• KING, Jessie M.

  • KING, Jessie M.

    Jessie Marion King

    Jessie Marion King (1875 - 1949)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Jóias
    • Ilustrador(a)
    • Muralista

    CRONOLOGIA

    • 1875 - Nasce em Bearsden, na Escócia.
    • 1891 - Após uma infância conturbada e pais rigorosos que desencorajaram seu interesse artístico, Jessie começa seu treinamento como professora de Arte na Universidade Queen Margaret, em Glasgow.
    • 1892 - Entra para a Escola de Arte, em Glasgow, onde recebe inúmeros prêmios enquanto aluna.
    • 1898 - Conquista uma medalha de prata por suas ilustrações para o livro A Luz da Ásia, na Competição Nacional em South Kensington.
    • 1899 - Forma-se na Escola de Arte de Glasgow e passa a lecionar Decoração de Livros e Design. É também contratada por uma loja de departamentos na Alemanha, que se interessa por seu trabalho, e lhe pede uma gama de itens "feitos ao novo estilo escocês".
    • 1902 - Viaja pela Alemanha e Itália, e é fortemente inspirada pelos trabalhos de Botticelli. No mesmo ano, recebe medalha de ouro por sua capa para o livro L'Evangile de L'Enfance, na Exposição Internacional de Arte Decorativa Moderna, em Turin, o que a consolida como proeminente ilustradora de livros do movimento de Glasgow.
    • 1903 - Torna-se membro do comitê da Sociedade de Artistas de Glasgow.
    • 1905 - Entra para a Sociedade de Mulheres Artistas de Glasgow. Sua contribuição para o movimento escocês começa a despontar com exposições de sua arte em Londres e, dois anos mais tarde, em Glasgow.
    • 1911 - Abre, juntamente com seu marido, o pintor e designer Ernest Archibald Taylor, o Atelier e Escola de Arte em Sheiling em Paris. Seus trabalhos durante sua estadia na França são considerados de grande influência para a criação do movimento Art Déco.
    • 1920 - Transfere seu Atelier e Escola de Arte para Kirkcudbright, de volta na Escócia, onde estabelece um importante centro para mulheres artistas chamado Green Gate Close, no qual manteve um estúdio próprio para trabalhar com cerâmica.
    • 1924 - Inspirada pelo estilo de arte javanês conhecido como batik, escreve e ilustra o livro Como Cinderela Conseguiu Ir Ao Baile.
    • 1949 - Morre aos 74 anos em Kirkcudbright, na Escócia.

    OBRAS

    Ilustração para o especial de Natal da revista The Studio, 1913

    Colar de Ouro e Pérola, para a loja Liberty.

    A Spray of Wild Hemlock, ilustração para o livro de contos A House of Pomegranates de Oscar Wilde, 1891

    A Little Dream for Thee, ilustração para a revista The Studio, 1913

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Hochschule für Gestaltung Ulm

  • CLARKE, Harry

  • CLARKE, Harry

    Harry Clarke

    Harry Clarke (1889 - 1931)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Ilustrador(a)
    • Vitralista

    Seria tentador descrever o estudo definitivo de Nicola Gordon Bowe sobre a obra de Harry Clarke como a revelação de um ‘Artista Ignorado’. A história dessa captura de uma besta mitológica do mundo das artes pela erudição de uma devotada donzela de cabelos negros estaria bem adequada ao próprio estilo - febril e fantástico -, das ilustrações de Clarke.
    Mas, na verdade, talento raramente é ‘ignorado’. Clarke foi reconhecido por seus compatriotas contemporâneos como mestre na elaboração de vitrais e notável ilustrador Simbolista. Seu trabalho, no entanto, tem sido negligenciado pelos historiadores, dado que a maior parte da atenção ao renascimento cultural da Irlanda no século XX foi concentrado nos expoentes da literatura.
    A própria natureza dos vitrais e a dificuldade de sua reprodução fotográfica limitou a somente aqueles que visitaram os sítios arquitetônicos onde existem obras de Clarke a admiração de seus melhores trabalhos. Apenas em seu livro de ilustrações Clarke foi capaz de atingir um público mais amplo; em particular nas duas novas edições da obra de Edgar Allan Poe, que se tornaram best-sellers internacionais”.

    HUNTER-SIEBEL, Penelope. [1989].
    Foreword to Original Edition. in: BOWE, Nicola Gordon: Harry Clarke: The Life & Work.

    CRONOLOGIA

    • 1889 - Nasce em Dublin, Irlanda. Filho de um decorador de igrejas, Harry cresceu em torno de muitas escolas de arte.
    • 1905 - Deixa a universidade de Belvedere após a morte de sua mãe poucos anos antes, e começa a trabalhar como aprendiz no estúdio de seu pai durante o dia e frequentar aulas na Escola de Arte de Dublin à noite.
    • 1910 - Seu vitral “The Consecration of St Mel, Bishop of Longford, by St Patrick” ganha a medalha de ouro na Competição Nacional da Banca de Educação em Londres. A primeira de três medalhas de ouro consecutivas por seus vitrais na Competição Nacional.
    • 1914 - Casa-se com a artista Margaret Crilley e, juntos, se mudam para Londres, onde Harry começa a trabalhar com encomendas de ilustração de livros.
    • 1916 - É impresso seu primeiro projeto completo de ilustração, contendo 16 placas coloridas e mais 24 em meio-tom para o livro “Fairy Tales by Hans Christian Andersen”.
    • 1918 - Entrega nove vitrais encomendados para a Capela de Honan. Seu trabalho magnífico e bem detalhado cimenta sua reputação como um artesão habilidoso e original.
    • 1921 - Morre seu pai, Joshua Clarke, e Harry se muda para seu estúdio na North Frederick Street. Enquanto seu irmão cuida das encomendas de decoração, Harry continua a realizar suas encomendas em vidro, logo tendo seu nome associado a alta qualidade em vitrais.
    • 1923 - É instalado o vitral The Ascension em Brisbane, recebido com grande aclamação.
    • 1927 - Clarke entrega ao Ministro irlandês sua proposta para uma encomenda de vitral contendo oito cenas distintas de obras de escritores irlandeses para a Organização Internacional do Trabalho em Genebra. Sua ideia é rejeitada após serem consideradas impróprias algumas das cenas contendo dançarinas semi-nus.
    • 1931 - Morre em Coire, Suíça, aos 41 anos de idade.

