• CZESCHKA, Carl Otto

  • CZESCHKA, Carl Otto

    Carl Otto Czeschka

    Carl Otto Czeschka (1878 - 1960).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Jóias
    • Designer de Vidros
    • Designer Gráfico
    • Pintor(a)

    Czscheka foi uma figura central no desenvolvimento posterior da Wiener Werkstätte, na produção de arte e design e nas vendas coletivas, fundadas em 1903 por Josef Hoffmann e Koloman Mosaer, que buscavam o ideal de Gesamtkunstwer (completa obra de arte), uma unificação des artistas e artesãos de diferentes disciplinas na criação de uma conceito de vida mais abrangente."

    GSE, Galerie St. Etienne.
    GSE, Galerie St. Etienne.

    CRONOLOGIA

    • 1878 - Nasce em Viena, Áustria.
    • 1894 - Estuda Pintura com Christian Griepenkerl na Akademie der bildenden Künste, em Viena, até 1899.
    • 1899 - É encarregado da decoração da igreja do imperador Joseph em Radmer, Styria.
    • 1900 - Torna-se membro da Secessão Vienense.
    • 1902 - Leciona na Escola de Artes e Ofícios de Viena até 1907.
    • 1905 - Torna-se membro da Wiener Werkstätte.
    • 1907 - Leciona na Kunstgewerbeschule em Hamburgo. Nesse mesmo ano, cria um cartaz para o Fledermaus Cabaret.
    • 1909 - Conclui o que é considerado o seu trabalho mais famoso: as ilustrações para o livro Die Nibelungen.
    • 1918 - Projeta cenários e figurinos para adaptação da peça King Lear de William Shakespeare.
    • 1922 - Desenha o "Bufo", emblema da Brinckmann Justus Gesellschaft.
    • 1960 - Morre em Hamburgo, aos 81 anos.

    OBRAS

    Bracelete, c. 1910.

    "Wittgenstein Vitrine", 1908.

    Capa do primeiro programa de teatro do "Kabarett Fledermaus", 1907.

    Ilustração do livro "Nibelungen", editora Gerlach & Wiedling, 1908.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    EARL, Harley

    RILEY, Bridget

    NAGEL, Gustaf

  • GROPIUS, Walter

  • GROPIUS, Walter

    Walter Gropius (1883-1969)

    ATUAÇÕES

    • Arquiteto

    É evidente que você se dá conta de que o nome de Walter Gropius está superestimado. Se você me prometer que jogará esta carta no lixo assim que terminar de lê-la, posso jurar que acredito que o Sr. Gropius jamais projetou um prédio; tendo seu nome aparecido isoladamente no projeto ou não. Em outras palavras: dizer "De Morris a Gropius” é elogio demais para nosso estimado e excelente pedagogo, Walter Gropius."

    Carta de Philip Johnson a Nikolaus Pevsner, datada de 03 de outubro de 1947.
    Caixa 16 da pasta "Pioneers (Museum of Modern Art edition)"
    (Apud. Irene Sunwoo. 2010, p. 69)

    CRONOLOGIA

    • 1883 - Nasce em Berlim, na Alemanha.
    • 1903 - Estuda Arquitetura na Universidade Técnica de Munique.
    • 1905 - Estuda Arquitetura na Universidade Técnica de Berlim.
    • 1907 - Após um ano sabático, começa a trabalhar no escritório de Peter Behrens.
    • 1911 - Torna-se membro da Deutscher Werkbund, fundada em 1907. Durante este momento, produz móveis, papeis de parede e até mesmo fachadas.
    • 1914 - Gropius interrompeu seus trabalhos devido à Guerra, servindo como Oficial da Cavalaria.
    • 1919 - Após anos de turbulência em seu casamento e os efeitos da Guerra, Gropius se reaproxima da Arquitetura.
      Agora simpatizando com a Esquerda política, funda a Bauhaus em Weimer, com o desejo de melhorar a sociedade que sofre com os efeitos da Guerra.
    • 1925 - Após o domínio de um governo de Direita, ele transfere a Bauhaus para Dessau.
    • 1926 - Faz um projeto de larga escala de casas em Berlim, Karlsruhe e Dessau, para famílias que viviam em condições de baixa renda, com o objetivo de melhorar as condições de vida dessas pessoas.
    • 1928 - Deixa a Bauhaus, após algumas crises financeiras e é substituído por Hannes Meyer.
    • 1934 - Foge da Alemanha, com a ajuda do arquiteto Maxwell Fry, juntamente com sua família. Lá ele passa a trabalhar como parte do grupo Isokon.
    • 1938 - Após mudar-se para os Estados Unidos, na companhia de Marcel Breuer, Gropius torna-se chefe do Departamento de Arquitetura de Harvard.
      Durante este mesmo momento, ele projeta uma casa para viver com sua família em Lincoln, Massachusetts. A casa passa a ser conhecida como Gropius House mundo afora.
    • 1944 - Naturaliza-se cidadão Americano e mantém-se no mundo da arquitetura até o fim de sua vida.
    • 1969 - Morre em Massachusetts, nos Estados Unidos.

    OBRAS

    MetLife Building, 1959.

    Gropius House, 1938.

    Konsumhaus, Dessau, 1928.

    Bauhaus, Weimer, 1919.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • LETHABY, William R.

  • LETHABY, William R.

    William Richard Lethaby

    William Lethaby (1857 - 1931)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Autor(a)
    • Designer
    • Professor(a)
    • Teórica(o)

    Apesar de sua pouca educação formal, Lethaby tornou-se um educador bem sucedido de arquitetos; professor de Ornamento e Design no Royal College of Arts de 1900 a 1919 e autor de diversos livros. Ao longo de sua carreira, Lethaby manteve-se leal a Morris e a Webb e, através destes, a Ruskin, apesar de reinterpretar alguns aspectos do legado destes autores”.

