maple wood and leather armchair, 1898.

    Julius Klinger
    Cravates Hermanns & Froitzheim, 1911.

    Richard Riemerschmid
    Ball Pitcher, 1902.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • GRIS, Juan

  • GRIS, Juan

    Juan Gris (1887-1927)

    8

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Portrair of Maurice Raynal, 1911.

    Guitar and Pipe, 1913.

    Bodegón, 1913.

    Arlequin assis à la guitare, 1919.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • GUTHRIE, James

  • GUTHRIE, James

    James Guthrie

    James Guthrie (1859 - 1930)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1859 - Nasce em Greenock, na Escócia.
    • 1877 - Abandona os estudos em Direito para entrar na Escola de Arte de Glasgow.
    • 1880 - Torna-se membro do prestigiado Clube de Arte de Glasgow.
    • 1883 - É considerado uma das figuras centrais do grupo de artistas que mais tarde seria conhecido como os Glasgow Boys. Pinta, neste ano, uma de suas mais famosas obras, intitulada A Hind's Daughter.
    • 1885 - Ao lado de Joseph Crawhall, George Henry, Edward Walton, William Macgregor e outros artistas dos Glasgow Boys, exibe seus trabalhos na primeira exposição do grupo. No mesmo ano, começa a trabalhar com retratos.
    • 1886 - Pinta o quadro In The Orchard, considerado uma das obras-primas chave da história da arte escocesa de sua época.
    • 1888 - Tem seu trabalho reconhecido e é eleito associado da Academia Real Escocesa.
    • 1892 - Torna-se membro oficial da Academia Real Escocesa.
    • 1898 - Toma parte do comitê que se torna a Sociedade Internacional de Escultores, Pintores e Entalhadores, cuja presidência foi assumida pelo artista James McNeill Whistler.
    • 1902 - Um dos mais proeminentes artistas escoceses de seu tempo, e um dos fundadores do grupo dos Glasgow Boys, toma o posto de presidente da Academia Real Escocesa, no lugar do pintor Sir George Reid.
    • 1919 - Recebe uma encomenda do Baronete Sir Abraham Bailey, da África do Sul, para pintar um retrato em grupo de 17 políticos britânicos. A pintura leva onze anos para ficar pronta.
    • 1930 - Morre aos 71 anos em Dunbartonshire, na Escócia.

    OBRAS

    A Hind's Daughter, 1884

    To New Pastures, 1883

    In the Orchard, 1886

    Statesmen of World War I, 1930

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Modernismo Escandinavo

  • GUIMARD, Hector

  • GUIMARD, Hector

    Hector Guimard

    Hector Guimard (1867 - 1942)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer
    • Designer de Móveis

    Como fica evidente no design das entradas para o Paris Métro, [Hector] Guimard era um prodígio no uso de ferro fundido. Não eram todos os seus contemporâneos que tinham algum apreço por essa tecnologia, frequentemente tida como vulgar e alheia à Arte. Entretanto, Guimard era um artista, um architecte d'art anarquista, como referia-se a si próprio, capaz de dar forma aos seus mais criativos e expressivos trabalhos utilizando precisamente esse material, do qual seu professor [Eugène] Viollet-le-Duc fizera uso extensivamente. (...)

    Ele concebeu seus designs originais para o Castel Béranger (...) em estilo Neo-Gótico. No entanto, viagens à Inglaterra e à Bélgica realizadas em 1894 fizeram com que ele, nos anos subsequentes, mudasse gradualmente a decoração e estrutura do Castel Béranger — tornando-o um exemplo clássico de curvilínea e serpenteante fantasia arquitetônica [em estilo Art-Nouveau]. (...) Com suas linhas orgânicas e deslizantes intercaladas com detalhes biomórficos, sua elegância superando até mesmo a das entradas do metrô de Paris, (...) Guimard adquiriu o status de um inventor de formas cuja profunda marca, mesmo no século XX, não escapou a figuras como Picasso e Dalí.