    OBRAS

    Vitral “The Madonna with Sts Aidan and Adrian”, 1919

    Ilustração para “Tales of Mystery and Imagination”, de Edgar Allan Poe, 1908

    Vitral da igreja St. Michael's, Galway, Irlanda, 1925

    Ilustração para "The Pit and the Pendulum", de Edgar Allan Poe, 1919

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • VIOLLET-LE-DUC, Eugène

  • VIOLLET-LE-DUC, Eugène

    Eugène Emmanuel Viollet-le-Duc

    Eugène Viollet-le-Duc (1814 - 1879).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Professor(a)
    • Teórica(o)

    Achille Carlier, arquiteto laureado com o grande prêmio de Roma e que se dedicou (...) à denúncia do vandalismo restaurador atribui [a Viollet-le-Duc] o epíteto de criminoso: “Viollet fez desaparecer a alma do passado: (...) o mais hediondo dos crimes históricos. (...) Viollet-le-Duc é um dos maiores criminosos da história: personagem nocivo tanto pela importância das obras que pessoalmente arruinou em caráter definitivo como também pela influência que exerceu sobre sua época, e que permitiu que um enxame de discípulos, seguindo seus passos, arruinassem outras obras não menos importantes”.

    FOUCART, Bruno. “Viollet-le-Duc et la restauration”. in: NORA, Pierre. [1997]
    Les Lieux de Mémoire.
    Paris, Gallimard.

    CRONOLOGIA

    • 1814 - Nasce em Paris, França.
    • 1834 - Recusa-se a entrar na École des Beaux-Arts por discordar do sistema de ensino. Opta por uma formação prática estagiando com os arquitetos Jacques-Marie Huvé e Achille-François-René Leclère.
    • 1836 - Viaja pela Itália e pela França para estudar a Arte Grega e Romana e os principais monumentos destes países.
    • 1840 - Nomeado Inspetor das Obras de Restauração da Sainte-Chapelle, sob a supervisão do arquiteto Félix Duban. Também é encarregado da restauração da Igreja de Vézelay.
    • 1846 - Nomeado Diretor do Bureau des Monuments Historiques.
    • 1848 - Torna-se membro da Comission des Arts et Édifices Religieux.
    • 1849 - Torna-se membro da Comission Supérieure de Perfectionnement des Manufactures Nationales de Sèvres, Gobelins et Beauvais.
    • 1853 - Nomeado Inspecteur Général des Édifices Diocésains.
    • 1854 - Começa a publicar o Dictionnaire Raisonné de l'Architecture Française du XIe au XVe siècle, concluindo a obra quatro anos depois.
    • 1857 - Torna-se arquiteto dos Edifícios Diocesanos. Começa, com o arquiteto Jean-Baptiste Lassus a restauração da Catedral de Notre Dame de Paris.
    • 1858 - Publica o primeiro volume dos Entretiens sur l'Architecture, obra em que sumaria suas idéias sobre o método de ensino da Arquitetura.
    • 1863 - Torna-se professor de História da Arte e da Estética da recém-reorganizada École des Beaux-Arts, demitindo-se no ano seguinte por rejeição dos alunos.
    • 1870 - Durante a Guerra Franco-Prussiana é convocado a utilizar seus conhecimentos de fortificações na defesa da França.
    • 1874 - Declara-se livre pensador provocando uma reação do clero, fato que lhe obriga a demitir-se dos cargos que têm relação com a Igreja.
    • 1879 - Morre em Lausanne, Suiça, aos 65 anos de idade.

    OBRAS

    Catedral - Século XIII.

    Gárgula; Notre-Dame, Paris.

    Peregrino Compostela, entrada da capela.

    Dictionnaire Raisonné de L'Architecture.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • Paling Stijl

  • Paling Stijl

    Estilo Enguia

    Baigneuse I (1899).

    Em cada país o Art Nouveau recebeu umnome ou versão diferente: na Alemanha foi chamado Jugendstil (“estilo da juventude”); na Catalunha, Modernisme; na Áustria, Sezessionstil (referência à Secessão Vienense); na Bélgica, Paling Stijl (“estilo enguia”) e Style des Vingt (de Os Vinte); em Portugal, Arte Nova; na Rússia, Stil’ Modern; e na Itália, Stile Nouille (“estilo macarrão”), Stile Liberty (alusão à loja de departamentos Liberty, de Londres, que vendia tecidos estampados neste estilo) e Stile Floreale (ou estilo dos lírios ou estilo das ondas). O design e a arquitetura Art Nouveau caracterizavam-se por enfatizar a linha ondulante, figurativa, abstrata ou geométrica, tratada com ousadia e simplicidade [...]."

    DEMPSEY [2003] & HEYL [2009]
    Revista Imagem, artigo 72.

    CRONOLOGIA

    • 1890 - Surge em Bruxelas, e vai se espalhando pelo mundo.

    OBRAS

    Hotel Tassel (interior) - Victor Horta.

    Bureau Bonheur du jour - Gustave Serrurie-Bovy (1898).

    Rajah - Henri Privat-Livemont (1899).

    Fachada da casa Ciamberlani - Paul Hankar (1897).

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    FRANKL, Paul

  • VALLIN, Eugène

  • VALLIN, Eugène

    Eugène Vallin

    Eugène Vallin (1856 - 1922).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Móveis

    Les nombreaux dessins de Vallin, projets d'ensemble mobilier, expriment, eux assi, ce concept de modernité dans le rapport forme/fonction. La mise en scène évidente du projet, moins souvent opérationelle dans la réalisation, participe au cadre de vie renouvelé. Portant souvent sur des ensembles de salle à manger, la pièce bourgeoise par définition, ces dessins offrent un décor complet, incluant boiseries, tentures, meubles et bibelots, du sol au plafond pourrait-on dire, puisqu'ils comportent des essins de carrelage et de plafond. Pour la salle à manger, commandée en 1903 par Alber Bergeret pour sa maison de la rue Lionnois, Vallin fournit un projet aquarellé d'un décor unifié, comportant plafond avec éclairage intégré, lambris, meubles et cheminée, appliques et un vitrail inséré autour d'une porte. Le dessin présenté au client n'a donc pas qu'un rôle de sécution, il incarne l'idée que se fait Vallin d'un aménagement intérieur abandonnat toute hiérarchie entre les différentes pratiques artistiques.

    BOUVIER, Roselyne [2018]
    La rénovation du cadre de vie
    In: L'École de Nancy: Art Nouveau et Industrie d'Art
    Somogy Éditions d'Art / Musée de L'École de Nancy, 2018, p. 142

    CRONOLOGIA

    • 1856 - Nasce em Herbéviller, na França.
    • 1881 - Após estudar na École des Beaux-Arts de Nancy, Vallin começa a trabalhar como aprendiz na oficina de carpintaria de seu tio.
    • 1895 - Projeta e constrói sua nova casa (e seu atelier)
    • 1896 - Projeta as portas para a oficina de Emile Gallé, atualmente guardadas no Museu da Escola de Nancy.
    • 1901 - Torna-se um dos vice-presidentes do conselho de administração da École de Nancy.
    • 1902 - É construída a Maison du Peuple, em Nancy, projeto do arquiteto Paul Charbonnier com colaboração de Eugène Vallin.
    • 1903 - Colabora com o projeto do Hôtel de ville d'Euville, dos arquitetos Henry Gutton e Joseph Hornecker.
    • 1907 - É construída a Pharmacie Malard, atual Pharmacie de l'Art Nouveau, em Commercy. Por volta dessa época, recebe a encomenda de um quarto de dormir para a família Corbin. A recusa de Vallin em industrializar sua produção — indo de encontro ao posicionamento de outros artistas da École da Nancy — faz com que sua atividade gire em torno do mobiliário sob encomenda. Entre seus clientes figuram os maiores patronos em Nancy à época, como os Corbin e os Masson.
    • 1909 - Projeta, com colaboração de Victor Prouvé, o pavilhão que abriga a Exposition Internationale de l'Est de la France, em Nancy.
    • 1922 - Morre em Nancy, na França.