    NELSON, Robert. [2004]
    Hagia Sophia, 1850-1950: Holy wisdom modern monument.
    Chicago, University of Chicago Press

    CRONOLOGIA

    • 1857 - William Richard Lethaby nasce em Barnstaple, Devon, Reino Unido.
    • 1877 - Depois de estudar na Royal Academy Schools, em Londres, trabalha sob orientação do arquiteto Richard Norman Shaw.
    • 1881 - Torna-se assistente principal de Richard Norman Shaw.
    • 1884 - Funda, junto com outros 14 arquitetos e designers, a Art-Worker’s Guild.
    • 1889 - Monta seu próprio escritório de arquitetura.
    • 1894 - Lethaby é nomeado Inspetor de Arte do Conselho de Educação Técnica, do recém formado London County Council.
    • 1896 - É indicado para o cargo de co-orientador na Central School of Arts and Crafts, em Londres, onde se tornaria diretor adjunto, permanecendo até 1911.
    • 1900 - Nomeado primeiro professor de Arte, no Royal College of Art.
    • 1915 - Torna-se Membro Fundador da Design and Industries Association.
    • 1931 - Morre, na Inglaterra, aos 74 anos.

    OBRAS

    Fachada de prédio na rua Colmore Row, 1900

    Detalhe no piso de mármore do Batistério de São João, 1912

    Detalhe no telhado, Igreja de Todos os Santos, 1902

    Igreja de Todos os Santos, Brockhampton, 1902

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    PIANO, Renzo

    BERLAGE, Hendrik Petrus

  • SAINTENOY, Paul

  • SAINTENOY, Paul

    Paul Saintenoy

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Autor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1862 - Nasce em Bruxelas, na Bélgica.
    • 1881 - Começa a estudar Arquitetura em Antwerp e, mais tarde, retorna a Bruxelas para completar sua formação.
    • 1891 - Executa o projeto de autoria de seu pai, o arquiteto Gustave Saintenoy, para a residência oficial do governador da cidade de Hasselt, na Bélgica.
    • 1897 - Compra uma casa em estilo clássico e a reconstrói, tornando-a conhecida como Hotel Saintenoy, para onde se muda com a família.
    • 1898 - Inicia a construção do prédio para a Farmácia Delacre, em Bruxelas, em estilo neogótico.
    • 1899 - Completa seu mais famoso projeto: a expansão da loja de departamentos Old England no estilo Art Nouveau.
    • 1905 - Termina a construção do Castelo Le Fy.
    • 1910 - Torna-se professor de História da Arquitetura na Academia Real de Belas Artes de Bruxelas.
    • 1918 - Com o fim da guerra, é designado membro da “Comissão Real de Monumentos e Sítios”, onde desempenha um importante papel na reconstrução da Bélgica pós-guerra.
    • 1952 - Morre aos 90 anos em Bruxelas, na Bélgica.

    OBRAS

    Farmácia Delacre, 1898.

    Loja de Departamento Old England, 1899.

    Casa do Governador de Hasselt, 1891.

    Vitral do Hotel Saintenoy, por Privat-Livemont, 1897.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • Suprematismo

  • Suprematismo

    Registro da exposição "0.10", 1915

    CRONOLOGIA

    • O su - particularmente o quadrado e o círculo

    OBRAS

    Kazimir Malevich
    Pintura suprematista de um avião em vôo, 1915

    Liubov Popova
    Construção, 1920

    Aleksandra Ekster
    Construção, c. 1922

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • GARNIER, Charles

  • GARNIER, Charles

    Charles Garnier

    Charles Garnier (1825 - 1898)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteto

    (...)[Esta] história pode ser apócrifa, mas a resposta de Garnier — mesmo que ele nunca a tenha dado —, foi certamente verdadeira. (...) Quando a Imperatriz Eugénie se queixou com Garnier de que o edifício [da nova Ópera de Paris] não (...) [fora projetado] "nem no estilo Grego, nem nos estilos de Luís XIV ou mesmo de Luís XVI", Garnier supostamente deu a seguinte explicação: "Senhora, esses estilos já estão ultrapassados. Esta obra [a Ópera de Paris] está no estilo de Napoleão III!".

    McAULIFFE, Mary. [2011]
    Dawn of the Belle Époque.
    Rowman & Littlefield Publishers. Lanham (Maryland).

    CRONOLOGIA

    • 1825 - Nasce Jean-Louis Charles Garnier, em Paris, filho de uma família humilde.
    • 1838 - [Data aproximada] Julgado incapaz de seguir a profissão de artífice do pai pela fragilidade de sua saúde, é matriculado pela mãe na École Gratuite de Dessin.
    • 1840 - Torna-se aprendiz do arquiteto neoclássico Louis-Hyppolyte Lebas. Em seguida, trabalha como desenhista de Eugène Viollet-le-Duc.
    • 1842 - Ingressa na École Royale des Beaux-Arts, de Paris.
    • 1848 - Conquista o Premier Grand Prix de Rome: uma bolsa de estudos que lhe vale um ano na Itália.
    • 1852 - Viaja pela Grécia e Turquia, estudando Arquitetura.
    • 1860 - Ainda que relativamente desconhecido, vence o concurso para a construção da nova Ópera de Paris, encomendada por Napoleão III.
    • 1869 - Publica o livro À Travers les Arts: Causeries et Mélanges, pela Hachette, desfrutando da notoriedade adquirida por ser o arquiteto da Nova Ópera.
    • 1871 - Constrói sua própria residência, na cidade de Bordighera, na costa mediterrânea da Itália.
    • 1875 - Após inúmeros contratempos — inclusive o término do Império —, é inaugurada a Ópera (que será conhecida como Opera Garnier. O edifício será considerado o marco do “Estilo Napoleão III” ou "Segundo Império".
    • 1878 - Constrói a Ópera de Monte Carlo.
    • 1889 - Prepara a Expositions des Habitations Humaines para a Exposition Universelle.
    • 1892 - Lança livro sobre formas de habitação humanas, baseado em seu trabalho para a Exposição de 1889.
    • 1898 - Morre aos 72 anos, em Paris.