    WOLF, Norbert [2011]
    Art Nouveau
    Prestel Verlag, Munique, 2015. p. 149-150

    CRONOLOGIA

    • 1867 - Nasce em Lyon, França.
    • 1882 - Inicia seus estudos de Arquitetura na École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs, em Paris.
    • 1885 - Ingressa na École des Beaux-Arts.
    • 1888 - Desenha o interior do restaurante parisiense Au Grand Neptune.
    • 1891 - Torna-se professor na École des Arts Décoratifs, onde leciona até 1900. No mesmo ano desenha o Hôtel Roszé.
    • 1895 - Faz o Atelier Carpeaux; no mesmo ano projeta a École du Sacré-Coeur, sob influência dos trabalhos de Victor Horta e Viollet-le-Duc.
    • 1896 - Participa de competição para desenhar as entradas das estações do Métro de Paris. Perde, mas consegue o trabalho mesmo assim, devido à apreciação do presidente da companhia ferroviária pelo estilo Art Nouveau.
    • 1898 - Desenha o Castel Béranger, considerado seu primeiro prédio no estilo Art Nouveau; no mesmo ano projeta também a Maison Coilliot e a Villa La Bluette.
    • 1901 - Projeta o Castel Henriette e a Salle Humbert-de-Romans, que conta com inovações estruturais.
    • 1903 - Expõe o pavilhão Le Style Guimard na Exposition Internationale de L’Habitation no Grand Palais, em Paris.
    • 1909 - Casa-se com a artista americana Adeline Oppenheim; no mesmo ano desenha o Hôtel Guimard, cujo arranjo dos espaços interiores diferem de um andar para o outro.
    • 1922 - Funda, sob a presidência de Franz Jourdain, a Société des Architectes Modernes.
    • 1928 - Projeta um edício na rue Greuze em Paris, que acredita-se ser seu último trabalho como arquiteto.
    • 1938 - Muda-se para Nova York.
    • 1942 - Morre aos 75 anos em Nova York, EUA.

    OBRAS

    Hôtel Mezzara, Paris, 1911.

    Vaso, c. 1898.

    Porte Dauphine, 1901, Paris.

    'Banquette de fumoir', 1897.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    BEDIN, Martine

    SCHMIDT, Joost

    ZUMTHOR, Peter

    WARHOL, Andy

  • Escola de Nancy

  • Escola de Nancy

    Escola de Nancy

    Victor Prouvé
    Portrait de Monsieur et Madame Corbin, 1906

    ATUAÇÕES

    • França

    Revendiquant sa filiation avec l'exposition de 1984, l'École de Nancy, Alliance provinciale des industries d'art, fut fondée le 13 février 1901. L'apellation officielle de cette association souligne la place prépondérante qu'elle accordait à l'industrie. "Sorte de syndicat des industriels d'art et des artistes décorateus", l'École de Nancy était dominée par un groupe d'artistes travailant dans le même sens et partageand un certain nombre d'idéaux, esthétiques notamment. Dans les statuts, les qualificatifs qui accompagnent les noms de chacun des membres du comité directeur sont particulièrement significatifs de l'ambition de l'association: son président, Émile Gallé, est présenté en tant que "céramiste, fabricant de meubles et maître de verreries". Antonin Daum est également "maître de verreries" alors que Louis Majorelle est "fabricant de menuiseries d'art". C'est donc bien en tant que "producteurs" d'objets que ces personnalités souhaitent d'abord se présenter et non en tant qu'artistes. Si Émile Gallé fut désigné président, c'est non seulement parce qu'il jouissant d'une réputation qui dépassait déjà largement les frontières lorraines, mais également parce qu'il était l'archétype de cet artiste industriel que l'association entendait promouvoir. Gallé était alors à la tête d'ateliers où environ deys cents personnes produisaient céramique, verrerie et mobilier à l'aide d'outils modernes qui permettaient d'en améliorer le rendement. Gallé était en outre celui qui avait peut-être le mieux compris l'avantage que pourraient tirer les industriels et artistes lorrains à s'unir face à la concurrence internationale: "Après l'Exposition de 1900, l'évidence apparaît du danger qu'il y aurait pour nos ateliers lorrains à rester sans liens, en présence, du relèvement universel des industries d'rt dans le monde [...]"