    OBRAS

    Confessionário da Igreja Notre Dame de Bonsecours (detalhe), 1884

    Sala de jantar Masson, 1938

    Bureau aux ombelles, 1902
    © Musée de l'École de Nancy / Claude Philippot

    Porta para Émile Gallé com a inscrição Ma racine est au fond des bois, 1896

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • STEINLEN, Théophile Alexandre

  • STEINLEN, Théophile Alexandre

    Théophile Alexandre Steinlen

    Théophile Alexandre Steinlen (1859 - 1923)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Cartazista
    • Designer Gráfico
    • Litogravurista
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1859 - Nasce em Lausana, Suíça.
    • 1897 - Torna-se o principal ilustrador de La Feuille, de Zo Axa.
    • 1901 - Faz a capa da primeira edição do jornal humorista L'Assiette au Beurre.
    • 1904 - Entra para a Sociedade de Desenhistas e Humoristas.
    • 1911 - Funda Les Humoristes com Jean-Louis Forain e Charles Leander.
    • 1923 - Morre em Paris, França.

    OBRAS

    Le Coupable de François Coppée, 1896.

    Cartaz Tournée du Chat Noir, 1896.

    Save Serbia, 1916.

    Les femmes d'amis, ilustração para Georges Courteline, 1888.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    MICHELAZZI, Giovanni

    DE FABRIS, Emilio

    SCHUST-KNOLL, Florence

    BELTRI, Victor

    BEDIN, Martine

  • ELMSLIE, George Grant

  • Escola Suíça

    RASHID, Karim

  • Studio 65

  • https://presse.chateauversailles.fr/scientific-life/publications-scientific-life/le-grand-trianon-de-louis-xiv-a-de-gaulle_8529_8529/

    LEMARCHAND, Louis-Édouard

  • LEMARCHAND, Louis-Édouard

    Louis-Édouard Lemarchand

    Selo da Maison Lemarchand Lemoine em móvel

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer de Móveis
    • Ebanista
    • Marceneira(o)

    A dinastia Lemarchand é uma das que mais se destacam em toda a história do mobiliário francês. Sua fama deve-se à obra de dois homens; o pai Charles-Joseph, e seu filho Louis-Édouard. Foram prósperos por mais de 60 anos, (...) mas sua apoteose foi a escolha de Louis-Édouard para projetar a tumba de Napoleão, a ser alocada no Les Invalides. [...]

    A marca Lemarchand foi usada tanto pelo pai quanto pelo filho, e era tida como um sinal de qualidade e elegância. Embora não fossem conhecidos pela inovação, eram famosos pelo uso de madeiras exóticas e pelo domínio do estilo contemporâneo. Sua reputação se deve principalmente à qualidade das esculturas, seu design atraente e a confecção sem igual de armários.

    Dreweatts & Bloomsbury: Mallett at Home Auction.
    Catálogo da casa de leilões Mallett.
    Julho de 2015.

    CRONOLOGIA

    • 1795 - Nasce em Paris, filho do conhecido marceneiro Charles-Joseph Lemarchand.
    • 1810 - Começa a estudar Arquitetura, aos 15 anos.
    • 1813 - Grande admirador de Napoleão Bonaparte, abandona os estudos e entra na Academia Militar de Saint Cyr.
    • 1815 - Combate na batalha de Ligny. Com a derrota de Napoleão em Waterloo, no entanto, regressa a Paris, onde começa a trabalhar na oficina do pai.
    • 1817 - Passa a gerenciar os negócios do pai, que se retira. A firma prospera. Recebe grandes encomendas do rei Charles X e do Duque de Orléans, ajudando a mobiliar pelo menos cinco palácios importantes.
    • 1830 - É nomeado marceneiro oficial do Duque de Orléans e, em seguida, de Louis Philippe I. Seu atelier confecciona trabalhos no estilo Império (seu preferido), Restauração e Barroco.
    • 1840 - Confecciona o caixão de ébano onde seriam depositadas as cinzas de Napoleão, no Invalides.
    • 1844 - Apresenta-se na Exposição da Indústria de Paris.
    • 1846 - Associa-se ao marceneiro André-Gabriel Lemoine. A firma passa a chamar-se Lemarchand & Lemoine.
    • 1852 - Embora gozando de boa saúde, passa seus negócios a Lemoine (que continuará com a firma até 1893).
    • 1872 - Morre aos 77 anos, em Paris.

    OBRAS

    Cadeira estilo Louis-Philippe, 1830-1848

    Mesa estilo Império, 1804-1815

    Mesa em estilo Louis-Philippe

    Cadeira de piano, 1837

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    CHIRICO, Giorgio de

  • UFO

  • UFO

    Revista Casabella. Febraio, 1974, nº 386.
    Do grupo UFO, da esquerda para a direita: Ricardo Foresi, Titti Maschietto e Lapo Binazzi. Participa, na estrema direita, o poeta e cantor italiano Antonio Infantini.

    112936

    ATUAÇÕES

    • Itália

    OBRAS

    Urboeffimiro Nº 6. (1968)

    Luminária Dollaro. (1968)
    Lapo Binazzi

    Luminária MGM. (1970)

    Cúpola inflável do Duomo, Firenze. (1968)

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • DUC, Joseph-Louis

  • DUC, Joseph-Louis

    Joseph-Louis Duc

    Joseph-Louis Duc (1802 - 1879)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    A verdade é que esse grande mestre que acabamos de perder tinha um apreço e respeito profundos pela ordem. Para ele, a palavra “ordem” resumia todos os termos desta linguagem admirável da forma que é a arquitetura.
    “O que seria de nossos monumentos sem a ordem?” — dizia — “E não é dessa ordem — cujas proporções são estabelecidas pela medida do homem —, que herdamos a unidade e a escala dos edifícios?” “Suprimida a ordem, é imediato o estabelecimento de uma confusão. As proporções mais estranhas — às vezes encurtadas, às vezes esmagadas, às vezes com uma altura sem limites —, acabariam por formar um conjunto incoerente que poderia, até mesmo por um instante, ofuscar ou assombrar os olhos; mas jamais encantá-los”.