    OBRAS

    Opéra de Paris ou Palais Garnier circa 1890 - 1900

    Escadaria do Palácio Garnier circa 1890 - 1900

    Pátio do Palácio dos Doges, Veneza.
    Desenho - 1852

    Entrada do Cassino de Monte Carlo, Mônaco, circa 1890 - 1900

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • Bauhaus Dessau

  • Bauhaus Dessau

    Bauhaus Dessau (1919-1933)

    ATUAÇÕES

    • Arquitetura
    • Design
    • Modernismo

    Dessau é a cidade mais associada à Bauhaus. [...] As experiências catastróficas da 1ª Guerra Mundial motivaram os Bauhausianos a repensarem a vida, a sociedade e o mundo de uma maneira radical. Rejeitando o conhecimento tradicional, com a Bauhaus, eles criaram uma escola de Design na qual jovens desenvolveriam sua criatividades artísticas ao aprenderem com materiais e a partir deles, de modo que pudessem dar forma à idade moderna e atender às suas demandas."

    OBRAS

    Johannes Itten
    Esfera de cor em 7 matizes da luz e 12 tons, 1921.

    Marianne Brandt
    Bule de Chá Bauhaus, 1924.

    Gunta Stölzl
    Tapeçaria, 1927-1928.

    László Moholy-Nagy
    Fotograma, 1943.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • HANKAR, Paul

  • HANKAR, Paul

    Paul Hankar

    Paul Hankar (1859 - 1901).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer de Móveis

    CRONOLOGIA

    • 1859 - Nasce em Frameries, na Bélgica.
    • 1879 - Após concluir seus estudos na Academia Real de Belas Artes de Bruxelas, onde conhece o colega e futuro arquiteto Victor Horta, Hankar começa a trabalhar no escritório do arquiteto Hendrik Beyaert, onde recebe treinamento na área da Arquitetura.
    • 1889 - Sob a supervisão de Beyaert, atua como designer chefe para o Palacio de Chávarri em Bilbao, na Espanha.
    • 1891 - Torna-se professor de engenharia na Escola de Artes Aplicadas de Schaerbeek, posição que ocupa por seis anos.
    • 1893 - Abre seu próprio escritório em Bruxelas, e começa a construção de sua própria casa, o Maison Hankar. Esta casa e a de Victor Horta, construídas na mesma época, são consideradas as duas primeiras casas construídas no estilo Art Nouveau.
    • 1894 - Trabalha durante dois anos como editor da revista L’Emulation, uma publicação que promovia o estilo do Art Nouveau.
    • 1896 - Apresenta um projeto para uma “Cidade dos Artistas” para a cidade litorânea de Westende. Apesar de nunca realizado, o projeto serve futuramente como inspiração para a Colônia de Artistas em Darmstadt, na Alemanha.
    • 1897 - Inicia o projeto e construção do Hôtel Ciamberlani, em Bruxelas, um de seus notáveis projetos. Dá uma palestra sobre a “Nova Bruxelas”, uma visão própria sobre o desenvolvimento urbano da cidade. No mesmo ano, participa da Exposição Colonial em Tervuren, na Bélgica.
    • 1899 - Projeta um banco de pedra monumental para ser exibido na Exposição Universal em Paris no ano seguinte. O Rei Leopoldo II da Bélgica compra o banco e doa a obra para um parque em Ostend.
    • 1901 - Morre aos 41 anos em Bruxelas, na Bélgica.

    OBRAS

    Sgrafitto na fachada do Hotel Ciamberlani, Bruxelas, 1897.

    Fachada do Maison Hankar, Bruxelas, 1893.

    Vitrine e entrada Chemiserie Niguet, Bruxelas, 1896.

    Projeto para o monumento 'Jan van Beers', Antwerp, 1891.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    MURDOCH, Peter

  • STICKLEY, Gustav

  • STICKLEY, Gustav

    Gustav Stickley

    Gustav Stickley (1858 - 1942)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Artesã(o)
    • Designer de Móveis

    "[Após entrar em contato com o Arts & Crafts] Senti que os móveis sem expressão, mal construídos e excessivamente ornamentados que eram despejados em quantidades enormes pelas fábricas eram não apenas um malefício em si mesmo, mas também que suas presenças nos lares das pessoas era uma influência que as afastava dos bons princípios que moldam homens honestos e bons cidadãos”.

    STICKLEY, Gustav. Apud TODD, Pamela. [2004]
    The Arts & Crafts Companion.
    Bath, Palazzo

    CRONOLOGIA

    • 1858 - Nasce em Osceola, Wisconsin, nos EUA.
    • 1875 - Muda-se com sua mãe e alguns irmãos para Brandt, na Pensilvânia, onde começa a trabalhar na fábrica de cadeiras de seu tio.
    • 1883 - Funda, com seus irmãos Albert e Charles, a Stickley Brothers Company em Susquehanna , Pensilvânia. Nesse mesmo ano, se casa com Eda Ann Simmons.
    • 1888 - A Stickley Brothers Company é dissolvida.
    • 1892 - É nomeado Diretor de Operações Manuais na New York State Prison em Auburn, permanecendo no cargo até 1894.
    • 1895 - Viaja para a Europa pela primeira vez, onde tem contato com os movimentos Arts & Crafts e Art Nouveau.
    • 1898 - Funda a Gustave Stickley Company em Eastwood, subúrbio de Syracuse, Nova York.
    • 1900 - Em parceria com Henry Wilkinson e, posteriormente, LaMont A. Warner, cria seu primeiro trabalho de Arts & Crafts, seguindo uma linha experimental denominada New Furniture.
    • 1901 - Lança a revista The Craftsman, de grande importância para o fortalecimento do Arts & Crafts americano.
    • 1903 - Muda o nome de sua empresa para The Craftsman Workshop, e seus produtos passam a ser comercializados com a marca “Craftsman”.
    • 1904 - Cria o Craftsman Home Builders' Club.
    • 1908 - Compra propriedade para estabelecer um colégio para meninos em Morris Plains, Nova Jersey. O local fica conhecido posteriormente como Craftsman Farms.
    • 1915 - Declara falência, com uma dívida de quase 250 mil dólares.
    • 1916 - A revista The Craftsman para de ser publicada.
    • 1942 - Morre aos 84 anos, em Syracuse, Nova York.

    OBRAS

    Gaveteiro em madeira, 1903.

    Estampa da marca das Oficinas Stickley.

    Poltrona, 1901.