    DOUCET, Hervé [2018]
    L'École de Nancy. Alliance Provinciale des Industries d'Art
    In: L'École de Nancy. Art Nouveau et Industrie d'Art
    Musée de L'École de Nancy/Somogy Éditions d'Art, Paris, 2018. p. 13-14

    OBRAS

    Louis Majorelle
    Fauteuil, c. 1898
    © RMN-Grand Palais (musée d'Orsay) / René-Gabriel Ojéda

    Émille Gallé
    Lâmpada de mesa Glicínia, c. 1920
    © Christie's / SOLICITAR PERMISSÃO

    Antonin e Auguste Daum
    Vaso Feuilles d'Automne, 1919

    Jacques Grüber
    Cúpula em vitrais do Gran Hotel Ciudad de Mexico
    © Fotografia de Alberto Quiñones (detalhe), 2016

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BRADLEY, Will H.

  • BRADLEY, Will H.

    William Henry Bradley

    Will H. Bradley (1868 1962)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Autor(a)
    • Cineasta
    • Empresária(o)
    • Ilustrador(a)
    • Tipógrafa(o)

    Will Bradley, (...) o mais proeminente designer gráfico Americano dos anos 1890, produziu obras em uma variedade de estilos Art Nouveau derivadas de trabalhos europeus. É importante reconhecer que, a esta altura da história do pôster, havia uma distinção amplamente reconhecida entre as milhares de cromolitografias projetadas canhestramente a cada ano e aqueles que eram os então chamados ‘pôsters artísticos’, tais como os que Bradley produzia. Esses pôsters, com seus celebrados pedigrees artísticos, foram empregados inicialmente apenas para publicizar jornais literários de vanguarda, performances teatrais e atividades afins. Apenas por meio de um processo gradual - que se arrastou até o século vinte – que tais projetos gráficos se tornaram a norma (antes que a exceção) no mundo da publicidade”.

    ESKILSON, Stephen J. [2007]
    Graphic Design: A New History.
    London, Laurence King, p. 54.

    CRONOLOGIA

    • 1868 - Nasce no dia 10 de julho na cidade de Boston, Massachusetts, Estados Unidos, filho de Aaron Bradley e Sarah Rowland.
    • 1882 - Morando há dois anos na cidade de Ishpeming para onde se mudara com a mãe após a morte de seu pai, em 1880, Bradley começa a trabalhar como aprendiz de tipógrafo no jornal Iron Agitator.
    • 1885 - Aceita trabalhos não-remunerados em Chicago nas firmas J. Mang & Co. e Rand McNally; ambos como aprendiz de entalhador.
    • 1887 - Associa-se à gráfica Knight and Leonard da qual se afastará dois anos depois para tornar-se designer independente.
    • 1891 - Executa seu primeiro projeto de design para a revista Inland Printer.
    • 1893 - Começa a trabalhar para a revista Vogue.
    • 1895 - Funda a Wayside Press em Sprignfield, Massachusetts, onde trabalha como ilustrador, editor, tipógrafo, designer e gerente de uma revista chamada de Bradley: His Book.
    • 1897 - Com o sucesso de suas atividades – e com o excesso de trabalho -, tem uma crise de estafa. Recupera-se sem sequelas. Vende, no ano seguinte, a Wayside Press para a The University Press de Cambridge, Massachussetts.
    • 1903 - Contratado como Diretor de Arte da American Type Founders. Adiante torna-se editor da Collier’s Weekly.
    • 1904 - Publica o artigo The Use of Printing Labels in Bookbinding na revista Printing Art. Em anos posteriores publica artigos em periódicos importantes.
    • 1910 - Funda o estúdio independente Will Bradley Studios.
    • 1915 - Torna-se Diretor de Arte da Hearst Publications and Motion Pictures.
    • 1918 - Funda a Dramafilms (Will Bradley Productions) na qual escreve, produz e dirige seus próprios filmes (de cinema mudo).
    • 1854 - Publicadas suas memórias com o título Will Bradley: His Chap Book pela The Typophiles. A edição original conta com apenas 650 cópias. No mesmo ano é agraciado com a medalha da American Institute of Graphic Arts (AIGA) – maior homenagem concedida a um designer gráfico.
    • 1962 - Morre no dia 25 de janeiro em La Mesa, Califórnia, com a idade de 93 anos.

    OBRAS

    The Chapbook: Thanksgiving Number. 1895.

    The Modern Poster. 1895

    Poster Ault & Wiborg. 1895

    Poster Ault & Wiborg. 1900

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.