    Assim pensava o senhor Duc: sem a imposição de uma ordem não se poderia fazer mais do que construções. Nunca se chegaria à arquitetura. (...) O senhor Duc acrescentava que “A ficção deveria ser o elemento mais importante da arquitetura. É ela que traduz a sua essência. O templo grego não era uma lenda de pedra? Todas as partes que o compunham eram, de fato, objetos naturais metamorfoseados (não imitados) em pedra. Ao serem traduzidos (mais que imitados) poderiam se transformar ou em ficções ou em embustes. E desta operação misteriosa de criação, que se constrói entre a natureza e o coração do homem, que a arte nasceu. É deste amálgama da natureza com a matéria, obra quase divina, que se apoiam todos os dogmas da arquitetura. O resto não é mais do que terra; o resto, não passa de construções".

    SÉDILLE, Paul. [1879]
    Joseph-Louis Duc, architecte (1802-1879) : notice lue dans la séance d'ouverture du Congrès des architectes à l'Ecole des Beaux-Arts.
    16 de Junho de 1879.

    CRONOLOGIA

    • 1802 - Nasce dia 15 de Outubro em Paris, na França. Seu pai vinha de uma tradição renascentista de artesãos de épôes (espadas) e desde cedo estimularia o filho a copiar ou imitar modelos selecionados, como incentivo à formação artística do jovem Joseph-Louis Duc.
    • 1825 - Após ter estudado na Ecole des Beaux-Arts sob a tutela de Charles Percier, vence o grand Prix de Rome com seu projeto para a Prefeitura de Paris. Usa a bolsa de estudos do prix para estudar principalmente as obras romanas, como o Teatro Marcellus, em Roma, o de Taormina, na Sicília, e o Coliseu.
    • 1830 - Fim de sua estadia na Villa Médici, onde fizera amizade com Henri Labrouste, Léon Vaudoyer e Félix Duban. De volta à França, apresenta em 26 desenhos o projeto de restauração do Coliseu. Exibidos na Exposição Universal de Paris de 1855, rendem-lhe a admiração da nova geração de arquitetos.
    • 1834 - É escolhido para ocupar o cargo de inspetor nos trabalhos da Colonne de Juillet [Coluna de Julho], monumento em memória da revolução de julho de 1830. Jean-Antoine Alavoine é nomeado arquiteto responsável.
    • 1840 - No dia 28 de Julho inaugura-se a Colonne de Juillet, tendo Duc assumido o projeto após a morte de Alavoine. É recompensado, durante a cerimônia de inauguração, com a cruz de chevalier de la Légion d'Honneur. No mesmo ano, recebe a nomeação, junto com Etienne-Théodore Dommey, de arquiteto do Palais de Justice.
    • 1847 - Desenvolve o projeto para reconstrução do Palais de Justice, primeiro trabalho que lhe permite uma maior liberdade criativa.
    • 1862 - É nomeado officier de la Légion d'Honneur e substitui Louis Lenormand como arquiteto da Cour de Cassation (Tribunal de Cassação). No mesmo ano, constrói a capela principal da faculdade Louis-le-Grand, atual escola Michelet, em Vanves. Quatro anos mais tarde, em 1866, é eleito para a Académie des Beaux-Arts.
    • 1871 - Um grande incêndio atinge o Palácio de Justiça e o Tribunal de Cassação, destruindo parte do trabalho de Duc. O arquiteto dedica-se a reparar os danos, restaurando e aperfeiçoando as estruturas danificadas. No ano seguinte, é nomeado comandante da Légion d'Honneur.
    • 1875 - O conselho do Instituto Real de Arquitetos Britânicos condecora Louis-Joseph Duc com "[uma medalha de] distinção que a Rainha concede anualmente àquele que mais contribuiu, por meio das artes ou da literatura, para o avanço geral da arquitetura". Lord Bacon desmancha-se em elogios à obra do arquiteto.
    • 1877 - Começa a construir o castelo Boulard, em estilo neo-renascentista, em Biarritz.
    • 1879 - Morre no dia 22 de Janeiro, aos 76 anos, em Paris. Embora não tivesse tocado um ateliê ou tido alunos diretos, deixa uma série de discípulos e admiradores de seu trabalho.

    OBRAS

    Desenho do Palais de Justice, Paris.

    Capela do Lycée Michelet, Vanves.

    Coluna de Julho, Paris.
    © Foto por Jean-Louis Zimmermann, 2010

    Palais de Justice, Paris.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    GRAY, Eileen

    D´ARONCO, Raimondo

  • GARNIER, Charles

  • GARNIER, Charles

    Charles Garnier

    Charles Garnier (1825 - 1898)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteto

    (...)[Esta] história pode ser apócrifa, mas a resposta de Garnier — mesmo que ele nunca a tenha dado —, foi certamente verdadeira. (...) Quando a Imperatriz Eugénie se queixou com Garnier de que o edifício [da nova Ópera de Paris] não (...) [fora projetado] "nem no estilo Grego, nem nos estilos de Luís XIV ou mesmo de Luís XVI", Garnier supostamente deu a seguinte explicação: "Senhora, esses estilos já estão ultrapassados. Esta obra [a Ópera de Paris] está no estilo de Napoleão III!".

    McAULIFFE, Mary. [2011]
    Dawn of the Belle Époque.
    Rowman & Littlefield Publishers. Lanham (Maryland).

    CRONOLOGIA

    • 1825 - Nasce Jean-Louis Charles Garnier, em Paris, filho de uma família humilde.
    • 1838 - [Data aproximada] Julgado incapaz de seguir a profissão de artífice do pai pela fragilidade de sua saúde, é matriculado pela mãe na École Gratuite de Dessin.
    • 1840 - Torna-se aprendiz do arquiteto neoclássico Louis-Hyppolyte Lebas. Em seguida, trabalha como desenhista de Eugène Viollet-le-Duc.
    • 1842 - Ingressa na École Royale des Beaux-Arts, de Paris.
    • 1848 - Conquista o Premier Grand Prix de Rome: uma bolsa de estudos que lhe vale um ano na Itália.
    • 1852 - Viaja pela Grécia e Turquia, estudando Arquitetura.
    • 1860 - Ainda que relativamente desconhecido, vence o concurso para a construção da nova Ópera de Paris, encomendada por Napoleão III.
    • 1869 - Publica o livro À Travers les Arts: Causeries et Mélanges, pela Hachette, desfrutando da notoriedade adquirida por ser o arquiteto da Nova Ópera.
    • 1871 - Constrói sua própria residência, na cidade de Bordighera, na costa mediterrânea da Itália.
    • 1875 - Após inúmeros contratempos — inclusive o término do Império —, é inaugurada a Ópera (que será conhecida como Opera Garnier. O edifício será considerado o marco do “Estilo Napoleão III” ou "Segundo Império".
    • 1878 - Constrói a Ópera de Monte Carlo.
    • 1889 - Prepara a Expositions des Habitations Humaines para a Exposition Universelle.
    • 1892 - Lança livro sobre formas de habitação humanas, baseado em seu trabalho para a Exposição de 1889.
    • 1898 - Morre aos 72 anos, em Paris.