    Mesa de chá da The Celandine, 1900.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    MIYAKE, Issey

  • MÉLIÈS, Marie-Georges-Jean

  • MÉLIÈS, Marie-Georges-Jean

    Georges Méliès

    Georges Méliès (1861-1938).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Cenógrafa(o)
    • Cineasta
    • Figurinista
    • Ilusionista

    CRONOLOGIA

    • 1861 - Nasce em Paris, na França.
    • 1880 - Forma-se no Lycée Louis-le-Grand, em Paris.
    • 1884 - Méliès muda-se para Londres – a pedido do pai -, para estudar inglês, a fim de expandir o negócio de sapatos da família. Permanecendo lá por um ano, entra em contato com apresentações de ilusionismo.
    • 1888 - Com a aposentadoria do pai, Georges vende sua parte do negócio da família e compra o Théatre Robert-Houdin, onde trabalha em tempo integral como showman teatral, com performances de mágica e ilusionismo.
    • 1895 - Méliès assiste à exibição do Cinematógrafo dos Irmãos Lumière, fica interessado e faz uma proposta (que os irmãos rejeitam) para comprar o aparelho.
    • 1896 - Após estudar a câmera e o projetor de Robert Paul em Londres, Méliès monta a sua própria câmera. Nesse mesmo ano ele começa a fazer filmes, sendo o primeiro deles Une Partie de Cartes.
    • 1897 - Abre seu próprio estúdio, Star Film, em Montreuil. Feito em grande parte de vidro, com persianas difusas a fim de controlar a entrada de luz, o estúdio tinha as mesmas dimensões do Théatre Robert-Houdin, 6 metros x 17 metros, e continha tudo o que Méliès precisava para a execução dos truques de seus filmes.
    • 1898 - Méliès continua experimentando com efeitos e cortes em seus filmes, nesse ano ele produz o primeiro filme com dupla exposição, La caverne Maudite; o primeiro com split screen: Un Homme de têtes; e o primeiro filme com efeito de transição dissolve: Cendrillon.
    • 1902 - Realiza o filme Le Voyage dans la Lune, considerado um dos primeiros filmes de ficção científica da história do cinema, e um dos maiores e mais elaborados filmes produzidos por Méliès.
    • 1913 - Sua produção não consegue acompanhar as mudanças da indústria cinematográfica, tanto em ritmo de produção quanto em conteúdo, e Méliès acaba por abandonar o cinema e retorna à carreira de ilusionista.
    • 1915 - Méliès vende o Théatre Robert-Houdin, e transforma seu estúdio de Montreuil em teatro de variedades.
    • 1923 - Decreta falência e é obrigado a vender seu antigo estúdio e a se desfazer de seu acervo, cenários, figurinos e, inclusive, muitos dos negativos de seus filmes, que acabaram destruídos ou vendidos como material para fazer sola de sapatos. Nesse mesmo ano seu antigo teatro, Robert-Houdin é demolido como parte de um projeto de construção de estradas.
    • 1925 - Méliès casa-se com uma ex-atriz de seus filmes
    • 1929 - Diversos filmes de Méliès são redescobertos e restaurados, sendo exibidos numa retrospectiva organizada por Jean-Paul Mauclair.
    • 1938 - Morre aos 76 anos, em Paris, na França.

    OBRAS

    Frame do filme Une Partie de Cartes, 1896.

    Frame do filme Un homme de têtes, 1898.

    Méliès em seu estúdio, Star Film, c. 1900.

    Foto da produção do filme Le Voyage dans la Lune, 1902.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • GUIMARD, Hector

  • GUIMARD, Hector

    Hector Guimard

    Hector Guimard (1867 - 1942)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquiteta(o)
    • Designer
    • Designer de Móveis

    Como fica evidente no design das entradas para o Paris Métro, [Hector] Guimard era um prodígio no uso de ferro fundido. Não eram todos os seus contemporâneos que tinham algum apreço por essa tecnologia, frequentemente tida como vulgar e alheia à Arte. Entretanto, Guimard era um artista, um architecte d'art anarquista, como referia-se a si próprio, capaz de dar forma aos seus mais criativos e expressivos trabalhos utilizando precisamente esse material, do qual seu professor [Eugène] Viollet-le-Duc fizera uso extensivamente. (...)

    Ele concebeu seus designs originais para o Castel Béranger (...) em estilo Neo-Gótico. No entanto, viagens à Inglaterra e à Bélgica realizadas em 1894 fizeram com que ele, nos anos subsequentes, mudasse gradualmente a decoração e estrutura do Castel Béranger — tornando-o um exemplo clássico de curvilínea e serpenteante fantasia arquitetônica [em estilo Art-Nouveau]. (...) Com suas linhas orgânicas e deslizantes intercaladas com detalhes biomórficos, sua elegância superando até mesmo a das entradas do metrô de Paris, (...) Guimard adquiriu o status de um inventor de formas cuja profunda marca, mesmo no século XX, não escapou a figuras como Picasso e Dalí.

    WOLF, Norbert [2011]
    Art Nouveau
    Prestel Verlag, Munique, 2015. p. 149-150

    CRONOLOGIA

    • 1867 - Nasce em Lyon, França.
    • 1882 - Inicia seus estudos de Arquitetura na École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs, em Paris.
    • 1885 - Ingressa na École des Beaux-Arts.
    • 1888 - Desenha o interior do restaurante parisiense Au Grand Neptune.
    • 1891 - Torna-se professor na École des Arts Décoratifs, onde leciona até 1900. No mesmo ano desenha o Hôtel Roszé.
    • 1895 - Faz o Atelier Carpeaux; no mesmo ano projeta a École du Sacré-Coeur, sob influência dos trabalhos de Victor Horta e Viollet-le-Duc.
    • 1896 - Participa de competição para desenhar as entradas das estações do Métro de Paris. Perde, mas consegue o trabalho mesmo assim, devido à apreciação do presidente da companhia ferroviária pelo estilo Art Nouveau.
    • 1898 - Desenha o Castel Béranger, considerado seu primeiro prédio no estilo Art Nouveau; no mesmo ano projeta também a Maison Coilliot e a Villa La Bluette.
    • 1901 - Projeta o Castel Henriette e a Salle Humbert-de-Romans, que conta com inovações estruturais.
    • 1903 - Expõe o pavilhão Le Style Guimard na Exposition Internationale de L’Habitation no Grand Palais, em Paris.
    • 1909 - Casa-se com a artista americana Adeline Oppenheim; no mesmo ano desenha o Hôtel Guimard, cujo arranjo dos espaços interiores diferem de um andar para o outro.
    • 1922 - Funda, sob a presidência de Franz Jourdain, a Société des Architectes Modernes.
    • 1928 - Projeta um edício na rue Greuze em Paris, que acredita-se ser seu último trabalho como arquiteto.
    • 1938 - Muda-se para Nova York.
    • 1942 - Morre aos 75 anos em Nova York, EUA.

    OBRAS

    Hôtel Mezzara, Paris, 1911.

    Vaso, c. 1898.

    Porte Dauphine, 1901, Paris.

    'Banquette de fumoir', 1897.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • RICKETTS, Charles de Sousy

  • RICKETTS, Charles de Sousy

    Charles de Sousy Ricketts

    Charles de Sousy Ricketts (1866 - 1931)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Autor(a)
    • Cenógrafa(o)
    • Entalhador(a)
    • Figurinista
    • Ilustrador(a)
    • Pintor(a)
    • Tipógrafa(o)

    Entre os designers gráficos ingleses que produziram na esteira do movimento de Arts & Crafts e no auge do Movimento Estético, o maior rival de [Aubrey] Beardsley era Charles Ricketts. (...) Rickets começou sua carreira como entalhador de madeira, continuando sua formação como compositor gráfico. Seu trabalho era baseado em um conhecimento profundo da produção gráfica. Enquanto Beardsley tendia a enfocar seus trabalhos como ilustrações a serem encaixadas entre páginas de tipografia, Ricketts abordava o livro como uma entidade totalizante. Levava em conta encadernação, guarda, página de título, tipografia, ornamentos e ilustrações (...) Após trabalhar como entalhador e compositor para diversas gráficas, Ricketts abriu seu próprio negócio. Em 1893, o primeiro livro totalmente projetado por ele foi lançado e, no ano seguinte, confeccionou magistralmente o livro de poemas exótico e perturbador de Oscar Wilde; A Esfinge.
    Embora Ricketts admirasse [William] Morris, costumava criticar a densidade dos projetos da Kelmscott. A diagramação de suas páginas era mais leve; os ornamentos e encadernações eram mais abertos e geométricos; seus projetos tinham uma luminosidade vívida. Ricketts inspirava-se no design complexo e entretecido dos padrões célticos e nas figuras planas e estilizadas das pinturas de vasos gregos (que estudava no Museu Britânico).(...)
    Em 1896 Ricketts inaugurou a Vale Press. Ao contrário de Morris, ele não era proprietário das máquinas com as quais imprimia seus próprios trabalhos. Ele alocava sua tipografia e utensílios nas firmas com quem trabalhava. Estas, seguiam suas instruções precisas. Quando mostraram a um Morris – doente terminal -, os livros da Vale Press, ele aclamou, admirado, a beleza dos volumes de Ricketts.

    MEGGS, Philip B. & ALSTON, W. Purvis. [2012]
    Meggs' History of Graphic Design". 5.ed.
    London, John Wiley & Sons, pp. 207-209.

    CRONOLOGIA

    • 1866 - Nasce em Genebra, na Suíça.
    • 1880 - Muda-se para Londres, Inglaterra.
    • 1882 - Inicia seus estudos na City and Guilds Technical Art School, em Kennington, Londres; onde conhece Charles Shannon, seu futuro parceiro pessoal e profissional.
    • 1889 - Publica, junto com Shannon, uma revista de arte intitulado The Diall. A revista teve em torno de 5 edições ao todo, sendo publicada de 1889 até 1897.
    • 1893 - Ricketts e Shannon são contratados pra fazer trinta e sete ilustrações em xilogravura, no estilo renascentista italiano, para o livro Daphnis and Chloe publicado por Elkin Matthews.
    • 1894 - Ricketts e Shannon fundam a Vale Press, nome escolhido em homenagem à casa deles, The Vale, em Chelsea, Londres. Lá eles publicam um total de aproximadamente 75 livros, incluindo uma reimpressão completa dos trabalhos de Shakespeare.
    • 1895 - Ricketts faz ilustrações para o livro The Sphinx, de Oscar Wilde.
    • 1899 - Um incêndio destrói a maior parte dos livros em estoque e materiais decorativos da Vale Press. A editora acaba fechando as portas algum tempo depois, em 1904.
    • 1906 - Projeta cenografia e figurino para a produção inglesa da peça Salomé, de Oscar Wild; que sofre boicote e acaba não sendo realizada.
    • 1907 - Dá início a um período de trabalhos voltados pro teatro, trabalhando nas peças: Attila (1907), de Laurence Binyon; King Lear (1909); The Dark Lady (1910), de Bernard Shaw; Judith (1916), de Arnold Bennett; Annajanska, the Bolshevik Empress (1918), de Bernard Shaw; e The Betrothal (1920), de Maurice Maeterlinck.
    • 1922 - É aceito como um associado da Royal Academy, tornando-se membro completo da Academia alguns anos depois, em 1928.
    • 1924 - Trabalha na cenografia e figurino da produção inglesa da peça Saint Joan, de Bernard Shaw; o trabalho é considerado um dos melhores de Ricketts.
    • 1929 - É nomeado membro da Royal Fine Arts Commission.
    • 1931 - Morre, aos 65 anos, vítima de um ataque cardíaco, em Londres, na Inglaterra.

    OBRAS

    The Wise and Foolish Virgins, ca 1914

    Desenho de indumentária para a opera The Gondoliers, 1929

    The Holy Women and the Angel of Resurrection, ca 1910

    Desenho de indumentária para a peça Saint Joan, ca 1924

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    DE LUCCHI, Michele

  • RODCHENKO, Aleksandr

  • RODCHENKO, Aleksandr

    Aleksandr Rodchenko (1891-1956)
    © Fotografia de Michail Kaufman

    8

    ATUAÇÕES

    OBRAS

    Pintura Não-Objetiva nº 80 (Preto sobre preto), 1918
    © MoMA

    Pôster para o departamento de Gosizdat, Leningrado (editora estatal), 1924
    © Museu Estatal Pushkin

    Pôster para o filme O Encouraçado Potemkin, 1926
    © Biblioteca Nacional da Rússia

    Escadaria, 1930
    © ADAGP, Paris

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • BREUER, Marcel

  • BREUER, Marcel

    Marcel Breuer (1902-1981)

    8

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Long Chair, 1936.