    OBRAS

    Opéra de Paris ou Palais Garnier circa 1890 - 1900

    Escadaria do Palácio Garnier circa 1890 - 1900

    Pátio do Palácio dos Doges, Veneza.
    Desenho - 1852

    Entrada do Cassino de Monte Carlo, Mônaco, circa 1890 - 1900

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • Arts & Crafts

  • Arts & Crafts

    Arts & Crafts

    William Morris
    Achanthus Wallpaper.

    ATUAÇÕES

    • Reino Unido

    O Movimento de Artes e Ofícios [Arts & Crafts] teve suas raízes nos anos finais da Grã- Bretanha do século XIX. Seus principais teóricos — homens como William Morris, C.R. Ashbee e W.R. Lethaby —, tiveram formação de arquitetos e trabalharam pela unidade das artes, acreditando que todos os empreendimentos criativos tinham o mesmo valor. Não apenas desejavam reformar o design como também restabelecer a qualidade do próprio processo de trabalho. Com a divisão do trabalho, a Revolução Industrial desvalorizou o ofício de artífice (craftsman) transformando-o em uma mera peça na engrenagem de uma máquina. O objetivo do Movimento de Artes e Ofícios era, nesse sentido, o de reestabelecer a harmonia entre arquiteto, designer e artífice. Desejavam também restaurar a perícia na produção de artefatos de uso quotidiano de forma que fossem não apenas bem projetados como também tivessem preços acessíveis".

    CUMMING, Elizabeth. [1991]
    The Arts and Crafts Movement.
    London, Thames & Hudson, 2002, p.6.

    OBRAS

    William De Morgan
    Tiles

    Charles Ashbee
    Decanter, 1904-1905.

    Edward Coley Burne-Jones
    An Angel Playing a Flageolet, 1878

    Walter Crane
    Neptune's Horses.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    VILLON, Jacques

    NEWTON, Ernest

  • BERGÉ, Henri

  • BERGÉ, Henri

    Henri Marie Joseph Bergé

    Henri Bergé (1870 -1937)
    © RMN-Grand Palais / Harry Bréjat

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Aquarelista
    • Designer
    • Escultor(a)
    • Pintor(a)

    Principal collaborateur de l'entreprise [Daum], il donne également au verrier Amalric Walter (1870-1959) des modèles d'objets en pâte de verre et fait éditer ses céramiques par les frères Mougin. Ses dessins, études ou objets à caractère botanique ou animalier -toujours d'une précision scientifique- révèlent l'intérêt que Bergé porte à la nature, herborisant lui-même au jardin botanique proche de la manufacture Daum. Illustrateur, Henri Bergé réalise de nombreux menus, affiches, et publicités. Il est également l'auteur de plusieurs vitraux, publicitaires (Cure d'Air de Malzéville) ou d'inspiration symboliste (La Lecture, Musée de l'Ecole de Nancy). Parallèlement à ses activités artistiques, Henri Bergé enseigne à l'Ecole professionnelle de l'Est et dirige l'atelier de dessin et de modelage au sein de l'entreprise Daum.

    Musée de l'École de Nancy apud Art Lorrain (artlorrain.com)
    (Último acesso: 14/01/2020)

    CRONOLOGIA

    • 1870 - Nasce na comuna francesa de Diarville, no dia 14 de Outubro. Seu pai era fabricante de rendas.
    • 1887 - Por volta do ano de 1887, frequenta a École des Beaux Arts de Nancy, onde torna-se aluno de Jules Larcher.
    • 1893 - Matricula-se no curso superior de perspectiva e concorre ao prêmio Georges Jacquot, obtendo uma menção honrosa. Junta-se, no mesmo ano, à manufatura dos Irmãos Daum, onde faria sua carreira. Como maître decorateur, influenciaria de maneira decisiva a produção dos Daum, favorecendo um estilo essencialmente floral e paisagístico.
    • 1894 - Expõe obras suas de inspiração nipônica na Société des Amis des Arts de Nancy.
    • 1901 - Integra o corpo de diretores da École de Nancy.
    • 1904 - Passa a criar modelos para as peças em pâtes de verre [técnica de pasta de vidro] de Almaric Walter, vidracista que conhecera na Maison Daum. Bergé forneceria inúmeros designs para Walter ao longo de sua vida, nos quais a Natureza apareceria como principal inspiração.
    • 1914 - Il devient professeur de dessin avant 1914 a l'École Lorritz, et y dispense un enseignement professionel.
    • 1928 - Sa santé précaire le contraint à 58 ans, à quitter son travail chez Daum et chez Walter.
    • 1937 - Falece em sua casa, em Nancy, no dia 26 de Novembro.

    OBRAS

    Vitral La Lecture / La femme au chat noir, c. 1900
    © Musée de l'École de Nancy

    Porta-objetos Lagarto em pâte de verre
    © Chrysler Museum of Art

    Ilustração botânica Campanules, 1929
    © RMN-Grand Palais / Harry Bréjat

    Peça publicitária para os Irmãos Daum, 1901
    © Cornette de Saint Cyr

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • HOHENSTEIN, Adolfo

  • HOHENSTEIN, Adolfo

    Adolf Hohenstein

    Adolfo Hohenstein.

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Cenógrafa(o)
    • Ilustrador(a)
    • Pintor(a)

    OBRAS

    Capa da primeira edição da partitura de piano da ópera Tosca, de Puccini.

    Pôster de propaganda dos fabricantes de sabonete Chiozza e Turchi, de 1899.

    Pôster de propaganda Fiammiferi senza fosforo del Dottor Craveri.

    Projeto para o cenário do segundo ato da estréia de La bohème

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BERGLER, Ettore de Maria

  • BERGLER, Ettore de Maria

    Ettore de Maria Bergler

    Ettore de Maria Bergler.

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Pintor(a)

    OBRAS

    Küstenmotiv, Sizilien.

    Cigni Nella Fontana di Piazza Pretoria.

    Paesaggio on fiume.