    Cleveland Trust Tower, 1971.

    Mesa; Modelo B19, 1928.

    St. John's Abbey Church

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    COPPEDÈ, Gino

  • EL LISSITZKY

  • EL LISSITZKY

    Lazar Markovich Lissitzky

    El Lissitzky (1890-1941)
    © The Josef and Anni Albers Foundation / ARS, New York

    8

    ATUAÇÕES

    OBRAS

    Cartaz litográfico Vence os Brancos com a Cunha Vermelha, 1920
    © Museum of Fine Arts, Boston

    Ilustrações para o livro Pela Voz, 1920

    Figurino Novo Homem para o espetáculo Vitória sobre o Sol, 1923
    © Tate Museum

    Projeto para o boulevard Stratsnoy, 1925

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • DALPAYRAT, Pierre-Adrien

  • DALPAYRAT, Pierre-Adrien

    Pierre-Adrien Dalpayrat

    Pierre-Adrien Dalpayrat (1844 - 1910).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Ceramista
    • Escultor(a)

    CRONOLOGIA

    • 1844 - Nasce em Limoges, na França.
    • 1859 - Começa a frequentar a École Pratique de Peinture sur Porcelaine, de Limoges.
    • 1867 - Dalpayrat começa sua carreira como pintor de cerâmicas. A começar desse período, ele trabalha em seis fábricas diferentes, em curtos intervalos de tempo.
    • 1870 - Passa um tempo em Londres com seu irmão Louis, com o objetivo de estudar a técnica de esmaltagem em cobre.
    • 1874 - Começa a trabalhar para a fábrica de porcelanas Ashwin, na comuna de Valentine, ao pé dos Pirineus.
    • 1889 - Muda-se para Bourg-la-Reine, cidade próxima à Paris com uma longa tradição na fabricação de porcelana. Nessa mesma época, Dalpayrat para de se auto intitular pintor de cerâmica e passa a se identificar como ceramista ou artista-ceramista. Começa também a utilizar cada vez mais o grês em seus trabalhos.
    • 1892 - Exibe 50 peças de grês baseadas em modelos de Alphonse Voisin-Delacroix, na prestigiosa Galerie Georges Petit em Paris.
    • 1893 - Participa da World's Columbian Exposition, em Chicago, onde é premiado com medalha de bronze.
    • 1900 - Recebe uma medalha de ouro na Exposition Universelle de Paris. No mesmo ano é condecorado com a Légion d'Honneur.
    • 1910 - Morre aos 66 anos, em Limoges, na França.

    OBRAS

    Vaso de grês, c. 1900.

    Vaso com arabescos de grês vitrificado.

    Jarro de cerâmica c. 1900.

    Jardineira floral.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • Paling Stijl

  • Paling Stijl

    Estilo Enguia

    Baigneuse I (1899).

    Em cada país o Art Nouveau recebeu umnome ou versão diferente: na Alemanha foi chamado Jugendstil (“estilo da juventude”); na Catalunha, Modernisme; na Áustria, Sezessionstil (referência à Secessão Vienense); na Bélgica, Paling Stijl (“estilo enguia”) e Style des Vingt (de Os Vinte); em Portugal, Arte Nova; na Rússia, Stil’ Modern; e na Itália, Stile Nouille (“estilo macarrão”), Stile Liberty (alusão à loja de departamentos Liberty, de Londres, que vendia tecidos estampados neste estilo) e Stile Floreale (ou estilo dos lírios ou estilo das ondas). O design e a arquitetura Art Nouveau caracterizavam-se por enfatizar a linha ondulante, figurativa, abstrata ou geométrica, tratada com ousadia e simplicidade [...]."

    DEMPSEY [2003] & HEYL [2009]
    Revista Imagem, artigo 72.

    CRONOLOGIA

    • 1890 - Surge em Bruxelas, e vai se espalhando pelo mundo.

    OBRAS

    Hotel Tassel (interior) - Victor Horta.

    Bureau Bonheur du jour - Gustave Serrurie-Bovy (1898).

    Rajah - Henri Privat-Livemont (1899).

    Fachada da casa Ciamberlani - Paul Hankar (1897).

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • CHÉRET, Jules

  • CHÉRET, Jules

    Jules Chéret

    Jules Chéret (1836 - 1932)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Cartazista
    • Designer de Interiores
    • Ilustrador(a)
    • Litogravurista
    • Pintor(a)

    Jules Chéret é considerado o 'pai do pôster moderno'. Como litógrafo, impressor, projetista, pintor, designer de interiores e ilustrador, ele era uma figura preeminente no meio artístico e literário parisiense da virada do século. Tendo a litografia colorida como suporte, Chéret tornou o pôster promocional uma arte em si mesma, contribuindo com sua vasta produção de cartazes coloridos para a transformação do cenário urbano da capital da Arte, Paris.

    BUHRS, Michael [2011]
    Jules Chéret: Pionier der Plakatkunst/Pioneer of Poster art
    Arnoldsche Art Publishers, p. 8

    CRONOLOGIA

    • 1836 - Nasce em Paris, França.
    • 1849 - Começa a trabalhar como aprendiz de litógrafo.
    • 1852 - Seu interesse por Pintura faz com que ingresse na École Nationale de Dessin.
    • 1858 - Produz seu primeiro cartaz colorido, para a ópera Orphée aux Enfers de Jacques Offenbach.
    • 1859 - Viaja para Londres, onde continua trabalhando como litógrafo na editora de Cramer, produzindo capas de livros e desenhando para The Maple Furniture Company.
    • 1866 - Retorna a Paris para abrir uma oficina litográfica, recebendo o apoio de Eugene Rimmel, com quem trabalhou pouco tempo antes.
    • 1869 - Introduz um novo sistema de impressão em Paris, a partir de três pedras; o que o torna pioneiro na criação de cartazes publicitários para empresas de bebidas, cosméticos e companhias ferroviárias.
    • 1889 - É realizada a primeira exposição individual de seus cartazes, no teatro de La Potinière, em Paris. No mesmo ano, recebe medalha de ouro na Exposition Universelle.
    • 1890 - É condecorado pelo governo francês com a Légion d'honneur por sua contribuição para as Artes Gráficas.
    • 1895 - Cria a coleção Chéret Maîtres de l'Affiche, uma publicação de arte com reproduções (em tamanho menor) dos melhores trabalhos de noventa e sete artistas parisienses, entre eles Eugène Grasset e Dudly Hardy.
    • 1912 - É realizada exibição em retrospectiva de sua obra no Museu do Louvre.
    • 1928 - O governo francês inaugura em Nice o Musée des Beaux-Arts Jules Chéret, também conhecido como Musée Chéret.
    • 1932 - Morre, aos 96 anos, em Nice.

    OBRAS

    Poster Fêtes de Nice, 1907.

    Pastilles Poncelet, 1896-1900.

    Théâtre des Nouveautés - Fatinitza, 1879.

    Casino de Paris, 1891.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    KREIS, Wilhelm

    Gestão para empreendedores

  • MAYBECK, Bernard Ralph

  • TAEUBER, Sophie

  • DREYFUSS, Henry

  • DREYFUSS, Henry

    Henry Dreyfuss (-)

    8

    ATUAÇÕES

    OBRAS

    Locomotiva 20th Century Limited, c. 1937
    © Fotografia de Patty Allison, colorizada.

    Despertador Big Ben, 1938
    © The Metropolitan Museum

    Aspirador de pó Hoover Modelo 150, 1933

    Ferro a vapor, 1948

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

  • SIME, Sidney Herbert

  • SIME, Sidney Herbert

    Sidney Herbert Sime

    Sidney Herbert Sime, autorretrato (1865 - 1941)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Cenógrafo
    • Editor(a)
    • Ilustrador(a)
    • Pintor(a)

    ‘Sidney Sime foi provavelmente o artista inglês mais criativo desde [William] Blake’. Hannen Swaffer, The Graphic, 1922.
    Sime também foi comparado com [Francisco de] Goya e com [Audrey] Beardsley. Ele tinha uma ‘inclinação natural para o mistério’ e cada polegada de seus desenhos se parecia com ele: humorista irresistível, pensador e artista criativo; brilhante ilustrador em preto e branco. (...) Sua reputação definhou por anos e seu talento, negligenciado. No entanto, suas próprias insegurança, arrogância, individualismo e, mais tarde, preguiça, contribuíram para que fosse arrastado para o anonimato.
    Seu horror a Exibições (‘esta última doença da senilidade’) e os efeitos da Primeira Guerra Mundial - momento em que artistas tenderam a se juntar em movimentos de conscientização social - (...) deixaram-no algo isolado (...).”

    BROUGHTON, Mary. [2014]
    https://artuk.org/discover/stories/artist-in-focus-sidney-herbert-sime
    Postado em 15 de setembro.

    CRONOLOGIA

    • 1865 - Nasce em Manchester, na Inglaterra.
    • 1889 - Sua primeira pintura, um retrato de Henry Peet Esq, é exibida na Walker Art Gallery Autumn Exhibition.
    • 1897 - Após colaborar para diversas publicações, como: Daily Graphic, The Illustrated London News, The Sketch, e Punch Magazine; Sime torna-se editor da revista Eureka.
    • 1898 - Sime casa-se com Mary Susan Pickett, uma pintora miniaturista; juntos eles vão morar numa casa confortável em Perthshire, onde Sime pinta diversos quadros de paisagens escocesas.
    • 1899 - Após receber herança de um tio que morreu, Sime compra a revista The Idler e passa a editá-la. Ele acaba vendendo a revista após dois anos.
    • 1904 - É chamado pelo autor irlandês Lord Dunsany para ilustrar seu primeiro livro, The Gods of Pegana, publicado no ano seguinte.
    • 1906 - É o publicado o livro Time And The Gods, de Lord Dunsany, ilustrado por Sime. Nos anos seguintes Sime ilustrou outros livros para o autor irlandês: The Sword Of Welleran, And Other Stories (1908); A Dreamer's Tale (1910); The Gods Of Pegana (1911); The Book Of Wonder, A Chronicle Of Little Adventures At The Edge Of The World (1912); e The Last Book Of Wonder (1916).
    • 1909 - Sime, junto com Caley Robinson, é responsável pela cenografia da peça The Bluebird, de Maeterlinck.
    • 1918 - Sime é chamado para as Forças Armadas da Grã-Bretanha, onde permanece por pouco tempo.
    • 1924 - Exibe suas obras na galeria St George, em Londres.
    • 1941 - Morre, aos 76 anos, em Worplesdon, na Inglaterra.

    OBRAS

    Ilustração Romance Comes Down Out of Hilly Woodlands para o livro A Dreamer's Tale, 1910

    Ilustração para o livro The Sword of Welleran, 1908

    Capa para o livro The House of Souls, 1906

    Ilustração Slid para o livro The Gods of Pegana, 1911

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    MCDONOUGH, Bill

  • GREENE, (irmãos)

  • GREENE, (irmãos)

    Henry e Charles Greene

    Charles Sumner Greene (1868 - 1957) e Henry Mather Greene (1870 - 1954).

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Arquitetos
    • Designers

    "[Os irmãos Greene] conseguem fabricar (...) os melhores e os mais autênticos móveis que pude ver neste país [os EEUU]. Belos gabinetes e cadeiras, de nogueira ou de pau santo, excepcionalmente torneados e cavilhados com uma sensibilidade suprema e com uma maestria no uso de material à altura do melhor especialista inglês. Nunca me senti tão em casa em nenhum outro atelier deste lado do Atlântico”.