    Ritratto della signora Guarrasi.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BOULLE, André-Charles

  • BOULLE, André-Charles

    André-Charles Boulle

    André-Charles Boulle (1642 - 1732)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Desenhista
    • Escultor
    • Marceneira(o)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1642 - Nasce em Paris, no dia 10 de novembro, filho de imigrantes holandeses envolvidos com marcenaria. Pouco se sabe sobre seus anos de formação, exceto que trabalhou na oficina do pai, inicialmente -acredita-se -, como pintor.
    • 1666 - Seu nome aparece como mestre de ofício e dono de sua própria oficina, situada na rue de Reims, que prospera imediatamente.
    • 1666 - Passa a integrar, por volta deste mesmo ano, a Manufacture des Gobelins; que Jean-Baptiste Colbert havia criado para fornecer mobiliário ao palácio de Versailles. Lá, trabalha sob a direção do pintor Charles Le Brun.
    • 1672 - É indicado por Colbert para assumir o posto de ebanista do Rei; título que lhe permite trabalhar fora dos padrões estabelecidos pelas corporações de artesãos.
    • 1676 - Fecha – indicam algumas fontes -, seu atelier na rue de Reims.
    • 1677 - Colbert destina um espaço de trabalho a Boulle no palácio do Louvre.
    • 1678 - Nasce Jean-Philippe, seu primogênito, que será um dos continuadores de sua obra.
    • 1680 - Nasce Pierre-Benoît, seu segundo filho.
    • 1682 - Graças ao sucesso das peças produzidas por seu atelier, Boulle passa a trabalhar apenas por encomenda. Apesar do êxito, seus hábitos extravagantes de colecionador e seus investimentos fundiários contribuem para um sério endividamento.
    • 1685 - Seu atelier incorpora uma fundição – fato que indica a importância que o bronze vem assumindo no seu estilo. No entanto, as encomendas diminuem em função da diminuição do nível de atividades econômicas. Nasce Charles-André, seu terceiro filho, também conhecido como Boulle de Sève.
    • 1688 - Nasce seu quarto filho, Charles-Joseph.
    • 1700 - São retomadas as encomendas da realeza que, antes, se haviam rarefeito.
    • 1715 - Com a morte de Louis XIV, passa a gerência de seu atelier a seus quatro filhos.
    • 1720 - No dia 30 de agosto, sua coleção de valiosas obras de arte é praticamente toda destruída em um incêndio (provavelmente criminoso).
    • 1732 - Morre, em Paris, no dia 29 de fevereiro de 1732.

    OBRAS

    Gabinete circa 1675 - 1680

    Caixa de relógio circa 1715 - 1725

    Cômoda Mazarin 1708

    Armario Paris circa 1700

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    NAGEL, Gustaf

  • OLBRICH, Joseph Maria

  • OLBRICH, Joseph Maria

    Josef Maria Olbrich

    Josef Olbrich em frente a sua casa em Darmstadt, 1901

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    O colega de [Josef Maria] Olbrich, Josef Hoffmann, comentou que "Olbrich, uma verdadeira fonte de ideias e talvez de um romantismo demasiado, era um trabalhador colossal e criador incansável. Ele era obcecado pela música de [Richard] Wagner e teria adorado construir Valhalla. Era maravilhoso fantasiar com ele. Nenhuma tarefa era grande demais e não havia nada que ele não tentasse, ao menos na forma de um rascunho."

    KURDIOVSKY, Richard. [2005]
    In.: BRANDSTÄTTER, Christian (Ed). Vienna 1900: Art, Life and Culture.
    Nova York, The Vendome Press. p. 272.

    CRONOLOGIA

    • 1867 - Nasce no dia 22 de Dezembro em Troppau (Opava), então parte do império Austro-Húngaro e hoje território da República Tcheca. Frequenta uma escola local mas parte sem ter completado sua graduação.
    • 1882 - Matricula-se no departamento de construção civil da Staatsgewerbeschule (Escola Técnica Estatal) de Viena.
    • 1886 - Retorna a Troppau, onde trabalha para a firma de August Bartel.
    • 1890 - De volta a Viena, torna-se aluno da escola especial de arquitetura da Academia de Belas Artes, onde lecionava Carl von Hasenauer.
    • 1893 - Trabalha por alguns meses para o arquiteto vienense Otto Wagner, que assumira a cátedra de von Hasenauer.
    • 1894 - Vence o Prix de Roma, que custeia sua viagem de estudos à Itália. A viagem, entretanto, é logo interrompida: Wagner propõe a Olbrich que assuma como projetista chefe no planejamento e design da Stadtbahn (ferrovia) de Viena. Tendo aceitado a oferta de trabalho, retorna a Viena. Considera-se que várias das estações projetadas por Wagner podem ser coatribuídas a Olbrich, como o Hofpavillon em Schönbrunn e a estação Karlsplatz.
    • 1897 - Em parceria com um grupo de pintores, escultores e arquitetos, funda, no mês da Abril, a Secessão Vienense. A Secessão opunha-se à conservadora Künstlerhaus, associação artística oficial. Josef Olbrich viria a ser membro fundador também da Bund Deutscher Architekten [Associação de Arquitetos Alemães] (1903) e da Deutscher Werkbund (1907).
    • 1898 - Inauguração da sede da Secessão, projetada por Olbrich.
    • 1899 - Ernst Ludwig, grão-duque de Hessen, convida Josef Olbrich, Peter Behrens e outros artistas para formar uma colônia artística, assentada na colina de Mathildenhöhe, em Darmstadt. Olbrich desenvolve todos os edifícios da colônia, bem como o plano geral, o mobiliário, os jardins e a infraestrutura para as exibições. O foco arquitetônico ficaria por conta da casa de Ernst Ludwig, concluída no ano subsequente.
    • 1901 - Tem lugar na colônia a exibição Ein Dokument deutscher Kunst [Um documento da arte germânica], para a qual o arquiteto desenvolve uma série de estruturas temporárias. A mais interessante seria a galeria de pintura e escultura, cujo traçado dinâmico Olbrich revisitaria em sua entrada — vencedora do primeiro prêmio — para a competição pelo design da estação ferroviária de Basel, Suíça.
    • 1904 - Exibe seu trabalho na Louisiana Purchase Exposition, em St. Louis. Sua participação é um sucesso e atrai a atenção de vários arquitetos americanos, dentre os quais Frank Lloyd Wright.
    • 1906 - Período de apogeu do trabalho de Olbrich em Mathildenhöhe, com o design da Galeria de Exibições — blocada e formal, com tons classicistas — e da Torre Matrimonial, presente de casamento da cidade de Darmstadt para o grão-duque.
    • 1908 - Morre de leucemia no dia 8 de Agosto. Ele estivera trabalhando em duas importantes encomendas: a Casa Feinhals, em Cologne-Marienburg, e a loja de departamentos Tietz, em Düsseldorf, concluídas postumamente.

    OBRAS

    Estação Karlsplatz, 1898
    © Foto de Paul Barker Hemings, 2014

    Wiener Secessionsgebäude (Sede da Secessão Vienense), 1898

    Casa de Ernst Ludwig, 1901

    Torre Matrimonial, 1907

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    MARCKS, Gerhard

    FISCHER, Theodor

  • KLINGER, Max

  • KLINGER, Max

    Max Klinger

    Max Klinger (1857 - 1920)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Escultor(a)
    • Pintor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1857 - Nasce em Leipzig, na Alemanha.
    • 1874 - Começa seus estudos na Escola de Arte Grand Ducal Baden em Karlsruhe, onde dura um ano antes de ir para a Academia Real de Arte em Berlim, sob a tutela de Karl Gussow, completando sua formação com a avaliação "excepcional".
    • 1878 - Pela primeira vez apresenta seu trabalho ao público, na 52º Exposição da Academia em Berlim.
    • 1879 - Torna-se pupilo de Emile Charles Wauters, em Bruxelas.
    • 1880 - Pinta a série Eve and the Future (Opus III).
    • 1881 - Abre um estúdio em Berlim, onde tão logo se torna membro da Associação de Artistas de Berlim. Imprime seu mais famoso trabalho, Praphrase on The Finding of a Glove, uma série de dez gravuras baseadas em imagens que lhe vieram em sonhos após encontrar uma luva perdida num rinque de patinação.
    • 1883 - Recebe sua primeira grande encomenda: decorar o pátio da vila de Julius Albers. No mesmo ano, adquire um estúdio em Paris, onde se dedica a estudar o trabalho de Goya e Daumier.
    • 1893 - Retorna para Leipzig e torna-se bem sucedido, virando membro da Academia de Munique. É apontado como professor da Academia Real de Artes Gráficas de Leipzig e, alguns anos depois, se torna um membro da recém-criada Secessão Vienense.
    • 1902 - Expõe sua estátua Beethoven, que se torna parte interal da Exposição da Secessão Vienense daquele ano.
    • 1920 - Morre, aos 63 anos, em Naumburg, na Alemanha.

    OBRAS

    Badendes Mädchen, sich im Wasse spiegelnd, 1912

    Phantasien über einen gefundenen Handschuh, der Dame, die ihn verlor, gewidmet (4/10: Rettung), 1878

    Die Blaue Stunde, 1890.

    Phantasien über einen gefundenen Handschuh, der Dame, die ihn verlor, gewidmet. (10/10: Amor), 1878.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • PECHE, Dagobert

  • PECHE, Dagobert

    Dagobert Peche

    Dagobert Peche (1887 - 1923)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteto
    • Designer
    • Designer de Moda
    • Designer de Produto
    • Designer Gráfico
    • Designer Têxtil
    • Metalúrgica(o)

    As proezas de [Dagobert] Peche remetem a um período hoje obscuro, no qual a indulgência decorativa era um gesto radical e combativo. Sua carreira floresceu nos anos sombrios da Primeira Guerra Mundial, na Áustria, quando se tornou a estrela-guia da firma de design vanguardista Wiener Werkstätte. Ele desviou a instituição e seu líder, Josef Hoffmann, dos rumos do formalismo minimalista. A mudança era provavelmente inevitável, dado os gostos restritos da alta burguesia austríaca à época. Ainda assim, ninguém estava preparado para a genialidade avassaladora de Peche. Em uma famosa polêmica de 1908, [o texto] "Ornamento e Crime", o arquiteto vienense Adolf Loos argumentara que a ornamentação era um grotesco vestígio do passado torpe da humanidade. Para Peche, no entanto, o ornamento era tudo. Ele certa vez enfureceu Loos ao revestir as maçãs de uma árvore em folha de ouro — sujeitando assim a natureza, a grosso modo, àquilo que sua paixão pelo enfeite fizera ao princípio arquitetônico da funcionalidade. Ele exaltava o inútil.

    SCHJELDAHL, Peter [2002].
    Present Laughter: A forgotten master of embellishment.
    The New Yorker Magazine (newyorker.com)
    (Último acesso: 17/10/2019)

    CRONOLOGIA

    • 1887 - Nasce no dia 3 de Abril em Sankt Michael im Lungau, Salzburg, no Império Austro-Húngaro.
    • 1906 - Dá início a seus estudos na Technische Hochschule. Tem como professores Max von Ferstel, Karl König e Leopold Simony.
    • 1908 - Pede transferência para a Akademie der bildenden Künst, onde estuda Arquitetura. Na Akademie, tem aulas com o arquiteto Friedrich Ohmann, que se tornaria sua principal influência.
    • 1909 - Tem seu trabalho publicado na Der Architekt, evento recorrente nos três anos seguintes.
    • 1910 - Viaja para a Grã Bretanha, onde acredita-se que teria visto o trabalho do artista gráfico Aubrey Beardsley. Conhece, no mesmo ano, sua futura esposa: Petronella (Nelly) Daberkow.
    • 1911 - Conclui seus estudos na Akademie e casa-se com Nelly Daberkow. Nos anos seguintes seu foco recairia sobre as Artes Decorativas; Peche trabalharia para firmas do ramo criando, entre outras coisas, padronagens têxteis e papéis de parede.
    • 1913 - Participa de sua primeira exposição — a Exibição de Papéis de Parede, no Museu Austríaco —, onde seus designs chamam a atenção pelo dinamismo exagerado de suas formas.
    • 1914 - Expõe trabalhos de sua autoria na exibição da Deutscher Werkbund, em Cologne.
    • 1915 - Tendo conhecido e trabalhado com Josef Hoffmann anteriormente, passa a integrar oficialmente a Wiener Werkstätte como diretor de arte.
    • 1916 - É convocado a servir na Primeira Guerra Mundial. Tal situação, no entanto, não se estenderia muito: Dagobert seria dispensado no ano seguinte, após sofrer de um episódio de apendicite.
    • 1917 - Com o auxílio de Hoffmann, Peche e sua família mudam-se para Zürich, Suíça. Uma vez lá, ficaria responsável por dirigir a sede local da Wiener Werkstätte.
    • 1919 - Retorna a Viena, deixando o cargo em Zürich
    • 1923 - Morre aos 36 anos, no dia 16 de Abril, em decorrência de um tumor maligno.

    OBRAS

    Mostruário feito para a Kunstschau, 1920

    pôster Die Moden der Wiener Werkstate, 1919

    Gabinete para Salão, 1913
    © Fotografia de Georg Mayer para o MAK (Museum für angewandte Kunst)

    Padronagem Swallow-Tail, 1911-13
    © MAK (Museum für angewandte Kunst)

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Moderne

  • DALPAYRAT, Pierre-Adrien

  • DALPAYRAT, Pierre-Adrien

    Pierre-Adrien Dalpayrat

    Pierre-Adrien Dalpayrat (1844 - 1910).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Ceramista
    • Escultor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1844 - Nasce em Limoges, na França.
    • 1859 - Começa a frequentar a École Pratique de Peinture sur Porcelaine, de Limoges.
    • 1867 - Dalpayrat começa sua carreira como pintor de cerâmicas. A começar desse período, ele trabalha em seis fábricas diferentes, em curtos intervalos de tempo.
    • 1870 - Passa um tempo em Londres com seu irmão Louis, com o objetivo de estudar a técnica de esmaltagem em cobre.
    • 1874 - Começa a trabalhar para a fábrica de porcelanas Ashwin, na comuna de Valentine, ao pé dos Pirineus.
    • 1889 - Muda-se para Bourg-la-Reine, cidade próxima à Paris com uma longa tradição na fabricação de porcelana. Nessa mesma época, Dalpayrat para de se auto intitular pintor de cerâmica e passa a se identificar como ceramista ou artista-ceramista. Começa também a utilizar cada vez mais o grês em seus trabalhos.
    • 1892 - Exibe 50 peças de grês baseadas em modelos de Alphonse Voisin-Delacroix, na prestigiosa Galerie Georges Petit em Paris.
    • 1893 - Participa da World's Columbian Exposition, em Chicago, onde é premiado com medalha de bronze.
    • 1900 - Recebe uma medalha de ouro na Exposition Universelle de Paris. No mesmo ano é condecorado com a Légion d'Honneur.
    • 1910 - Morre aos 66 anos, em Limoges, na França.