    ASHBEE, Charles Robert. Apud TODD, Pamela. [2004]
    The Arts & Crafts Companion.
    Bath, Palazzo

    CRONOLOGIA

    • 1868 - Nasce Charles Sumner Greene em Brighton, Ohio.
    • 1870 - Nasce Henry Mather Greene em Brighton, Ohio.
    • 1888 - Concluem os estudos na Manual Training School da Washington University, em Saint Louis, Missouri, onde aprenderam artesanato em madeira e metal.
    • 1891 - Recebem certificados de conclusão parcial de curso na Escola de Arquitetura do Massachusetts Institute of Technology, MIT; onde estudaram estilos clássicos de construção.
    • 1893 - Viajam para Pasadena, na Califórnia, para onde seus pais se mudaram. No caminho, visitam a World Columbian Exposition (também conhecida como a Feira Mundial de Chicago) e entram em contato com a arquitetura japonesa (fato que, mais tarde, influenciará o estilo de ambos).
    • 1894 - Estabelecem, em Pasadena, a firma de arquitetura Greene & Greene.
    • 1905 - Iniciam uma parceria com Peter Hall; que se tornará o construtor de seus principais projetos.
    • 1907 - Projetam, em Pasadena, para Robert e Nellie Blacker, a Blacker House. O projeto (de orçamento extravagante para a época) envolveu a criação de todos os utensílios da casa.
    • 1908 - Projetam, em Pasadena, a Gamble House, para Mary e David Gamble, da firma Procter & Gamble. A casa passará para a história como um dos marcos da arquitetura do estilo American Arts & Crafts.
    • 1909 - Projetam, para William e Caroline Thorsen, em Berkeley, na California, a Thorsen House; uma das últimas construções em estilo de bangalô dos irmãos ainda sobreviventes.
    • 1910 - Na década seguinte – apesar de receberem inúmeras ofertas para projetos maiores -, os irmãos decidem manter a firma pequena. Continuam, no entanto, projetando mobiliário e utensílios domésticos.
    • 1922 - Fecham a firma Greene & Greene com a decisão de Charles de mudar-se para a cidade de Carmel. Henry continua trabalhando em Pasadena.
    • 1954 - Morre Henry Mather Greene em Pasadena, California.
    • 1957 - Morre Charles Sumner Greene em Carmel, California.

    OBRAS

    Cadeira - Museu De Young, San Francisco

    Lanterna Culbertson, 1910.

    Casa Thorsen, 1909.

    Banco do Hall de entrada, 1909.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    AARNIO, Eero

  • Futurismo

  • Futurismo

    Enrico Prampolini
    Retrato de Marinetti, 1925

    CRONOLOGIA

    • O fu -

    Design Orgânico

    SAUNDERS, Helen

    Escola Suíça

    NOVEMBRE, Fabio

  • LÉGER, Fernand

  • LÉGER, Fernand

    Joseph Fernand Henri Léger

    Fernand Léger (1881-1955)
    © ADAGP, Paris

    8

    ATUAÇÕES

    REFERÊNCIAS DO CURSO

    OBRAS

    Nus dans la forêt, c. 1910
    © Kröller-Müller Museum

    Contraste de formas, 1914

    A Cidade, 1919

    O Jogo de Cartas, 1917

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.

    YAMAMOTO, Kansuke

  • MOSER, Koloman

  • MOSER, Koloman

    Koloman Moser

    Koloman Moser (1868 - 1918)

    8

    ATUAÇÕES

    ATUAÇÕES

    • Designer
    • Designer de Interiores
    • Designer de Jóias
    • Designer de Produto
    • Designer Gráfico
    • Pintor(a)

    Devemos dizer que ficamos muito impressionados quando entramos em contato pela primeira vez com este desenho feito por Kolo Moser, o qual foi o artista mais ativo na crescente arte de decoração de Viena por volta de 1900. Como um jovem artista, Moser começou sua carreira como ilustrador, especialmente para revistas de moda, onde conheceu Gustav Klimt. [...] ele influenciou toda uma geração de criadores Austríacos."

    GILLIS, Eric.
    eg-fineart.com

    CRONOLOGIA

    • 1868 - Nasce em Viena.
    • 1885 - Começa a estudar desenho e pintura na Academia de Belas Artes, em Viena Bildenden.
    • 1886 - Ingressa na Malerschule Allgemeine, onde estuda pintura.
    • 1893 - Estuda Design Gráfico na Kunstgewerbeschule, em Viena.
    • 1895 - Termina o curso de Design Gráfico e começa a trabalhar como freelancer, fazendo peças gráficas para editoras e influenciando as tendências progressistas de arte da sua época, produzindo objetos desenhados em vidro, móveis, metal e joias, bem como artigos de couro, têxteis, encadernações de livros e brinquedos infantis.
    • 1897 - Funda a Secessão Vienense, juntamente com Josef Hoffmann, Otto Wagner, Adolf Loos, Joseph Maria Olbrich e Gustav Klimt.
    • 1889 - Começa a trabalhar como professor, mas apenas recebe o cargo efetivo no ano seguinte, na Escola de Artes Aplicadas de Viena.
    • 1903 - Deixa a Secessão Vienense e junta-se novamente a Hoffman, e agora a Fritz Waernodorfer, e co-funda a Wiener Werkstatte, baseando-se no movimento de Arts and Crafts Britânico. A ideia seria fazer com que as artes plásticas e as artes decorativas e aplicadas estivessem sendo vista de maneira igualitária.
    • 1904 - Torna-se editor da revista chamada Ver Sacrum, tendo realizado por volta de 140 ilustrações, porém deixa o cargo para dar lugar a Klimt.
    • 1906 - Casa-se com Editha Mauthener von Markhof, herdeira de uma família de industrialistas que o ajuda com os empréstimos da Wiener Werkstatte, que na época passava por uma forte crise com uma dívida.
    • 1908 - Deixa a Wiener Werkstatte, por uma briga com Waernodorfer e passa a concentrar-se apenas em pintura.
    • 1911 - Apresenta pela primeira vez 53 de suas pinturas na Galerie Miethke, em Viena.
    • 1916 - Descobre que está com câncer.
    • 1918 - Morre em Viena.

    OBRAS

    Colar, 1904.

    Armchair (produzida juntamente com Josef Hoffman), 1903.

    Pôster para o Frommes Kalender, 1899.

    Vitral para a Igreja Steinhof em Viena.

    A respeito da utilização das imagens leia o tópico Direitos de Propriedade Intelectual na página Termos de Uso.