    OBRAS

    Vaso de grês, c. 1900.

    Vaso com arabescos de grês vitrificado.

    Jarro de cerâmica c. 1900.

    Jardineira floral.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    WETHERELL, Tim

  • VILASECA, Josep

  • VILASECA, Josep

    Josep Vilaseca i Casanovas

    Josep Vilaseca i Casanovas (1848 - 1910).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)

    CRONOLOGIA

    • 1848 - Nasce em Barcelona, na Espanha.
    • 1873 - Forma-se em Arquitetura em Madrid e viaja junto com seu amigo Lluís Domènech para Alemanha, França, Suiça, Áustria e Itália para conhecer as tendências arquitetônicas.
    • 1874 - Torna-se professor na Escola d'Arquitectura de Barcelona.
    • 1879 - Projeta, junto com Francesc Vidal, o Atelier de Artes do mesmo.
    • 1885 - Projeta o Mausoléu da família Batlló, a Casa Pla e a Casa Bruno Cuadros, todos com clara influência Egípcia.
    • 1888 - Constrói o Arc de Triomf de Barcelona para a Exposição Universal de Barcelona de 1888.
    • 1910 - Morre, aos 62 anos, em Barcelona na Espanha.

    OBRAS

    Detalhe da fachada da Casa Pia Batlló, 1896

    Casa Comas d'Argemir, 1904

    Arc de Triomf de Barcelona, 1888

    Mausoléu da família Batlló i Batlló, Esculturas de Manel Fuxá, 1889

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • TEAGUE, Walter Dorwin

  • TEAGUE, Walter Dorwin

    Walter Dorwin Teague (-)
    © North Carolina State University

    8

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Câmera Kodak Bantam Special, 1936

    Rádio Sparton Nocturne (Modelo 1186)
    © Kirkland Museum of Fine & Decorative Art

    Rádio de Mesa Sparton, c. 1936
    © Brooklyn Museum

    Câmera Brownie Beau, c. 1930
    © Cooper Hewitt

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BUSSIÈRE, Ernest

  • BUSSIÈRE, Ernest

    Ernest Bussière

    Ernest Bussière (1863 - 1913)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Ceramista
    • Escultor(a)

    Pupilo de [Charles] Pêtre na École des Beaux-Arts, (...) [Ernest] Bussière era antes de tudo um escultor, participando de exposições nos salons de Paris já no ano de 1883. (...) [Como ceramista] sua obra é melhor representada pelas peças criadas para [a firma] Keller et Guérin, em grande parte encomendadas por [Louis] Majorelle e dotadas de contornos altamente imaginativos, de inspiração vegetal. Ocasionalmente seus designs incorporavam o nu feminino, tanto como adorno quanto independentemente, em silhuetas e bustos como o esplêndido Le Sommeil. [Suas criações de viés botânico] conquistaram tamanha popularidade que foram também editadas em vidro pelos irmãos Daum, continuando em produção até bem depois da morte do artista.

    ARTHUR, Paul [2015]
    French Art Nouveau Ceramics, an illustrated dictionary (excerto)
    Norma Éditions, 2015, p. 84

    CRONOLOGIA

    • 1863 - Nasce na comuna de Ars-sur-Moselle, em uma família humilde. Seu pai, Edmond Bussière, trabalhava como tourneur sur fer em uma pequena fábrica.
    • 1870 - Edmond Bussière morre, deixando a mulher e os filhos Ernest e Louis. Viúva, Anne Bussière muda-se com as crianças para a cidade de Nancy.
    • 1877 - Tendo recebido treinamento como escultor pela École municipale de dessin de Nancy, Ernest torna-se aluno, aos 14 anos, de Charles Pêtre, com quem aprende a técnica de modelagem.
    • 1881 - Aos 18 anos, muda-se sozinho para Paris e é admitido como aluno na École Nationale des Beaux-Arts, instituição da qual viria a tornar-se professor de escultura e modelagem. Enquanto estudante, ganha seu sustento trabalhando para o designer de mobiliário Louis Majorelle.
    • 1887 - Ganha certa notoriedade com os bustos e retratos que expõe nos Salons de Paris, especialmente nos anos de 1887, 1888 e 1889.
    • 1889 - Tendo retornado à região de Lorena, na França, participa do concurso para projetar o mausoléu de Monsigneur Trouillet, a ser alocado na igreja S.-Epvre, Nancy. Seu design é premiado com uma menção honrosa e Bussière volta a se estabelecer em Nancy. Como escultor, produz diversos monumentos em homenagem a personalidades locais, bem como uma série de esculturas fúnebres instaladas no cemitério de Préville.
    • 1895 - Torna-se um dos principais colaboradores da manufatura de cerâmicas Keller et Guérin, para quem cria designs de inspiração botânica. Fruto dessa colaboração, a obra Mélancolie d’Automne é exibida no mesmo ano no Salon de Nancy.
    • 1896 - Aos 33 anos, e tendo recebido o título de officier d'Académie, casa-se com Anne Collet, com quem viria a ter quatro filhos.
    • 1900 - Expõe suas obras na Exposition Universelle de Paris.
    • 1901 - Passa a integrar o corpo de diretores da École de Nancy.
    • 1903 - Participa da Exposição de Artes Decorativas da Escola de Nancy no Pavilhão de Marsan, Paris. Expõe sua aclamada escultura Le Sommeil.
    • 1913 - Morre em Nancy aos 50 anos, após um longo período debilitado.

    OBRAS

    Escultura Le Sommeil, 1903

    Vaso Bractée d'Ombelle, c. 1903
    © Musée de l'École de Nancy

    Vaso Alcachofra, c. 1900
    © Jason Jacques Gallery

    Vaso Mélancolie d'automne, 1896
    © Fotografia por Mila Khvalibova, 2013

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    Space Age

    MAGRITTE, René

  • LEFUEL, Hector

  • LEFUEL, Hector

    Hector Lefuel